SÃO GONÇALO DO AMARANTE RN-Caatinga: desproteção e indiferença, por Felipe A. P. L. Costa


Caatinga: desproteção e indiferença

por Felipe A. P. L. Costa

A paisagem nativa ‘original’ do território brasileiro (8,5 milhões km2) incluía 61 por cento de florestas fechadas (47% floresta amazônica e 14% floresta atlântica), compostas por árvores altas, que crescem próximas entre si e em geral sustentam folhas o ano inteiro; outros 37 por cento de florestas abertas (24% cerrado, incluindo o pantanal, e 13% caatinga), compostas por árvores baixas, retorcidas (cerrado) ou espinhentas (caatinga), que crescem afastadas e em geral perdem todas as folhas na estação seca do ano; e 2 por cento de vegetação essencialmente herbácea (campo limpo), onde árvores são naturalmente raras. Existem diversas complicações, claro, como zonas de transição entre dois ou mais biomas e mesmo manchas isoladas de um bioma dentro dos domínios de outro.

Com a entrada em cena dos europeus, em 1500, esses percentuais de abrangência começaram a diminuir mais rapidamente. Nas últimas décadas, o processo de destruição – muitas vezes, a troco de ‘vento e poeira’ – foi ainda mais acelerado, a tal ponto que hoje mais de 15% da floresta amazônica e mais de 40% do cerrado (os biomas brasileiros mais ‘inteiros’) já estão perdidos ou seriamente degradados; juntos, os fragmentos remanescentes de floresta atlântica não equivalem a 8% da área original e os de campo limpo e caatinga a talvez apenas um pouco mais do que isso.

Reservas e parques

Um meio de resguardar hábitats naturais e suas comunidades ecológicas – permitindo, portanto, a continuidade do processo evolutivo – é a criação e a implantação efetiva de unidades de conservação (reservas e parques, em particular). Um censo pioneiro realizado em dezembro de 1997, revelou que 329 reservas e parques federais e estaduais ocupavam uma área total equivalente a 2,5% do território brasileiro. [De janeiro de 1998 para cá, novas unidades (federais e estaduais) foram criadas em diversos estados brasileiros, inclusive nos domínios da caatinga. A criação do Parque Nacional da Serra das Confusões (1998), por exemplo, com cerca de 500 mil ha, no centro-sul do Piauí, mais do que dobrou a área total desse bioma que está protegida por reservas e parques federais e estaduais. No entanto, o quadro geral aqui descrito permanece essencialmente inalterado.] A média mundial, vale notar, é aproximadamente igual a 5-6%, enquanto alguns países latino-americanos já protegem legalmente bem mais do que isso. Além de uma média nacional baixa, outro problema sério são as acentuadas disparidades entre regiões e estados no que se refere aos percentuais de proteção. Entre as regiões, por exemplo, a média do Norte era a única acima do percentual nacional; entre as 27 unidades da federação, apenas nove tinham valores acima dos 2,5%.

O número, tamanho, desenho e distribuição espacial das unidades de conservação são os fatores que, em última análise, determinam se a riqueza biológica e a correspondente heterogeneidade de uma região serão ou não efetivamente protegidas em níveis mínimos de representatividade. Deve haver, entre outras coisas, uma correspondência equilibrada entre a representatividade biogeográfica e a área ocupada por UCs dentro de cada bioma, em qualquer nível geopolítico (estado, região, país etc.).

No Brasil, entretanto, tal correspondência só ocorre no caso da floresta atlântica, representada por 13,3% dos hectares protegidos no país, o que corresponde aproximadamente ao percentual (14%) do território brasileiro originalmente coberto por esse bioma. Entre os demais biomas, há um acentuado desarranjo: por um lado, ‘excesso’ de floresta amazônica (72% em vez de 47%); por outro, carência de cerrado (12,8% em vez de 24%) e uma notável escassez de caatinga (1,8% em vez de 13%) e de campo limpo (0,03% em vez de 2%). Poucos de nós negariam que o percentual nacional de proteção precisa aumentar – e muito –, mas a representatividade dos biomas não pode continuar assim tão desbalanceada.

Em resumo: ao contrário do que a imprensa e algumas ONGs verdes costumam alardear, a floresta atlântica não é o bioma brasileiro mais desprotegido. Hoje, esse ‘privilégio’ cabe à caatinga, que originalmente abrangia quase todo o interior do Nordeste e uma pequena parte de Minas Gerais, e ao campo limpo, que abrangia principalmente o interior do Rio Grande do Sul. Deixando de lado o campo limpo, que ocupa uma área bem menor que a dos outros quatro biomas citados, não há dúvidas de que a situação da caatinga é a mais dramática de todas, tanto em termos relativos como em número absoluto de hectares protegidos.

Desinformação, desvalorização, indiferença

E mais: como se não bastasse a desproteção, a caatinga ainda enfrenta outros dois sérios inimigos, tão ou até mesmo mais perigosos. Primeiro, a indiferença: embora a caatinga seja a paisagem natural típica do interior do Nordeste, ela ocupa apenas um de cada cinco hectares protegidos na região – i.e., quase 80% dos hectares ocupados pelas reservas e parques nordestinos protegem outros biomas que não a caatinga. Há até casos de ‘indiferença não governamental’: ONGs verdes de atuação nacional, por exemplo, que apoiam ou já apoiaram dezenas de ações pelo país afora, mas que até hoje não se envolveram efetivamente com a caatinga.

Um segundo inimigo é o desconhecimento: como as universidades e os pesquisadores nordestinos estão concentrados no litoral, a maioria dos trabalhos de campo é conduzida nos domínios de outros biomas – notadamente hábitats marinhos e fragmentos remanescentes de floresta atlântica. Para documentar essa distorção e descobrir quais são as áreas de estudo mais frequentadas pelos pesquisadores nordestinos, basta ver, por exemplo, os trabalhos apresentados por eles em congressos científicos.

Por isso tudo, não seria exagero afirmar que a produção científica do Nordeste ainda é um eco dos alardes e das pressões (financeiras, ideológicas etc.) oriundas do Sudeste, mais do que uma expressão própria da realidade regional – i.e., das particularidades e dos problemas (desflorestamento, erosão, salinização, desertificação etc.) de seu bioma mais característico. Uma consequência desastrosa da escassez de conhecimento, aliada ao descaso histórico dos governantes, é a progressiva desvalorização da caatinga. Cria-se assim um círculo vicioso extremamente perverso, envolvendo desinformação, desvalorização e indiferença – irmãs gêmeas da pobreza econômica que ainda caracteriza boa parte do interior do Nordeste brasileiro.

[Nota: versão completa deste artigo integra o livro Ecologia, evolução & o valor das pequenas coisas (2ª ed., 2014); sobre o livro mais recente do autor, O evolucionista voador & outros inventores da biologia moderna (2017) – ver aqui ou aqui.]

Select rating
Nota 1
Nota 2
Nota 3
Nota 4
Nota 5

38
SÃO GONÇALO DO AMARANTE RN-Caatinga: desproteção e indiferença, por Felipe A. P. L. Costa
Avalie esta postagem



Loading...

Levany Júnior

Levany Júnior é Advogado e diretor do Blog do Levany Júnior. Blog aborda notícias principalmente de todo estado do Rio Grande do Norte, grande Natal, Alto do Rodrigues, Pendências, Macau, Assú, Mossoró e todo interior do RN. E-mail: levanyjunior@blogdolevanyjunior.com

Comentários com Facebook




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *