GUAMARÉ RN -Avaliação – Do jornalista Túlio Lemos em sua coluna no Jornal de Hoje


download (1)O prefeito Carlos Eduardo fez uma gestão razoável quando passou pela Prefeitura do Natal. Corajoso, rompeu com a família, se aliou a forças mais progressistas e gerenciou a cidade sem ceder a pressões nem do poder econômico. Saiu bem, apesar de não conseguir eleger seu sucessor.

EQUÍVOCO
O filho de Agnelo continuou com seu projeto de manter a coragem e eqüidistância da família que o pariu como político e foi candidato a governador contra todos. Perdeu feio; mas manteve a coerência e fortaleceu a imagem de que era diferente e não fruto e beneficiário da oligarquia.

PREFEITO
Veio a eleição para prefeito de Natal. Carlos Eduardo recusou pedido de filiação no PMDB para ser apoiado em 2012. Parecia ser o caminho mais fácil para voltar a administrar a capital. Ele recusou e teve que enfrentar a ira dos primos contra sua candidatura. O PMDB, comandado por Henrique, tentou de tudo para desestabilizar sua candidatura e derrotar sua pretensão. Gastou quase R$ 10 milhões contra ele. Não adiantou. Longe da família e contra sua própria oligarquia, Carlos Eduardo venceu o pleito.

APOIOS
Para ser eleito contra o candidato do PMDB, Carlos Eduardo foi apoiado por Robinson Faria e, no segundo turno, pelo PT de Fátima Bezerra. Começou governando com os dois partidos que lhe respaldaram. Veio a eleição para governador e tudo mudou.

MAJORITÁRIA
Na disputa majoritária de 2014, Carlos Eduardo tinha tudo para ser o grande vencedor sem fazer muita força. Bastava apoiar quem lhe apoiou. Ele fez o contrário. Apoiou justamente o presidente do PMDB, que tentou lhe derrotar. O apoio de Carlos Eduardo terminou simbolizando mais o reencontro familiar, uma reconciliação da oligarquia Alves, do que propriamente o apoio do prefeito da capital a um candidato viável politicamente; mas rejeitado pelo eleitorado.

RADICALISMO
Henrique sempre foi o radical da família; na campanha, assumiu erros do passado e afirmou que tratava-se de um ‘ex-radical’ regenerado pelo tempo. Carlos Eduardo, que não disputava mandato, assumiu o lugar do primo e fez dois discursos agressivos contra seu amigo e vizinho: “Não acredito que alguém saia de casa para votar em Robinson Faria” foi um deles. O outro foi ainda mais pesado: “Robinson e Rosalba estão juntos. Vamos jogar os dois na lata de lixo da história”.

MUDANÇA
O apoio de Carlos Eduardo a um candidato é natural. Mesmo que seja um ex-adversário. Faz parte da ‘dinâmica’ da política. A questão é que ele acirrou de forma desnecessária e desproporcional. Perdeu a eleição em Natal e seus candidatos não foram respaldados pelo eleitorado.

FUTURO
Derrotado eleitoralmente e com o futuro governador como adversário, além de já ter um candidato declarado contra sua reeleição, sendo apoiado por Robinson Faria e pela presidente Dilma, o prefeito Carlos Eduardo vai ter muito trabalho pela frente para reverter essa situação e evitar se ‘micarlizar’ pela falta de recursos.

OLIGARQUIA
O que aproximava Carlos Eduardo de partidos progressistas e o unia a setores mais à esquerda, era justamente o fato dele ser oriundo da oligarquia Alves, mas ter tido a coragem de romper com a própria família e construir sua história. A volta ao seio familiar, destrói o discurso do prefeito e o liga de forma irreversível, ao palanque que sempre combateu; e que a população derrotou com a vitória de Fátima Bezerra e Robinson Faria.



Levany Júnior

Levany Júnior é Advogado e diretor do Blog do Levany Júnior. Blog aborda notícias principalmente de todo estado do Rio Grande do Norte, grande Natal, Alto do Rodrigues, Pendências, Macau, Assú, Mossoró e todo interior do RN. E-mail: [email protected]

Comentários com Facebook




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.