A PALAVRA DO DIA-EZEQUIEL 17.22-24 — VIDA ONDE NÃO HÁ


Quando o profeta Ezequiel pregou sua mensagem, no século 5 antes de Cristo, ele e seus ouvintes estavam exilados, distantes de sua terra e frustrados em seus sonhos.
Outros pregadores prometeram que Israel venceria seus inimigos e permaneceriam firmes nas suas casas porque Deus não permitiria nenhum mal sobre as suas vidas. No entanto, o mal veio. Deus não falhou, mas alguns dos seus profetas falharam, porque prometeram o que Deus não prometeu. Os profetas verdadeiros diziam que o povo precisava abandonar suas vidas de pecados, mas os profetas de si mesmos, atrás apenas do dinheiro dos fiéis, diziam que Deus daria um jeito, mesmo o povo continuando no pecado, como se o pecado não tivesse conseqüências. As conseqüências vieram e agora o profeta Ezequiel era o pregador. Agora, prestavam atenção, mas nem todos, é verdade. Tanto que quando, mais tarde, voltaram do exílio, alguns preferiam continuar na terra estranha.

1. O DEUS QUE FALA
Diante da desesperança disseminada, o profeta Jeremias afirma:
“Assim diz o Senhor Deus”.
O profeta lembra ao povo que Deus ainda fala.
Imagimenos um povo, de cabeça baixa e descrente em tudo e em todos, sobretudo em profetas que disseram a mesma coisa. Quem podia garantir que agora era Deus mesmo falando?
Foram tantas as palavras de conforto em nome de Deus e o pior aconteceu. Como foi bom ouvir, no plano nacional: “a vitória é certa”. Como foi estimulante escutar, no plano individual: “você vai conseguir”, “Deus vai tirar você desta”. Agora, o que sobrava era um gosto amargo na boca. Para que crer em Deus? Por que esperar nEle? Como acreditar nas palavras do profeta agora?
O povo aprendeu, como nós também sabemos, que nem tudo que parece ser a voz de Deus é a voz de Deus. Palavras de conforto (por mais revigoradoras que sejam) não são necessariamente vindas de Deus. Precisamos desconfiar para confiar.
Para ouvir a voz de Deus, precisamos estar em comunhão com ele. Em comunhão com Ele, somos capazes de ouvir o que Ele diz. As palavras não parecem proferidas num idioma estranho. Em meio a muitas vozes, sabemos distinguir a voz do Bom Pastor. Deus sempre fala; em comunhão com Ele, ouvimos. Fora da comunhão, ficamos confusos. A comunhão com Deus começa com uma decisão de seguir os seus mandamentos como ótimos para nós. (Quanto mais amamos os Seus mandamentos, menos sofremos, menos nos metemos em confusão!) A comunhão com Deus continua com uma disposição de manter esta comunhão, lendo diariamente o jornal que Ele nos escreve e desenvolvendo a capacidade de calar para que Ele possa falar.
Deus nos fala através de Sua Palavra e através de pessoas que Ele nos envia. Se você, por exemplo, veio hoje ouvir a mensagem do profeta Ezequiel por meio da igreja, ouça a voz do profeta Ezequiel. Se você encontrou alguém que lhe trouxe uma palavra, ouça-a.
Talvez você se pergunte, como certamente o fizeram os ouvintes de Ezequiel: como saberei que esta palavra vem de Deus? Uma forma de provar é verificar cuidadosamente, mesmo em meio a lágrimas, se o conteúdo dito está de acordo com a Palavra dEle, a Bíblia. Deus não muda. O que está escrito em Sua Palavra vale para hoje. Isto oferece uma tarefa adicional: será preciso ler a Bíblia. Sim, e os benefícios serão imensos: quem lê a Bíblia conhece a Deus; quem não lê não O conhece.

2. O DEUS QUE FAZ
E o que Deus diz por meio do profeta Ezequiel. Ele diz:

“Eu mesmo apanharei um broto bem do alto de um cedro e o plantarei; arrancarei um renovo tenro de seus ramos mais altos e o plantarei num monte alto e imponente. Nos montes altos de Israel eu o plantarei; ele produzirá galhos e dará fruto e se tornará um cedro viçoso. Pássaros de todo tipo se aninharão nele; encontrarão abrigo à sombra de seus galhos. Todas as árvores do campo saberão que eu, o Senhor, faço cair a árvore alta e faço crescer bem alto a árvore baixa. Eu resseco a árvore verde e faço florescer a árvore seca. Eu, o Senhor, falei e o farei”. (Ezequiel 17.22-24)

É como se Deus pedisse ao povo para olhar para um cedro. Para alcançarmos a altura da palavra de Deus, lembremos que o cedro, imagem central na bandeira do Líbano, alcança até 40 metros de altura e três metros de diâmetro. Na região mediterrânea, crescia nos lugares elevados, de mil a dois mil metros de altura. Mencionado 75 vezes na Bíblia, como símbolo de vigor e beleza, o cedro é uma árvore que pode durar séculos.
Os olhares do povo são convidados a ver Deus em ação. Ele apanha um broto bem alto de um cedro e o planta no monte alto, bem visível.
Agora o povo é convidado a imaginar este broto produzindo galhos, frutos e folhas, como um cedro viçoso. O convite à fé prossegue, para o que o povo veja as aves se aninhando entre as folhas frondosas dos seus firmes galhos.
Deus conclui: vocês viram? Agora podem fechar os olhos: fui eu (“eu mesmo”) quem fiz tudo isto. Falei e fiz (verso 24).

