ABPGC EM FOCO-Peru decreta emergência climática por vazamento de petróleo Desastre aconteceu após ondas anômalas atingirem a costa peruana, como efeito subsequente de uma erupção em Tonga


Milhões de metros quadrados de mar e solo foram afetados pelo vazamento

Milhões de metros quadrados de mar e solo foram afetados pelo vazamento

PILAR OLIVARES/REUTERS – 20.01.2022

Nesta quinta-feira (20), o presidente do Peru, Pedro Castillo, assinará um decreto por meio do qual será declarada emergência climática. Brigadas lutam para conter um vazamento de petróleo causado por ondas após a erupção de um vulcão em Tonga, cujos danos se estenderam a 21 praias no centro do país.

O vazamento foi causado por ondas anômalas, no sábado (15), ao longo da costa peruana, horas após a erupção de um vulcão submarino em Tonga, no oceano Pacífico, enquanto um navio-tanque descarregava petróleo através de oleodutos para a refinaria La Pampilla de Ventanilla, da empresa espanhola Repsol.

O Organismo de Avaliação e Fiscalização Ambiental (Oefa, na sigla em espanhol) disse em comunicado que, até esta quinta-feira, a área afetada pelo vazamento, de acordo com as vistas aéreas obtidas por meio de drones, aumentou para 1,7 milhão de metros quadrados de solo e 1,2 milhão de metros quadrados no mar.

VEJA TAMBÉM
  • Peru isola praias após vazamento de petróleo atribuído a erupção
    INTERNACIONAL

    Peru isola praias após vazamento de petróleo atribuído a erupção

  • Erupção em Tonga causa ondas anormais no litoral do Peru
    INTERNACIONAL

    Erupção em Tonga causa ondas anormais no litoral do Peru

  • Autoridades dizem que tsunâmi chegou a 15 m de altura em Tonga
    INTERNACIONAL

    Autoridades dizem que tsunâmi chegou a 15 m de altura em Tonga

“Aves sem vida foram identificadas”, acrescentou a agência.

Nesta quarta-feira (19), o governo peruano descreveu o vazamento como “o pior desastre ecológico” em Lima nos últimos tempos, por ter posto em perigo a flora e a fauna em duas áreas naturais, e exigiu que a Repsol compensasse imediatamente os danos.

A Repsol disse em um comunicado, nesta quinta-feira, que uma equipe de mergulhadores designada por ela está explorando os danos subaquáticos do vazamento, e que implantou mais de 2.500 m de barreiras de contenção, além de 10 embarcações com brigadas de 50 pessoas que estão recuperando o produto despejado no mar.

“Lamentamos não termos comunicado adequadamente todos os nossos compromissos assumidos e ações realizadas para enfrentar o impacto” do vazamento de óleo, afirmou a empresa.

Recomendado para você

Últimas

Utilizamos cookies e tecnolo

Rate this post



Comentários com Facebook




Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.