GUAMARÉ RN-Como Ajudar um Dependente Químico: 6 Maneiras Reais e Práticas


Não saber como ajudar um dependente químico para que o processo de recuperação seja menos doloroso é uma angústia comum entre familiares e amigos de adictos.

Aqui, no Grupo Recanto, me deparo com situações como essa com frequência, especialmente entre as famílias que ainda estão em processo decisório sobre a internação.

Lidar com a abstinência, evitar recaídas, diminuir os efeitos colaterais da desintoxicação e submeter o dependente químico a um tratamento contra a sua vontade são alguns dos receios mais comuns.

Se você está passando por um caso assim e não sabe como auxiliar alguém que ama a superar o vício em álcool ou outras drogas, acredito que este artigo possa ajudar.

Com base em minha experiência, listei medidas que considero efetivas para auxiliar um dependente químico em seu tratamento.

Também trago respostas para perguntas frequentes sobre o tema.

Então, fica o convite para acompanhar até o final do texto.

O que é a dependência química?

O primeiro passo de como a família pode ajudar um adicto é entender que a dependência química é uma doença que, assim como qualquer outra, precisa ser tratada.

Ela é definida pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como um estado psíquico e, às vezes, físico, decorrente do consumo de substâncias psicoativas por um indivíduo.

Essa ingestão pode resultar em mudanças comportamentais e outras reações que levam à necessidade de consumo cada vez mais frequente, seja para vivenciar os seus efeitos psicóticos ou evitar o incômodo da privação.

Já o Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM-5), da Associação Americana de Psiquiatria, caracteriza a dependência química como um padrão mal adaptativo do consumo de substâncias, o que leva a algum dano clínico importante e que é acompanhado por elementos como:

  • Aumento da tolerância à droga
  • Abstinência
  • Incapacidade de controlar o vício
  • Isolamento social.

Quais são os sintomas de uma pessoa com dependência química?

Identificar os sintomas de uma pessoa com dependência química nem sempre é fácil, sobretudo no começo.

Afinal, estamos falando de um quadro de caráter progressivo, no qual os sinais vão ficando mais fortes com o passar do tempo, conforme o consumo se intensifica.

Além de alguns dos critérios elencados acima pela Associação Americana de Psiquiatria, é importante ficar atento a manifestações como:

  • Abandono gradual de hábitos corriqueiros e de uma rotina regrada
  • Rompimento com ciclo sociais mais antigos
  • Descuido com a aparência e a higiene
  • Desequilíbrio emocional e irritabilidade.

Caso você tenha qualquer dúvida, recomendo que responda ao quiz sobre os sintomas da dependência química, disponível no site do Grupo Recanto.

Ele pode ajudar você a reconhecer esses e outros indícios.

Como funciona a mente de um dependente químico?

mente de um dependente químico é um dos pontos mais afetados pelo uso abusivo de drogas.

Não à toa, a classificação dessas substâncias é feita conforme o nível de alteração causada no Sistema Nervoso Central (SNC).

Seguindo essa categorização, existem três tipos de efeitos psicológicos que as drogas podem desencadear em um indivíduo: depressor, estimulante e perturbador.

Ou seja, a mente do dependente químico pode funcionar de forma mais lenta, de maneira mais rápida e de modo anômalo, respectivamente.

Como lidar com uma pessoa com abstinência?

As crises de abstinência são uma resposta do organismo à ausência da substância causadora da dependência.

Esse quadro é bastante comum durante o processo de desintoxicação.

As reações do corpo à falta da droga podem ser tanto de ordem física quanto psicológica.

Ainda que não haja um padrão fixo, entre os principais sintomas característicos da abstinência posso citar:

  • Irritabilidade
  • Aumento do apetite
  • Confusão mental
  • Ansiedade
  • Alteração do sono
  • Comportamento compulsivos.

Episódios de abstinência provocam reações imprevisíveis, que podem colocar em risco a segurança do indivíduo e de quem estiver ao seu redor, caso não sejam acompanhadas de perto por suporte especializado.

Por isso, sempre recomendo a procura imediata por ajuda médica.

Uma equipe multidisciplinar experiente e capacitada sabe como lidar com quadros como esse e vai utilizar a abordagem técnica mais adequada.

A você, familiar ou amigo do paciente, cabe o papel de incentivar a busca por tratamento e oferecer todo o apoio emocional necessário.

Veja 6 maneiras reais para você pode ajudar um dependente químico a iniciar o processo de recuperação:

  1. Ter empatia
  2. Saber se comunicar
  3. Pesquise sobre o assunto
  4. Realize uma intervenção
  5. Esteja sempre de braços abertos
  6. Incentive a participação em grupos de apoio
Rate this post



Comentários com Facebook




Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.