Diante de suas dificuldades, as pessoas certamente se perguntavam: que Deus é este nosso? Ele responde: eu sou o Deus que faz. Neste caso, para ser mais convincente, Deus mesmo faz, sem intermediários. Deus, às vezes, usa intermediários; às vezes, não usa.
Deus não faz o que faz para mostrar que é soberano, embora o seja.
Deus faz o que faz para que nós O vejamos em ação. A nossa força vem O ver em ação. A nossa fraqueza vem de parar de O ver. Ele está sempre em ação; e nós O vemos; e nós, às vezes, não O vemos.
Deus faz o que faz porque continua amando a sua criação e quer o bem dela. Como Jesus nos ensinou: nosso Pai celestinal “continua trabalhando até hoje” (João 5.17)
Seus planos para nós são sempre de bem e de paz. Nós complicamos; Ele descomplica. Nós desfazemos; Ele refaz. Nós desistimos; Ele persiste. Nós O abandonamos; Ele nos segue. Nós nos afastamos dEle; Ele nos espera.
Neste texto, é como se dissesse: você está no fundo do poço? olha para mim. Você está num beco sem saída? olha para mim. Seus pecados o enlameiam? olha para mim. Faltam-lhe perspectivas? olha para mim. Você está com medo? olha para mim.
ainda faz.
Quando olhamos para Deus, vemos que “desde os tempos antigos ninguém ouviu, nenhum ouvido percebeu, e olho nenhum viu outro Deus (…) que trabalha para aqueles que nele esperam” (Isaías 64.4).

3. A VOLTA DA VIDA
Todas estas verdades estão na Bíblia. Lendo-a ou não, conhecendo-a ou não, quando as dificuldades nos alcançam de modo a nos fazer beijar a lona, nossos ouvidos parecem que ficam surdos à voz de Deus; nossos lábios parecem que preferem o silêncio ou a reclamação em lugar do louvor e da exaltação; nossos olhos parecem turvados para enxergar apenas desespero.
Nestas situações, somos levados a dizer: “Minha vida acabou”.
Então, Deus, pela boca do profeta Ezequiel, nos diz que há esperança onde não há, força onde não há, alegria onde não há, vida onde não há. Nosso grito é como o do poeta bíblico: “devolve-me a alegria da tua salvação e sustenta-me com um espírito pronto a obedecer” (Salmo 51.12).
Quando estamos assim, podemos dialogar conosco mesmo, como o mesmo poeta Davi o fez, por saber que Deus é a fonte da alegria plena, não uma pessoa ou uma vitória humana: “Por que você está assim tão triste, oh minha alma? Por que está assim tão perturbada dentro de mim? Ponha a sua esperança em Deus!” (Salmo 43.4,5).

A mensagem, aqui em Ezequiel, é a mesma.
A árvore está seca? Deus a faz florescer de novo.
A árvore se impõe frondosa e altaneira? Deus faz com que se seque.
A imagem é para dizer quem tem poder. E não é o profeta. E não é povo. E não são as circunstâncias. E não são as adversidades.
Outro profeta canta:
“Ergam os olhos e olhem para as alturas.
Quem criou tudo isso?
[Foi] Aquele que põe em marcha cada estrela do seu exército celestial, e a todas chama pelo nome. Tão grande é o seu poder e tão imensa a sua força, que nenhuma delas deixa de comparecer!
Por que você reclama (…) e por que se queixa [dizendo]: “O Senhor não se interessa pela minha situação; o meu Deus não considera a minha causa”?
Será que você não sabe? Nunca ouviu falar? O Senhor é o Deus eterno, o Criador de toda a terra. Ele não se cansa nem fica exausto; sua sabedoria é insondável. Ele fortalece o cansado e dá grande vigor ao que está sem forças.
(Isaías 40.26-29)

A promessa, que se repete, é: Deus põe vida onde não há, com esperança onde a solidão fere, com descanso onde o desânimo se impõe.

Do broto roto de uma vida que cresta,
Deus faz surgir uma planta renovada
até crescer como uma árvore levantada,
ao lado de outras na viçosa floresta.

Ele faz entrar luz onde não há fresta,
faz florescer a árvore ressecada
para o passaredo cantar na galharada;
faz minha alma, do nada, rir em festa.

Onde não mais semeio, Ele planta.
A fonte de lágrimas agora canta.
De onde nada espero, cresce o sonho.

NEle confiante a minha esperança ponho,
descansado completamente no Seu amor
cujo poder me lembra que Ele é o Senhor.

