FOTOS IMAGENS-MUNDO Em manifesto, atirador da Nova Zelândia defende a supremacia branca


No documento de 72 páginas, o terrorista ataca os muçulmanos e diz pretender criar “uma atmosfera de medo” para os imigrantes

Antes de matar 49 frequentadores de uma mesquita em Christchurch, na Nova Zelândia, Brenton Tarrant, um dos atiradores, publicou nas redes sociais um manifesto extremista e xenófobo.No documento de 74 páginas, o assassino evoca a sua condição de branco, emite frases preconceituosas contra muçulmanos e afirma que seu objetivo seria “criar uma atmosfera de medo” e “incitar a violência” contra imigrantes.

“Sou apenas um homem branco normal de 28 anos. Nasci na Austrália, em uma família de poucos recursos”, anota.

Em seguida, afirma que o atentado é uma vingança pela “escravidão de milhares de europeus tirados de suas terras por escravocratas islâmicos” e “pelas centenas de milhares de mortes provocadas por invasores contra europeus ao longo da história”.

Embora nascido na Austrália, o atirador se considerava defensor dos valores europeus. “As origens da minha língua são europeias, a minha cultura é europeia, as minhas crenças políticas são europeias, as minhas crenças filosóficas são europeias, a minha identidade é europeia e, mais importante, o meu sangue é europeu”.

A principal referência de Tarrant era Anders Breivik, terrorista de extrema-direita da Noruega que fez 77 vítimas em 2011 e publicou um documento de 1,5 mil páginas no qual defendia a superioridade racial branca. Ele afirma ter mantido um “breve contato” com Breivik, sua “única inspiração verdadeira”.

Tarrant cultivava, como vários supremacistas brancos ao redor do planeta, teorias conspiratórias em relação às instituições e conceitos ocidentais que dizia defender. “A democracia é o domínio da máfia, e a própria máfia é comandada por nossos inimigos. A imprensa global, dominada por corporações, a controla”.

A política, segundo ele, é uma “insanidade dominante, multicultural, igualitária e individualista”. E elogia a internet, que teria permitido que “a verdadeira liberdade de pensamento e discussão florescesse”.

Muito obrigado por ter chegado até aqui…

… Mas não se vá ainda. Ajude-nos a manter de pé o trabalho de CartaCapital.

O jornalismo vigia a fronteira entre a civilização e a barbárie. Fiscaliza o poder em todas as suas dimensões. Está a serviço da democracia e da diversidade de opinião, contra a escuridão do autoritarismo do pensamento único, da ignorância e da brutalidade. Há 24 anos CartaCapital exercita o espírito crítico, fiel à verdade factual, atenta ao compromisso de fiscalizar o poder onde quer que ele se manifeste.

Nunca antes o jornalismo se fez tão necessário e nunca dependeu tanto da contribuição de cada um dos leitores. Seja Sócio CartaCapital, assine, contribua com um veículo dedicado a produzir diariamente uma informação de qualidade, profunda e analítica. A democracia agradece.

SEJA SÓCIO



Comentários com Facebook




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.