GUAMARÉ RN-CUT é única central sindical a se posicionar contra qualquer medida para modernizar lei trabalhista


Foto: Lucio Bernardo Junior / Câmara dos Deputados

A maioria dos dirigentes das centrais sindicais presentes na audiência pública dessa terça-feira (7) da Comissão Especial que analisa a modernização das leis trabalhistas (PL 6787/16) defendeu o fortalecimento da negociação coletiva. Também houve críticas a pontos do texto enviado pelo Executivo pelas diferentes entidades, mas a Central Única dos Trabalhadores (CUT) foi a única a se posicionar contra qualquer medida proposta.

“A nossa central é a favor da negociação coletiva. É melhor o trabalhador errar junto com seus companheiros, porque é um aprendizado, do que alguém vir dizer o que é certo ou errado para mim”, disse o secretário-geral da Força Sindical, João Carlos Gonçalves.

Segundo Gonçalves, a atuação do Ministério Público do Trabalho (MPT) intervém sobre as negociações entre trabalhadores e empresários, aprovadas em assembleia.

“Gradativamente, o MPT adquiriu poderes que foram sufocando a negociação coletiva em uma tutela que lembra os piores momentos da ditadura militar”, afirmou o secretário-geral da Central dos Sindicatos Brasileiros (CSB), Alvaro Egea.

Na avaliação do relator do projeto na comissão, deputado Rogério Marinho (PSDB-RN), as centrais confirmaram que há uma tutela do Estado sobre os sindicatos.

Estiveram no debate representantes das seis principais centrais sindicais – CTB, CSB, Força Sindical, CUT, UGT e NCST. Nesta quarta-feira (8), será a vez das maiores confederações patronais – CNA, CNC, CNI, CNT, CNS e Febraban – participarem de audiência na comissão, prevista para às 14h30 no plenário 2 da Câmara.

Comentários (4) enviar comentário
  1. Ceará Mundão

    Essa reforma proposta visa apenas a regulamentar algo já previsto na Constituição: a supremacia das negociações coletivas, capitaneadas pelos sindicatos. Ou seja, dá mais poder aos sindicatos, que assumirão o protagonismo nas negociações trabalhistas. O que leva uma Central Sindical a recusar a proposta integralmente, sem a mínima argumentação? Simples. Essa CUT, assim como o PT, de quem é um mero apêndice, não está nem um pouco preocupada com os trabalhadores. Sua única preocupação é político-partidária, é com a volta do PT ao poder. E para isso, que se f… o Brasil e o seu povo. Qualquer criança é capaz de enxergar isso com facilidade. Excetuando os petistas “profissionais”, o povo brasileiro parece que já está “caindo na real”.

  2. Ceará Mundão

    A legislação sindical brasileira é um absurdo. Você ser obrigado por lei a contribuir prá que essas “coisas” lutem em prol de partidos políticos, mesmo que contra os trabalhadores, que deveriam ser o seu objetivo maior, senão único, é realmente demais. Nossos sindicatos e essas tais Centrais Sindicais foram todos aparelhados pelos partidos de esquerda e são usados por eles com fins político-partidários. Entre num sindicato de bancários ou da educação em época de eleição e confira o que ocorre por lá. Os sindicatos são transformados em comitês partidários de forma explícita. Nem tentam mais camuflar suas ações. Agem de forma explícita. E os trabalhadores nada podem fazer a respeito pois, mesmo que resolvam não se sindicalizar, ainda tem a tal Contribuição Sindical, que é obrigatória a todos. Isso precisa mudar.

  3. Marcelo

    Não dá para levar a CUT a sério. Vocês viram o que essa cambada fez nos últimos 13 anos de governo petista. Perderam a boquinha e agora são contra tudo e todos.

    • paulo

      BG
      Esses pelegos de sindicato só sobrevivem devido ao recolhimento COMPULSÓRIO retido dos funcionários. Não sabem fazer nada só bagunça.

Blog do BG: http://blogdobg.com.br/#ixzz4ak9fXBwM



Levany Júnior

Levany Júnior é Advogado e diretor do Blog do Levany Júnior. Blog aborda notícias principalmente de todo estado do Rio Grande do Norte, grande Natal, Alto do Rodrigues, Pendências, Macau, Assú, Mossoró e todo interior do RN. E-mail: [email protected]

Comentários com Facebook




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.