FOTOS IMAGENS-Prisão de 4 chineses faz polícia de SP retomar investigação sobre máfia


4326883_x360

Kleber Tomaz e Cíntia AcayabaDo G1 São Paulo

A prisão de quatro chineses envolvidos no sequestro de uma compatriota levou a polícia a voltar a investigar a atuação da máfia chinesa no comércio popular de São Paulo. O G1 teve acesso ao vídeo que mostra a Polícia Militar (PM) libertando a refém no mês passado na cidade (veja imagens acima).

Este foi o segundo caso de sequestro cometido por imigrantes da China contra uma vítima chinesa na capital paulista em 2015. O anterior ocorreu em maio, com a libertação de um jovem após o pai dele pagar R$ 300 mil de resgate aos criminosos. Policiais civis de delegacias e divisões especializadas ouvidos pela equipe de reportagem apuram se os dois casos foram cometidos pela mesma quadrilha.

O G1 teve acesso aos depoimentos das vítimas que denunciaram os crimes cometidos por chineses às autoridades. O perfil delas é sempre o mesmo: comerciantes vindos da China ou parentes. Os sequestradores são imigrantes membros das tríades – como é conhecida a máfia chinesa em alusão ao símbolo em forma de triângulo adotado.

Taxa de proteção
Os mafiosos cobram taxas de proteção dos empresários que trabalham no Centro de São Paulo. Alguns chegam a pagar de R$ 1 mil a R$ 10 mil para garantir que sua família não seja agredida, sequestrada ou morta. Neste ano, dois chineses foram mortos por gangues de imigrantes nas regiões da Rua 25 de Março, Brás e Mooca – conhecidas pelo comércio popular. Eles não teriam pago o “pedágio” para a máfia chinesa.

“A máfia chinesa é uma coisa velada, mas ainda existe”, disse o delegado Reinaldo Vicente Castello, titular do 6º Distrito Policial, no Cambuci, sobre a experiência que teve ao investigar os mafiosos quando trabalhava na região central. “O chinês que não paga a propina é ameaçado, agredido, sequestrado ou morto.”

Em janeiro, câmeras de segurança gravaram a execução de um chinês na região central: assassinado com oito tiros. Os orientais que atiraram aparecem fugindo (veja vídeo abaixo). Um mês depois, outro chinês foi encontrado morto dentro de um carro na Zona Leste. Ele tinha levado um tiro no pescoço.

Investigações apontam que a máfia chinesa trabalha com contrabando e falsificação de CDs e obriga comerciantes e camelôs a pagarem taxas de proteção e a comprarem mercadorias de grupos chineses que abastecem mercados de São Paulo.

A máfia chinesa é uma coisa velada, mas existe”
Reinaldo Vicente Castello, delegado

De acordo com policiais e representantes do Ministério Público (MP), os grupos criminosos chineses mais atuantes em solo paulista são da Sun Yen On, de Cantão, e Fu Chin, de Xangai. Entre 2001 e 2014, foram ao menos quatro homicídios e duas agressões contra chineses cometidos pela máfia chinesa na capital paulista.

O atual promotor do Patrimônio Público, José Carlos Blat, afirmou que a máfia chinesa é bem estruturada. “Ela coopta ambulantes para revender seus produtos, como CDs piratas”.

Mas o número de vítimas dos mafiosos chineses pode ser maior, porque muitas têm receio de prestar queixa na polícia, com medo de represálias por parte dos criminosos. Dificuldade em compreender a língua portuguesa e condição irregular no Brasil seriam outros motivos para os chineses desistirem de pedir ajudar.

A equipe de reportagem teve acesso, no entanto, a documentos policiais com os relatos dos chineses vítimas da máfia chinesa. Com o auxílio de tradutores, os estrangeiros confirmaram que preferem dar dinheiro aos mafiosos para não sofrerem ameaças. E quando procuram a polícia, evitam dar detalhes que levem a pistas dos criminosos.

Consulado
O Consulado da China informou ao G1, por meio de sua assessoria de imprensa, que coopera com a polícia e a Justiça. “O Consulado Geral tem mantido efetiva cooperação com polícias de todos os ramos e poderes do judiciário local de São Paulo desde sempre. O Consulado Geral espera estreitar o contato e reforçar a cooperação com autoridades competentes do Brasil para lutar contra os criminosos que cometam crimes contra os cidadãos chineses, a fim de proteger a segurança pessoal e patrimonial deles.”

A representação do Brasil na China também orientou os chineses, em caso de necessidade, a procurar as autoridades. “Lembra sempre a comunidade chinesa para reforçar a consciência de segurança, melhorar maneiras de proteção e prevenção, e quando os direitos e interesses legítimos pessoais ficarem arriscados, deve-se comunicar à polícia local na hora, fornecendo evidências e colaborando para o inquérito policial.”

Uma linha telefônica está disponível para “fornecer proteção e assistência consular a qualquer hora”, informou o consulado. “Cidadãos chineses também podem esclarecer seus problemas e dificuldades de várias formas como solicitar encontros, escrever cartas etc.”

Ela [máfia chinesa] coopta ambulantes para revender seus produtos, como CDs piratas”
José Carlos Blat, promotor

Sequestros
O último caso envolvendo a máfia chinesa que a polícia tem conhecimento ocorreu no Dia dos Namorados. Por volta das 11h do dia 12 de junho, um telefonema anônimo levou a PM a prender em flagrante quatro chineses que sequestravam uma chinesa.

