SÃO GONÇALO DO AMARANTE RN-Saiba qual a importância do adestramento para evitar problemas com os pets


RESUMINDO A NOTÍCIA

  • Adestramento no dia a dia ajuda pets a se comportar melhor
  • É possível educar cães e gatos dentro de casa com treinos de até 10 minutos
  • Tempo de adaptação do pet depende da forma como é conduzido

Adestramento melhora a comunicação entre animais e tutores

Adestramento melhora a comunicação entre animais e tutores

ZIGMARS BERZINS/ PIXABAY

Quem nunca ficou desconfortável quando o pet não obedece? Seja com as visitas, seja com outros animais ou em passeios ao ar livre, a turminha de quatro patas sempre dá um jeito de burlar os comandos dos tutores. Muitas dessas situações e outras podem ser evitadas com o adestramento, que é indicado para ensinar técnicas e truques que ajudam no comportamento e nas tarefas do dia a dia.

Qual a importância do adestramento?

undefined

“O principal benefício é a melhoria da comunicação entre o tutor e o animal. Isso porque, ao aprender a obedecer aos comandos do tutor, o pet fica mais livre para expressar os comportamentos próprios da sua espécie, sem comprometer a harmonia do lar”, explica a veterinária Juliana Almeida Germano, especialista em comportamento animal.

Para a veterinária, o adestramento está longe de ser apenas um método. “Além disso, pela interação próxima com o pet, o tutor consegue identificar as necessidades e limitações do animal com mais facilidade, podendo, inclusive, perceber sintomas de doenças, que podem aparecer como mudanças comportamentais, como a perda de apetite, por exemplo”.

Já a veterinária Mariana Raposo reforça que o estranhamento de pets também pode ser evitado. “O adestramento deixa o animal mais confiante e ajuda a evitar comportamentos do pet que não são muito apropriados e estão relacionados à ansiedade e ao estresse.”

“Um pet adestrado também é mais sociável com outros animais e pessoas desconhecidas, sabe se comportar em qualquer ambiente e tem uma relação mais saudável com a sociedade como um todo”, informa Mariana.

Posso adestrar meu pet em casa?

Petiscos podem ser usados para adestrar

Petiscos podem ser usados para adestrar

CREW/ UNSPLASH

Assim como preparar a alimentação para os pets, os tutores podem adestrar seus amigos de patas em casa. Com paciência, persistência, amor e carinho os maus comportamentos podem ser tornar hábitos positivos no dia a dia.

“O tutor precisa ter paciência e ser persistente, o pet aprende no momento dele. Dito isso, é importante ter uma rotina para o pet com horários estabelecidos para comer e para passear, por exemplo. Os treinos devem ser regulares e curtos, para que o pet não fique sobrecarregado, dez minutos diários, divididos em duas sessões, são suficientes”, esclarece a especialista Mariana.

Além de recomendar treinos diários, a especialista Mariana aconselha presentear os pets com alguns petiscos. “Os comandos precisam ser repetidos algumas vezes para que o pet entenda o que está sendo pedido. Recompensar o pet no momento em que ele executa o movimento correto é imprescindível”.

Em quais problemas o adestrador pode ajudar?

“Os motivos para a procura de um adestrador são variados, desde convivência e socialização até educação, como, por exemplo, aprender comandos (sentar, ficar), urinar em locais específicos ou passear adequadamente. Para identificar questões comportamentais, o tutor deve sempre consultar um médico-veterinário especializado em comportamento, não sendo indicado procurar um adestrador”, destaca Juliana.

A veterinária Mariana explica em que circunstâncias se deve procurar um especialista. “Nos casos de animais que já apresentam alguns desvios comportamentais, como agressividade com outros animais ou pessoas, comportamentos destrutivos, animais que sofrem com ansiedade de separação e não podem ficar sozinhos em casa nem ao menos por poucos minutos (latem, uivam, choram, se mutilam, arranham portas e fogem), pets que pulam nas visitas, animais “hiperativos” e animais muito assustados, que reagem exageradamente a barulhos externos como fogos de artifício, comemorações, veículos barulhentos etc.”

O adestramento para cachorros é o mesmo para gatos?

Julia ressalta: “A principal diferença está no fato de que os cachorros são domesticados há mais tempo, ou seja, apresentam uma predisposição maior para o adestramento. Já os gatos são mais livres e mais independentes e, por isso, podem demorar para se adaptar aos comandos. Mas, ambos, cachorros e gatos, podem ser adestrados”.

“Lembrando que o adestramento é recomendado para todos os animais, sem exceção”, informa a especialista Mariana.

Existe uma idade correta para iniciar o adestramento? E quanto demora para o pet aprender?

Para Juliana, os tutores podem iniciar o adestramento nos pets quando filhotes. “É indicado a partir dos 6 a 8 meses, desde que as vacinas estejam completas. Isso porque o animal, quando pequeno, está mais suscetível a contrair algumas doenças. Então, antes de ele ser exposto a ambientes externos ou à convivência com outros animais, é preciso que ele esteja com todas as vacinas em dia.”

“O tempo de adaptação do pet vai depender da forma como é conduzido o adestramento, tanto pelo tutor quanto pelo profissional, além das respostas do próprio animal”, completa Juliana Germano.

*Estagiária do R7, sob supervisão de Karla Dunder

Rate this post



Comentários com Facebook




Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.