SÃO GONÇALO DO AMARANTE RN-Não se fala de política com tantas pessoas morrendo e negócios fechando, diz Kelps


Por Redação – Publicado em 09/07/2020 às 22:23

João Gilberto / ALRN
Deputado estadual Kelps Lima
Publicidade

Na avaliação do deputado estadual Kelps Lima (Solidariedade), o prefeito de Natal, Álvaro Dias, transformou a pandemia do novo coronavírus em uma “peça de marketing” e, com isso, “brinca com a vida das pessoas”. Segundo o parlamentar, que é pré-candidato a prefeito da capital potiguar e deve enfrentar Álvaro nas urnas em novembro próximo, o prefeito faz “politicagem” dentro das unidades de saúde do município. Álvaro Dias tem sido acusado de “populismo” devido ao fato de, entre outras medidas, autorizar a distribuição de medicamentos que não têm eficácia comprovada contra a Covid-19.Nesta entrevista ao Agora RN, Kelps Lima fala sobre a forma como as gestões municipal e estadual enfrentam a pandemia. Por isso, também não poupa críticas à governadora Fátima Bezerra – que comanda um governo, em sua avaliação, “vacilante”.

Na conversa abaixo, o parlamentar confirma que é pré-candidato à reeleição, mas acredita que não é o momento de antecipar o debate eleitoral. Ele ainda fala sobre outros temas estaduais e municipais.
Confira na íntegra:

AGORA RN – O senhor criticou o governo Fátima Bezerra, na semana passada, pelo retorno, na Assembleia Legislativa, da discussão sobre a Reforma da Previdência. Por quê?

KELPS LIMA – Discutir um projeto de repercussão gigantesca como esse com a Assembleia fechada, com o perdão da palavra, é uma covardia com os servidores.

AGORA – O senhor defendeu que a PEC só seja votada em plenário quando voltarem as sessões presenciais – o que não acontecerá antes de agosto. Mas o Estado tem apenas até 31 de julho para aprovar as mudanças na Previdência. Como conciliar o prazo exíguo e essa demanda do senhor?

KL – Vários estados estão dando entrada em ações (na Justiça) para dilatar este prazo. Fátima sequer tentou. Muito pelo contrário, deixou o projeto parado na comissão que é composta somente por deputados do governo. Todos os prazos estão sendo mudados devido à Covid-19. Eu mesmo só não entro com essa ação pois a competência é exclusiva do governador.

AGORA – Na comissão especial, foi encartada uma emenda que eleva a faixa de isenção dos inativos para R$ 3 mil. O senhor concorda com essa mudança?

KL – Concordo, mas essa isenção deveria ser maior. Fátima optou por fazer uma taxação menor para quem ganha mais e uma bem maior para quem ganha menos.

AGORA – A propósito, como o senhor avalia a tramitação da proposta até agora?

KL – Fátima fez uma armadilha que sabe que a Assembleia sempre vai cair, pois a maioria dos deputados é governista. Segura o projeto até o fim do prazo e manda dizendo que quem não votar é contra o Rio Grande do Norte. Mas parece que dessa vez a estratégia dela não vai dar certo.

AGORA – O Estado tem 37 mil casos confirmados e quase 1,4 mil mortos pelo novo coronavírus. Mesmo assim, governo e prefeituras têm autorizado a retomada das atividades econômicas. O senhor considera essa medida correta?

KL – Tanto a governadora como o prefeito (Álvaro Dias, de Natal) têm um arsenal de informações que lhes permitem tomar uma decisão robusta. Espero que essas decisões estejam sendo tomadas assim. O que me parece até agora é que não são. O prefeito transformou a pandemia em uma peça de marketing e brinca com a vida das pessoas, fazendo politicagem dentro das unidades de saúde. Já a governadora está completamente perdida, vacilante, sem saber que decisões tomar.

AGORA – Como o senhor avalia o desempenho da Prefeitura do Natal e do Governo do Estado no enfrentamento da pandemia do novo coronavírus?

KL – A história dirá o que cada um fez. O episódio da tentativa de contratação de uma parente do prefeito por R$ 14 milhões sem licitação para o hospital de campanha e a perda dos R$ 5 milhões em respiradores do Consórcio Nordeste são símbolo da forma como a cidade e o Estado estão gerindo a crise.

AGORA – Em Natal, o prefeito Álvaro Dias determinou a distribuição de hidroxicloroquina e ivermectina como “prevenção” – dois medicamentos sem eficácia comprovada contra o coronavírus. Por isso, foi acusado de “populismo”. O senhor concorda?

KL – Estrategicamente, estão distribuindo medicamento na época da queda natural dos casos. Então, vão dizer que essa queda foi devido ao uso do medicamento. O nome disso chama-se bomba semiótica.

AGORA – Apesar de ter apenas dois anos de mandato, e de ter feito a carreira política no Seridó, o prefeito Álvaro Dias tem sido o mais lembrado pelos eleitores nas pesquisas de intenção de voto. A que o senhor atribui essa popularidade?

KL – Álvaro é o único pré-candidato com estrutura na rua, no caso, a Prefeitura. Ele ainda não entrou em zona de combate. Com tanto rabo preso, será um alvo batido assim que começar o processo eleitoral.

AGORA – A Prefeitura do Natal tem insistido, mesmo com a pandemia e com a proximidade das eleições, na aprovação do novo Plano Diretor. Como o senhor avalia essa pressa?

KL – Acho que o Plano Diretor deve ser votado. Só não pode ser por processo eletrônico e às escondidas.

AGORA – No início do ano, o senhor anunciou que seria candidato a prefeito de Natal nas eleições deste ano. A pandemia mudou os planos?

KL – Não mudou os planos. Mas não posso ficar falando de eleição com tantas pessoas morrendo, doentes, desempregados, com negócios fechando… Faço política por paixão e convicção. Desejo mudar e melhorar nossa cidade. Não vou usar a dor alheia para isso. Essa cota já é preenchida por Álvaro Dias.

AGORA – As eleições de 2020 foram adiadas para novembro. Qual a sua avaliação?

KL – Uma eleição inteira não é mais importante do que a vida de uma pessoa. Se for para colocar pessoas em risco, deve-se adiar as eleições.

AGORA – A oposição ao prefeito Álvaro Dias é ampla, mas aparentemente dispersa. Na sua opinião, isso não favorece a reeleição do atual prefeito? O senhor acredita na união de alguns pré-candidatos?

KL – Isso é normal, ainda mais com a pandemia. Já já a máscara de Álvaro vai cair. Natal tem uma eleição em dois turnos. É natural que os partidos queiram colocar seus candidatos no primeiro turno para mostrar suas propostas para a cidade. Em um segundo turno, se Álvaro estiver lá, todos vão se unir contra, pois ele representa o que existe de pior na política do Estado.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

 Fazer eleição “é negar que estamos em uma pandemia”, declara Cícero Martins

 “O pior pode estar passando”, avalia Geraldo Ferreira

 Advogado defende “penas rigorosas” contra fake news

ÚLTIMAS



Comentários com Facebook




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.