A operação que deteve os suspeitos, com idades entre 39 e 49 anos, foi filmada pelo helicóptero da corporação. A vítima, uma comerciante de 36 anos, disse aos policiais que os chineses a sequestraram quando ela saía de casa, no Ipiranga, na Zona Sul.

“Os criminosos usaram uma pistola de brinquedo, um canivete e uma venda nos olhos para intimidar a vítima”, falou ao G1 o tenente da PM Gabriel Huerte Diniz, que foi abraçado pela chinesa quando sua viatura parou o veículo e libertou a mulher. “Ela disse que bateram nela e ameaçaram matá-la se ela ou a família não pagassem R$ 1 milhão de resgate.” O dinheiro não foi pago.

De acordo com o tenente, a vítima afirmou que devia dinheiro emprestado a um chinês que mora na China. Cerca de R$ 30 mil que haviam sido fornecidos para franquear a vinda dela a São Paulo. “Esse homem então contratou os quatro chineses no Brasil para fazer a cobrança”, afirmou Diniz.

Policiais do 1º DP, Sé, que investiga o caso, indiciaram os quatro chineses por extorsão mediante sequestro e formação de quadrilha. Eles disseram a equipe de reportagem que mais pessoas podem estar envolvidas com a máfia chinesa.

Procurado pela equipe de reportagem, o advogado Ivelson Salotto, que defende os quatro chineses presos, negou que eles pertençam à máfia chinesa. “Eles haviam dado uma carona para a mulher porque a conheciam. Tudo não passou de um mal-entendido”, disse o advogado de Zhao Zheng, 43 anos, Wang Xiao Ning, 40, Nan Hao, 39 e Wang Wanjia, 49.

Milhares de consumidores realizam suas compras de Natal na região da rua 25 de Março, área de comércio popular no centro de São Paulo (Foto: Cris Faga/Fox Press Photo/Estadão Conteúdo)Consumidores realizam compras de Natal na região da Rua 25 de Março, área de comércio popular no Centro de São Paulo (Foto / Arquivo: Cris Faga/Fox Press Photo/Estadão Conteúdo)

A Divisão Antissequestro (DAS) investiga se esses chineses presos também cometeram outro sequestro contra um jovem chinês, de 19 anos, filho de um empresário no Brás, entre 8 e 16 de maio deste ano. O motivo do crime também seria uma dívida contraída pelo pai da vítima com a máfia chinesa.

Policiais que apuram o caso contaram que, apesar de a família da vítima ter procurado a polícia, ela descumpriu a orientação da investigação e pagou o resgate de R$ 300 mil exigido pelos sequestradores para libertar o rapaz. Desse modo, os criminosos não puderam ser identificados e presos.

Assassinatos
Imagens de câmeras de segurança também gravaram em 30 de janeiro o assassinato contra um chinês na capital. As cenas mostram três homens com traços orientais abordando dois chineses e atirando num deles, que tenta se proteger usando o amigo como escudo.

As vítimas estavam saindo de um prédio na Rua Carlos de Souza Nazaré, na região da Rua 25 de Março. Apesar disso, os dois são baleados. Zenhui Lin, de 42 anos, atingido por oito disparos, morreu. A outra vítima sobreviveu. O trio criminoso fugiu e é procurado.

Quem não paga morre”
Roberto Porto, promotor e atual chefe da Controladoria Geral do Município

O caso, que foi registrado pelo 8º DP, Brás, passou a ser investigado pelo Departamento Estadual de Homicídios e de Proteção à Pessoa (DHPP). Uma das linhas de investigação é que a execução foi feita pela máfia chinesa.

Dentro do carro de Zenhui estava um colete à prova de balas. Ele estaria sofrendo ameaças por ter se recusado a pagar “mesada” para ter a proteção dos mafiosos.

O G1 apurou que os parentes do chinês morto e o do ferido pediram a seus advogados para que seus nomes fossem suprimidos do processo judicial porque eles têm medo de ser mortos pela máfia.

Em 2 de fevereiro, outro chinês havia sido encontrado morto dentro do carro, baleado no pescoço. O veículo com o corpo estava na Rua Dom Bosco, Zona Leste da capital. A polícia também apura se a máfia chinesa está envolvida nessa morte.

Alguns crimes cometidos pelos mafiosos chineses têm requintes de crueldade: as vítimas foram degoladas, baleadas na nuca, sofreram golpes de artes marciais ou foram agredidas com objetos. “Me lembro, há alguns anos, do caso de um chinês que teve a cabeça esmagada por um taco de beisebol”, disse o promotor Roberto Porto, que assumiu recentemente a pasta da Controladoria Geral do Município.

No passado, Porto, que integrou o Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco), do Ministério Público, afirmou que os mafiosos ajudavam chineses a vir ilegalmente para trabalhar no Brasil pela fronteira com o Paraguai, com visto de turista, e depois passavam a cobrar por isso. “Quem não paga morre”, disse Porto.



Levany Júnior

Levany Júnior é Advogado e diretor do Blog do Levany Júnior. Blog aborda notícias principalmente de todo estado do Rio Grande do Norte, grande Natal, Alto do Rodrigues, Pendências, Macau, Assú, Mossoró e todo interior do RN. E-mail: [email protected]

Comentários com Facebook




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.