O mesmo profeta Ezequiel, que lançou mão da poesia para entendermos que Deus é aquele que fala e faz, agora usa uma parábola para nos ensinar que a vida é possível onde ela não está mais.
Ouçamos:

“A mão do Senhor (…) me levou a um vale cheio de ossos [isto é: a um cemitério].
Ele me levou de um lado para outro, e pude ver que era enorme o número de ossos no vale, e que os ossos estavam muito secos.
Ele me perguntou:
— Filho do homem [isto é: Ezequiel], estes ossos poderão tornar a viver?
Eu respondi:
— O Soberano Senhor, só tu o sabes.
Então ele me disse:
— Profetize a estes ossos e diga-lhes: “Ossos secos, ouçam a palavra do Senhor! Assim diz o Soberano, o Senhor, a estes ossos: Farei um espírito entrar em vocês, e vocês terão vida. Porei tendões em vocês e farei aparecer carne sobre vocês e os cobrirei com pele; porei um espírito em vocês, e vocês terão vida. Então vocês saberão que eu sou o Senhor”.
E eu profetizei conforme a ordem recebida. Enquanto profetizava, houve um barulho, um som de chocalho, e os ossos se juntaram, osso com osso. Olhei e os ossos foram cobertos de tendões e de carne, e depois de pele; mas não havia espírito neles.
A seguir ele me disse:
— Profetize ao espírito; profetize, filho do homem, e diga-lhe: “Assim diz o Soberano, o Senhor: Venha desde os quatro ventos, o espírito, e sopre dentro desses mortos, para que vivam.”
Profetizei conforme a ordem recebida, e o espírito entrou neles; eles receberam vida e se puseram em pé. Era um exército enorme!”
Então, ele me disse:
— Filho do homem, (…) Profetize e diga-lhes: “Assim diz o Soberano, o Senhor: (…) Porei o meu Espírito em vocês e vocês viverão, e eu os estabelecerei em sua própria terra. Então vocês saberão que eu, o Senhor, falei, e fiz. Palavra do Senhor” (Ezequiel 37.1-14).

Esses ossos não tinam mais vida, mas Deus lhes deu vida de novo.
A morte não os separou do amor de Deus, indicando também que nada, por pior que seja, nos separa do amor de Deus. É assim que Deus é:

ENTÃO, QUE FAREMOS?
Para que as verdades se tornem realidades, que devo fazer, talvez você se pergunte:
— Como faço para que Deus haja na minha vida assim, devolvendo-me a alegria?

Sintetizo o que aprendemos na Palavra que nos deixou.

1. Olhe para Deus. Você vai ver um Deus de poder, não de um poder lá em cima, mas de poder que se manifesta aqui embaixo, onde nós vivemos. Nas curvas vida, nos pântanos da existência, nos buracos da caminhada, nos desvios de rota, não deixe de olhar para Deus. Repito: olhe para Deus lá em cima e você vai ver o seu poder aqui embaixo. Mantenha seus olhos fitos em Jesus, autor e consumador da sua fé (Hebreus 12.2).

2. Confie que Deus ama você. Você vai conhecer um Deus de amor.
Dirigindo-se ao seu povo no passado, Deus assim se expressou: “Fui eu quem ensinou [vocês] a andar, tomando-o nos braços; mas [vocês] não perceberam que fui eu quem os curou. Eu os conduzi com laços de bondade humana e de amor; tirei do seu pescoço o jugo e me inclinei para alimentá-los”. (Oséias 11.3-4).
As palavras de Deus são as mesmas para cada um de nós. Só quem confia nEle conhece o Seu amor.

3. Busque a comunhão com Deus. Você vai conhecer a paz.
Nossos pecados nos afastam de Deus, mas Deus não se afasta de nós. Nossos problemas nos afastam de Deus, mas Deus não se afasta de nós. Mesmo que estejamos na pocilga comendo com os porcos, vivendo como porcos, numa vida subumana, sem luz, sem dignidade, o amoroso Deus nos diz que ali não é o nosso lugar e nos espera em Sua casa que é a nossa casa.

4. Faça o que Deus lhe pedir para fazer. E você aprenderá como sua vida pode ser quando você age em parceria com Deus.
Se lhe disserem “siga o seu coração”, prefira o coração de Deus. Este não é enganoso como o nosso.
Preste atenção aos Seus mandamentos. Eles são bons para você.
Siga suas orientações. Elas lhe trarão a vida de volta.

ISRAEL BELO DE AZEVEDO

REPRODUÇÃO — Autorizamos a reprodução deste conteúdo com a condição que seja citada a fonte nos seguintes termos: Reproduzido do site PRAZER DA PALAVRA, de Israel Belo de Azevedo, que pode ser ser acessado em www.prazerdapalavra.com.br.

Adicionar comentário

Não serão tolerados comentários com pornografia ou palavras que remetam ao assunto, bem como palavras de baixo calão.

 

 

 

1000 caracteres

 

Código de segurança
Atualizar



Comentários com Facebook




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *