MUNDO PERTUBADO-Fenda gigantesca se abre na África e forma um novo oceano


Prepare-se! A geografia está prestes a ficar empolgante. Não estamos falando de erosão ou de uma de erupção vulcânica sem graça. Estamos falando da criação de um oceano totalmente novo; um oceano que se formou no meio da África. Tudo começou em 2005, quando uma fenda de 60 quilômetros de extensão se abriu no meio do Deserto Afar, na Etiópia. O fenômeno é bem conhecido e já foi estudado nos anos 70. Mas o que trouxe esta história de volta aos assuntos foi a formação de uma longa e profunda fenda por atividades sísmicas da erupção do vulcão Dabbahu, que teria desencadeado o fenômeno.

É bastante surpreendente que uma região mude tanto e tão rapidamente, mas há uma boa razão para isso. A fenda se abriu em poucos dias e com 6 metros de largura no local. Foi estimado que o volume de toda a fenda ao longo dos 56 quilômetros era de cerca de 2 bilhões de metros cúbicos. O suficiente para encher vários milhões de piscinas olímpicas. Embora tenhamos a tendência de pensar na geografia como algo que não se move, ou que se move muito lentamente, acontece que nem sempre é o caso, como temos provas aqui.

ADVERTISEMENT
Apenas alguns dias para formar uma grande fenda

Um fenômeno que surgiu desde o aparecimento da rachadura até a formação de um oceano ocorreu em poucos meses. Você pode não perceber isso se não prestar mais atenção às formas incomuns na paisagem. Desde que esta fenda foi observada em sua totalidade, dezenas de outras se formaram mais ao sul da Etiópia.

Estas placas são divergentes; elas se afastam umas das outras ao invés de colidirem. Caso você não tenha prestado atenção às aulas de geografia, as placas tectônicas são grandes pedaços de rocha que compõem a litosfera, a crosta terrestre. Vulcões como o Dabbahu, são as demonstrações perfeitas daquilo em que repousa a crosta terrestre e as razões para estes movimentos visíveis ao longo de milhões de anos. Tal força é capaz de se ejetar por quilômetros auxiliada pelos ventos e de massas de cinzas e rochas. É impressionante.

ADVERTISEMENT
Parte da Terra se abriu por 60 quilômetros

Como a litosfera não é sólida, estas placas podem se mover dependendo do que está acontecendo abaixo delas e como as placas adjacentes estão se movendo. Os vários fenômenos geológicos principais são conhecidos hoje em dia. Os solos já revelaram muitos de seus segredos. Mas o que é impressionante de se observar é a formação de fendas em tão pouco tempo, enquanto todo o processo levaria vários milhões de anos.

Por exemplo, as placas adjacentes podem deslizar umas ao lado das outras, causando terremotos. As erupções vulcânicas nas bordas ou entre placas tectônicas podem produzir magma que pode separá-las. Isto geralmente acontece no fundo do oceano, onde não é visto. As mudanças na superfície muitas vezes ocorrem muito lentamente para que possamos percebê-las sem estudo científico, graças às câmeras térmicas e aos submarinos robóticos. O progresso na observação das profundezas do mar tem avançado significativamente na pesquisa de vulcões.

ADVERTISEMENT
As rupturas são um sinal preocupante de algo maior?

Você precisa percorrer vários quilômetros de profundidade para poder observar a maior parte das fendas vulcânicas. A dificuldade de poder trabalhar em zonas geológicas sob bilhões de metros cúbicos de água salgada é a razão pela qual não temos todas as informações sobre o assunto. A que velocidade se pode formar um novo oceano? Não há uma resposta única para isso, pois não temos um plano detalhando o fenômeno.

Mas se considerarmos a criação do Mar Mediterrâneo (sim, ele já foi terra seca durante a última Era Glacial), podemos imaginar que toda a bacia do Mediterrâneo pode ter sido inundada em apenas alguns meses. Embora não exista um processo exato para qualificar um novo oceano, é preciso admitir que isso não acontece do dia para a noite. A propósito, quando foi a última vez que vimos algo nessa magnitude surgir?

ADVERTISEMENT
Não reconheceríamos a Terra há 300 milhões de anos

Há 300 milhões de anos, os continentes e oceanos que todos nós conhecemos hoje não existiam. Havia apenas uma gigantesca massa terrestre chamada Pangea ( que signifca ‘todas as terras’) que estava associada a um enorme oceano global chamado Panthalassa (que quer dizer ‘todos os mares’). Há 200 milhões de anos, Pangea começou a se dividir, transformando Panthalassa em oceanos separados ao seu redor.

Além disso, durante os 3,5 bilhões de anos de história da Terra, vários supercontinentes podem ter se formado e se desintegrado. Foi apenas com uma visão cartográfica precisa e um conhecimento profundo da flora e fauna de diferentes regiões que as diferentes formas e rochas das costas oceânicas foram facilmente montadas. Não há melhor forma de perceber quanto tempo passou na terra do que sabendo a distância entre as costas e a velocidade de movimento das placas tectônicas. O Dabbahu é apenas um stratovolcano entre os imensos vales da grande fenda.

Rate this post



Comentários com Facebook




Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.