SÃO GONÇALO DO AMARANTE RN-Como pensa o morador de periferia que se declara ex-eleitor do PT


Jornal GGN – A Fundação Perseu Abramo realizou, entre novembro de 2016 e janeiro de 2017, uma pesquisa com 63 moradores da periferia de São Paulo, cuja renda familiar gira em torno de dois a cinco salários mínimos, e que declararam algo em comum: votaram no PT em todas as eleições desde 2000, mas não ajudaram a reelger Dilma Rousseff em 2014 nem Fernando Haddad em 2016.
A pesquisa revela como pensa esse eleitor em relação ao Estado, à política, ao trabalho, religião, família e sociedade. E concluiu, entre outros pontos, que para esse campo, a política está em descrédito, o Estado é sinônimo de coisa pública e de má qualidade, que as igrejas neopetencostais cresceram não por difundir um pensamento conservador, mas por dar sentido às relações comunitárias, e que figuras como Silvio Santo, Lula e João Doria são exemplos do que esses eleitores querem ser: alguém que ascendeu de baixo e “chegou lá”.
Para o grupo pesquisado, os partidos políticos deveriam fundar uma organização suprapartidária, com a nata de cada legenda, ou seja, aqueles nomes que não estão envolvidos com corrupção e querem trabalhar pelo País.
Assine
O GGN resumiu outros pontos levantados pelos entrevistados:
– Os entrevistados têm rotina agitada e, por isso, debates políticos mais aprofundados não são prioridade no cotidiano.
– Os assuntos debatidos com frequência são os escolhidos pela grande mídia, como Lava Jato e, no período em que a pesquisa foi feita, eleições municipais.
– Não há delimitação clara entre quem poderia ser de esquerda ou de direita e esses conceitos tampouco são discutidos. Palavras pejorativas usadas atualmente para delimitar esses campos (como coxinhas ou reaças) não habitam o imaginário dessa população.
– A polarização política não é bem definido ou é inexistente para o público estudao.
– Não há clareza entre o que é governo federal, estadual e municipal e suas obrigações e limitações. Tampouco entre o que é Legislativo e Executivo. “É tudo governo”.
– Quando o assunto é classe trabalhadora e burguesia, o entrevistado mostra que não vê distância entre o trabalhador e o patrão. Eles são diferentes, mas não há exploração, um precisa do outro porque estão no “mesmo barco”. Não há ideia de coletivo nem de conflito de interesses.
– Não importa a renda ou ocupação, as pessoas tendem a dizer que são “classe média”, porque acham que pobreaz está relacionada à falta de moradia e comida e riqueza, à abundância de patrimônios pessoas e familiares.
– Buscam ter “singularidade e valores reconhecidos dentro da competitividade capitalista”; não gostam de ser tratados como “os pobres”; organizam estrutura de vida (trabalho, família, religião) em torno da motivação de “serem alguém”. Logo, não negam a importância de política públicas e de acesso a oportunidades, mas rejeitam aquelas que aparentam duvidas das “capacidades individuais”, como as políticas de cotas.
– Trabalham para “chegar lá”, serem diferentes dos “mais pobres”.
– Rejeitam situações de caos ou instáveis que ameaçem essa ascensão.
– Acham que o “esforço supera tudo”, ou seja, com trabalho e esforço serão alguém na vida, não importa se, na prática, a oportunidade não é democratizada.
– Se inspiram em figuras públicas de sucesso como Lula, Silvio Santos de Joao Doria, percebidos como “pessoas que vieram de baixo e cresceram por mérito próprio”.
– A ideia de religião é associado ao mérito e às conquistas que chegam com o trabalho. O “Deus ajuda quem cedo madruga” se encaixa muito bem.
– Muitos querem ser empreendedores, porque assim se aproximariam de ser “patrões” ou de ter independência. Mas a maioria trata a questão como sonho distante.
– Em alguns casos (como cotas), a política pública desvaloriza o cidadão. Muitos entendem que como o Estado é falho, o ideial é pagar pelo mesmo serviço na rede privada (como educação e saúde).
– Essa visão de que o público é ruim, contudo, só funciona onde existe um “sentimento de vazio de políticas públicas”. Por exemplo: quem teve acesso aos CEUs, iniciados na gestão Marta Suplicy, consegue fazer uma avaliação independente do que é dito pela grande mídia – que costuma formar o sentimento coletivo de que nada presta no meio público.
– Quando o assunto é consumo, os entrevistados que são de faixa etária mais velha deixam claro que o dinheiro é escasso e que investem mais em alimentação, coisas para casa ou educação. Já os mais jovens estão em busca de itens superfluos.
– Na questão familiar e moral, há o entendimento de que a sociedade vai mal por causa de “famílias desestruturadas”.
– Não gostam de mistura política com religião nos espaços religioso. Têm “posicionamento crítico em relação à ligação de Política e Religião se dá menos por um princípio de ‘laicidade’ do Estado, mas mais pelo medo de que a política “suje/contamine” os espaços religiosos: tratam com desconfiança quem se envolve com a política, como se fosse impossível estar nesse campo sem se render e participar da corrupção.”
– Mas não descartam votar em um político que tenha sido indicado pelo líder religioso ou algo assim. “Mas, não parece ser na essência um voto conservador: o voto religioso aparenta se orientar mais por uma relação de proximidade do que por um sentido/motivação ideológica conservadora.”
– A política é algo visto com descrédito, como sujeira, embora a maioria entende que ela faz tem importância porque é como se define um governo e, consequentemente, a qualidade dos serviços públicos.
– O “sucesso” neopetencostal se daria mais por questões organizacionais, seu papel acolhedor e de sociabilidade na comunidade do que por questões de conteúdo ideológico. Política também é vínculo, acolhimento e identidade – as igrejas nas periferias proporcionam isso.”
A pesquisa completa está em anexo.
Select rating
Nota 1
Nota 2
Nota 3
Nota 4
Nota 5

SÃO GONÇALO DO AMARANTE RN-Como pensa o morador de periferia que se declara ex-eleitor do PT
Avalie esta postagem



Loading...

Levany Júnior

Levany Júnior é Advogado e diretor do Blog do Levany Júnior. Blog aborda notícias principalmente de todo estado do Rio Grande do Norte, grande Natal, Alto do Rodrigues, Pendências, Macau, Assú, Mossoró e todo interior do RN. E-mail: levanyjunior@blogdolevanyjunior.com

Comentários com Facebook




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *