Presidente do TCU aponta ‘falta de planejamento’


140869O presidente do Tribunal de Contas da União,  ministro João Augusto Ribeiro Nardes, criticou os gestores públicos pela falta de planejamento e creditou esse fato à criação dos gargalos para resolver questões da saúde, segurança e educação. Durante o evento “Diálogo Público – para a melhoria da governança pública”, que ocorreu ontem em Natal, o ministro citou a obra de transposição do rio São Francisco como um exemplo da falta de planejamento.

João Maria AlvesAugusto Nardes destaca necessidade de projeto básicoAugusto Nardes destaca necessidade de projeto básico


Ele lembrou que a obra tinha como meta ser concluída em 2010. “Estamos em 2014. O valor inicial era R$ 4,2 bilhões, já está em R$ 8,5 bilhões. Não terminaram em 2010 e nem vão terminar em 2015. Faltou planejamento. O projeto básico foi mal feito”, disse o presidente do TCU.

Ele ressaltou que todos os contratos para essa obra foram aditivados com valores superiores aos permitidos pela legislação.  “Isso demonstra que falta planejamento em nível nacional, como também em muitos municípios e Estados”, disse, chamando atenção que a cultura da governança pública é o que o Tribunal de Contas da União busca implantar nos Estados.

Para o ministro, é essa falta de planejamento que provoca gargalos nos setores de educação, segurança e saúde. “Não somente a penalização. Condenamos próximo de 7 mil pessoas na última eleição. Mas isso não é suficiente. Temos que mostrar de forma sistemática os indicadores, porque não funcionam a saúde, educação, segurança”, disse.

O presidente do Tribunal de Contas da União também foi incisivo nas críticas às obras da Copa. Segundo ele, a falta de planejamento também estão expostas nesse segmento. “A Copa estamos perdendo na questão da organização porque boa parte das obras de mobilidade não estão prontas e não ficarão prontas. Alguns estádios estão se arrastando para terminarem dentro do prazo”, frisou.

Para João Augusto Nardes, o Brasil já sai derrotado da Copa no quesito organização. “Faltou planejamento para obras da Copa. Nós já perdemos a Copa na organização. Estamos só com 31 obras de mobilidade sendo feitas em todo Brasil. Houve um avanço considerado aqui (no RN). Mas no meu Estado (Rio Grande do Sul), por exemplo, deixou de aplicar R$ 450 milhões porque não fez o planejamento adequado”, avaliou.

O ministro disse que é preciso acabar no país com o “jeitinho”. “Temos que mudar essa cultura no Brasil e estabelecer planejamento. A história do jeitinho brasileiro não está dando certo. Nós vamos passar vergonha agora na Copa porque não nos organizamos de forma antecipada. E isso é lamentável. Mas ainda temos tempo de nos recuperar para os jogos olímpicos e melhorar a imagem do Brasil em termos internacionais”, completou.



Levany Júnior

Levany Júnior é Advogado e diretor do Blog do Levany Júnior. Blog aborda notícias principalmente de todo estado do Rio Grande do Norte, grande Natal, Alto do Rodrigues, Pendências, Macau, Assú, Mossoró e todo interior do RN. E-mail: [email protected]

Comentários com Facebook




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.