28 de julho – Parabéns, Paulo Afonso! 63 anos de emancipação política; Conheça a sua história


Por Antônio Galdino (Folha Sertaneja)

Se a Chesf não tivesse construído a sua primeira Usina hidrelétrica nestas terras sertanejas e muitas outras durante 50 anos, não haveria o município de Paulo Afonso e muitos outros da região.

A luta de Abel Barbosa e alguns pioneiros a partir do ano de 1950 para a emancipação política de Paulo Afonso mudou a história desta região.

Mas, toda a história começou mesmo ainda no século XVIII, há 300 anos, nas margens do rio São Francisco, na divisa dos Estados da Bahia e Alagoas ao lado de várias quedas dágua, quando se passou a conhecer o nome Paulo Afonso. Vários nomes entram nessa história. Um engenheiro alemão/brasileiro, Henrique Halfeld, o Imperador D. Pedro II, o poeta baiano Castro Alves, o cearense Delmiro Gouveia. Há pouco mais de 70 anos, outros nomes também participaram da história dessa região: o pernambucano Apolônio Sales, o gaúcho Getúlio Vargas, um mato-grossense, Eurico Gaspar Dutra, um carioca Antônio José Alves de Souza. Um potiguar, João Fernandes Campos Café Filho, o único presidente da República potiguar, nascido em Natal/RN e o primeiro presidente evangélico (presbiteriano) do Brasil, inaugurou em 15 de Janeiro de 1955, a segunda grande usina hidrelétrica do Nordeste, a primeira subterrânea da América Latina e levou a “luz de Paulo Afonso” para a região. A primeira usina hidrelétrica, como lembra o Professor Reginaldo, do CFPPA, foi, de fato a Usina Angiquinho, em 1913, por Delmiro Gouveia. Um pernambucano, sanfoneiro, cantador nascido em Exu, espalhou a história da Chesf pelo mundo a fora na música Paulo Afonso, um baião, criado por Zé Dantas, médico, compositor, outro pernambucano, de Carnaíba, no mesmo ano de 1955 em que era inaugurada a primeira usina da Chesf em Paulo Afonso. Delmiro deu a ideia Apolônio aproveitou Getúlio fez o decreto E Dutra realizou O presidente Café A usina inaugurou E graças a esse feito De homens que tem valor Meu Paulo Afonso foi sonho Que já se concretizou Olhando pra Paulo Afonso Eu louvo nosso engenheiro Louvo o nosso “cassaco” Caboclo bom verdadeiro Eu vejo o Nordeste Erguendo a bandeira De ordem e progresso A nação brasileira Vejo a indústria gerando riqueza Findando a seca Salvando a pobreza Ouço a usina feliz mensageira Dizendo na força da cachoeira O Brasil vai, o Brasil vai O Brasil vai, o Brasil vai…



Comentários com Facebook




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.