SÃO GONÇALO DO AMARANTE RN-Interpretação da pobreza brasileira, por Mario Lima Jr.


Interpretação da pobreza brasileira, por Mario Lima Jr.

O Jornal de todos Brasis

17

 17,3 milhões
Foto: Marcello Casal Jr. / Agência Brasil

Por Mario Lima Jr.

De acordo com a estimativa mais otimista do Banco Mundial, 19,8 milhões de pessoas tentarão sobreviver com menos de R$ 140 por mês até o fim de 2017 no Brasil (O Globo). O problema é grave demais para limitarmos suas causas aos erros das gestões presidenciais petistas ou do governo Temer. A pobreza é defeito da organização social humana da qual participamos igualmente.

O Brasil já tem hoje tantos pobres quanto a soma das populações de Bolívia e Paraguai: 17,3 milhões. Lembrando que o critério de definição da pobreza estipulado pelo Governo Federal (menos de R$ 140 mensais) é seis vezes inferior ao salário oficialmente considerado mínimo para uma existência digna.

A fim de combater as consequências da atual recessão econômica que transforma os mais vulneráveis em milhões de novos pobres, o Banco Mundial sugere a elevação entre R$ 600 milhões e R$ 1,2 bilhão dos recursos destinados ao Bolsa Família, que conta com R$ 29,8 bilhões em seu orçamento anual. Criado em 2003, o programa assistencial é reconhecido mundialmente por reduzir a miséria através da distribuição de renda, historicamente mal executada. Em uma escala de 0 a 1, chamada de índice de Gini, que mede o grau de concentração de renda onde o número 1 indica desigualdade máxima, a nota brasileira em 2015 foi 0,491 (PNAD/Exame).

Não são a causa original da pobreza, contudo, as recorrentes crises econômicas atravessadas pelo País nem o acúmulo de riqueza em poucas e poderosas mãos, mas a gananciosa, e antiga, exploração do trabalho. A ambição impede a igualdade social e garante a manutenção da preconceituosa superioridade hierárquica, financeira e material.

Vem de uma falha de caráter, portanto, a miséria. Um vício produz a condição de pobre e a de observador próximo – embora insensível – da fome, da falta de moradia decente e de saneamento básico nos morros, periferias, viadutos e calçadas. A permanência de um morador de rua é algo tão abominável quanto a escravidão ou o trabalho infantil, a diferença é que a legislação contra o primeiro sofrimento é frágil.

Que outra justificativa teria a construção de desigualdades entre seres naturalmente equivalentes? Atribuímos a penúria do indigente encolhido no chão ao azar por ter nascido de origem humilde, religiosos citam o inevitável e necessário carma, mas, segundo Charles Darwin, “se a miséria é causada não pelas leis da natureza, mas por nossas instituições, grande é o nosso pecado”.

No final deste ano faltarão quase vinte milhões de passos para o povo brasileiro saldar suas dívidas mais urgentes. É um longo caminho a percorrer, sem atalhos, usando como veículos benefícios trabalhistas justos, capacitação profissional e programas de assistência social (pois ensinar o faminto a pescar antes de saciar sua fome é outra anomalia humana, chamada de hipocrisia).

Select rating
Nota 1
Nota 2
Nota 3
Nota 4
Nota 5

17
SÃO GONÇALO DO AMARANTE RN-Interpretação da pobreza brasileira, por Mario Lima Jr.
Avalie esta postagem



Loading...

Levany Júnior

Levany Júnior é Advogado e diretor do Blog do Levany Júnior. Blog aborda notícias principalmente de todo estado do Rio Grande do Norte, grande Natal, Alto do Rodrigues, Pendências, Macau, Assú, Mossoró e todo interior do RN. E-mail: levanyjunior@blogdolevanyjunior.com

Comentários com Facebook




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *