SÃO GONÇALO DO AMARANTE RN-RN é o quarto maior produtor de energia solar do país e investe em qualificação de profissionais para setor


O Rio Grande do Norte é o quarto estado que mais produz energia solar atualmente em todo o Brasil. Na frente, estão três estados que são maiores territorialmente: Minas Gerais, Bahia e Piauí.

Por esse motivo, na última década, o setor vem se destacando como gerador de negócios e oportunidades no RN, com a chamada “Geração Centralizada de Energia”, que se refere aos grandes parques de energia solar, instalados em propriedades rurais e áreas com vegetação degradada, como a caatinga, por exemplo. São plantas em grande escala, que produzem acima de 100 megawatts de energia.

Essas usinas vendem a energia produzida no livre mercado ou por meio de leilões governamentais. As grandes usinas produzem tanta energia que servem à distribuidora de energia local, a Neoenergia Cosern. E o excedente alimenta o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS).

Essa é a primeira de uma série de reportagens produzidas pela Inter TV Cabugi sobre energias renováveis no RN (veja vídeo da reportagem).

De olho nas futuras chances no mercado de trabalho, o investimento tem sido feito na busca por profissionais qualificados. E alguns estudantes já não veem a hora de chegar o fim do ano, quando concluem o curso de instalador de sistemas fotovoltáicos. A ideia é aproveitar a demanda que o mercado tem oferecido.

“Meu pai que me botou nessa área. Ele começou para ter a empresa dele. E pra eu ir com ele, me botou pra profissionalizar já pra entrar no ramo com ele. Um ramo que está crescendo em Natal. Tem poucos instaladores pra muita demanda”, falou Moisés Ferreira, aluno do curso.

“Como eu sou mecânico, eu já tenho o básico da eletricidade. E me despertou curiosidade. E vendo o crescimento, onde a gente passa tem instalações novas. Aí eu busquei esses conhecimentos pra me aventurar nessa área”, relatou outro aluno do curso, João Batista.

Mão-de-obra qualificada

 

Os sistemas fotovoltáicos são os que geram energia solar, por meio de placas que transformam a luz do sol diretamente em energia elétrica. A demanda está em alta por qualificação nos cursos de energia.

“Esse é um setor que busca muito profissional qualificado, de muita tecnologia embarcada e, por isso precisa de profisisonais qualificados. É um setor que está permanentemente, nos últimos 5 anos, contratando muito. Eu registro que nos últimos 5 anos nós formamos mais de 5,5 mil pessoas para o setor de energia renovável aqui no cenário do RN”, explicou Rodrigo Mello, diretor do Senai e do Instituto SENAI de Inovação em Energias Renováveis.

 

O cenário do RN para esse tipo de produção é considerada favorável.

“A nossa incidência de radiação aqui no RN é muito boa. Então isso traz condições muito favoráveis para instalação de parques. A gente tem muita área não-produtiva, então a gente tem muita área disponível, que acaba que não é utilizada pra agropecuária, ou agricultura de um modo geral, então acaba disponibilizando, sendo uma área relativamente barata pra instalação desses parques”, explicou Cássio Maia, presidente da Associação Potiguar de Energias Renováveis (Aper).

Energia solar é gerada por placas — Foto: Divulgação/Polo Energia

Situação no RN

 

Segundo a Secretaria Estadual de Desenvolvimento Econômico, atualmente são 17 usinas de energia solar em operação no Rio Grande do Norte, com capacidade de 366 megawatts de potência já instalada.

Com mais 10 parques de energia solar em construção 127 contratados, a previsão total é de 154 usinas solares nos próximos anos, chegando a 6,2 gigawatts de potência. Para se ter ideia do que esse potencial representa, com apenas 1 gigawatts é possível fornecer energia para todo o Nordeste.

“É uma alternativa de energia muito promissora e que impacta menos ao meio ambiente”, reforçou o supervisor do núcleo de energias do Instituto de Desenvolvimento Sustentável e Meio Ambiente do RN (Idema), Tiago Lucena.

 

Com sol durante a maior parte do ano, a região Nordeste, e o RN, em particular, é considerado um dos estados brasileiros com maior potencial para produzir energia limpa.

Residências já utilizam tecnologia da energia solar — Foto: TV Anhanguera/Reprodução

“O Rio Grande do Norte, para investimento nessa área, é a bola da vez no mundo”, acredita o secretário de Desenvolvimento Econômico Jaime Calado.

“O Nordeste brasileiro tem um altíssimo potencial de geração de energia de fontes renováveis como solar e eólica, mas ainda enfrenta problemas de escoamento dessa energia, ou seja, a energia produzida aqui tem que ser escoada pro sistema interligado nacional. O Brasil todo é interligado e esse sistema precisa ser reforçado pra possibilitar a instalação de mais geração e consequentemente distribuir essa geração para todo Brasil”, avalia Carlos Mattar, superintendente de regulação da Anatel.

Cuidado com o meio ambiente

 

Uma das preocupações dos órgãos ambientais é com a sustentabilidade do negócio. O órgão estadual responsável pelo licenciamento das usinas fotovoltáicas é o Idema.

“O Idema, como órgão licenciador do setor energético, vem se superando, batendo recordes ano após ano de emissão de licenças ambientais para empreendimentos de energias. Então a gente equaliza tanto os interesses produtivos dos empreendedores quanto a proteção do meio ambiente, que é tão cobrada pela população, seja sociedade civil organizada, acadêmicos ou pesquisadores”, pontua o supervisor do Núcleo de Energias do Idema, Tiago Lucena.

O investimento na geração das energias renováveis é visto como um avanço econômico e tecnológico.

“É um grande momento que o RN está vivendo e que vira um página tanto na economia quanto na tecnologia”, reforça o secretário de desenvolvimento Jaime Calado.

“Já se foi o tempo de imaginar que energia solar é coisa do futuro. Hoje não mais. É uma realidade mais do que presente, acessível pra todos nós”, afirma Cássio Maia, presidente da Aper.

Vídeos mais assistidos do g1 RN

 

50 vídeosHomem cai de falésia durante passeio de quadriciclo em PipaAo vivo G1 RN
ComentáriosSeja o primeiro a comentar!
Acesse sua Conta Globo e participe da conversa

Veja também

GloboNews Mais

Tamanho da transição gera ruído no PT; quase 300 nomes vão trabalhar até a posse

Entenda os bastidores da transição com Guilherme Balza.

17 de nov de 2022 às 16:09

PróximoNova onda da Covid-19: o que se sabe sobre a subvariante BQ.1 do coronavírus
Mais do G1

Rate this post



Comentários com Facebook




Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.