A tragédia neoliberal e as cadeias de valor, por Danilo Caser


Foto: Cícero Omena

Loading...

A TRAGÉDIA NEOLIBERAL E AS CADEIAS DE VALOR

No dia 16 de agosto de 2012 a polícia Sul Africana interveio em um conflito entre os trabalhadores da mina de platina de Marikana perto de Joanesburgo, e os responsáveis pela exploração dos recursos, os acionistas da companhia Lonmin, cuja sede fica em Londres. As forças policiais atiraram nos grevistas com munição de verdade; no balanço 34 trabalhadores mortos. Como é muito comum nesses casos, o foco do conflito era a QUESTÃO SALARIAL. Os mineiros reivindicavam que sua remuneração passasse de 500 para 1000 euros por mês. Depois dos trágicos acontecimentos a empresa propôs, por fim, um aumento de 75 euros mensais.

Alguns dos dogmas do Consenso de Washington, a bíblia do neoliberalismo, são a eliminação das restrições ao investimento estrangeiro direto e a desregulamentação das leis trabalhistas. O conflito de Marikana é um exemplo perfeito da tragédia do neoliberalismo no mundo. Empregados que reivindicam direitos a empregadores sem rosto nem identidade com quem não podem conversar, que auferem seus lucros longe das fábricas e das minas explorando o suor e sugando o sangue dos trabalhadores, com o apoio e a repressão do estado como requinte de crueldade. Pode se afirmar por este e inúmeros outros casos parecidos que quanto maior uma empresa e quanto mais internacionalizado seu capital mais desumana ela é.

Nesse contexto as CADEIAS DE VALOR, um dos temas em debate na próxima Conferência Internacional do Trabalho em 2016, representam para o trabalhador mais precarização e tragédias como a de Marikana e para as empresas aumento de lucro. Isto porque a lógica em curso é de deslocar para as regiões periféricas as operações de produção, pela utilização da mão de obra barata e precarizada, pelos incentivos fiscais e a repressão dos governos as reivindicações sindicais e concentrar nos grandes centros econômicos as operações de gestão administrativa e  elaboração dos projetos que requerem mão de obra especializada e a realização dos lucros.

Como exemplo desta realidade da internacional exploração do trabalho dentro das cadeias de valor, empresas com

Foto: Cícero Omena

A TRAGÉDIA NEOLIBERAL E AS CADEIAS DE VALOR

No dia 16 de agosto de 2012 a polícia Sul Africana interveio em um conflito entre os trabalhadores da mina de platina de Marikana perto de Joanesburgo, e os responsáveis pela exploração dos recursos, os acionistas da companhia Lonmin, cuja sede fica em Londres. As forças policiais atiraram nos grevistas com munição de verdade; no balanço 34 trabalhadores mortos. Como é muito coum nesses casos, o foco do conflito era a QUESTÃO SALARIAL. Os mineiros reivindicavam que sua remuneração passasse de 500 para 1000 euros por mês. Depois dos trágicos acontecimentos a empresa propôs, por fim, um aumento de 75 euros mensais.

Alguns dos dogmas do Consenso de Washington, a bíblia do neoliberalismo, são a eliminação das restrições ao investimento estrangeiro direto e a desregulamentação das leis trabalhistas. O conflito de Marikana é um exemplo perfeito da tragédia do neoliberalismo no mundo. Empregados que reivindicam direitos a empregadores sem rosto nem identidade com quem não podem conversar, que auferem seus lucros longe das fábricas e das minas explorando o suor e sugando o sangue dos trabalhadores, com o apoio e a repressão do estado como requinte de crueldade. Pode se afirmar por este e inúmeros outros casos parecidos que quanto maior uma empresa e quanto mais internacionalizado seu capital mais desumana ela é.

Nesse contexto as CADEIAS DE VALOR, um dos temas em debate na próxima Conferência Internacional do Trabalho em 2016, representam para o trabalhador mais precarização e tragédias como a de Marikana e para as empresas aumento de lucro. Isto porque a lógica em curso é de deslocar para as regiões periféricas as operações de produção, pela utilização da mão de obra barata e precarizada, pelos incentivos fiscais e a repressão dos governos as reivindicações sindicais e concentrar nos grandes centros econômicos as operações de gestão administrativa e  elaboração dos projetos que requerem mão de obra especializada e a realização dos lucros.

Como exemplo desta realidade da internacional exploração do trabalho dentro das cadeias de valor, empresas como Nike, Zara, Mc Donalds, Walmart e outras marcas internacionais são acusadas de trabalho escravo e das mais variadas práticas antissindicais.

Autor: Danilo Caser Vice-Presidente da CNPL, representante da UGT.

Fontes: Livro O Capital no Século XXI Thomas Piketty;,  Seminário Regional sobre políticas de Empleo y Trabalho Decente, Oficina Regional da OIT para América Latina e Caribe Lima Peru 15 a 24 de Julho de2015.

Assine

Select rating
Nota 1
Nota 2
Nota 3
Nota 4
Nota 5

o Nike, Zara, Mc Donalds, Walmart e outras marcas internacionais são acusadas de trabalho escravo e das mais variadas práticas antissindicais.

Autor: Danilo Caser Vice-Presidente da CNPL, representante da UGT.

Fontes: Livro O Capital no Século XXI Thomas Piketty;,  Seminário Regional sobre políticas de Empleo y Trabalho Decente, Oficina Regional da OIT para América Latina e Caribe Lima Peru 15 a 24 de Julho de2015.

Assine

Select rating
Nota 1
Nota 2
Nota 3
Nota 4
Nota 5

A tragédia neoliberal e as cadeias de valor, por Danilo Caser
Avalie esta postagem



Loading...

Levany Júnior

Levany Júnior é Advogado e diretor do Blog do Levany Júnior. Blog aborda notícias principalmente de todo estado do Rio Grande do Norte, grande Natal, Alto do Rodrigues, Pendências, Macau, Assú, Mossoró e todo interior do RN. E-mail: levanyjunior@blogdolevanyjunior.com

Comentários com Facebook




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *