REFLEXÃO; A ARMADURA DE DEUS (Ef 6.10-20)


download

INTRODUÇÃO

Estamos envolvidos numa guerra que atravessa milênios e que só  terá o seu fim quando o Senhor Jesus puser “todos os inimigos debaixo dos seus pés” (1 Co 15.24,25). As armas que temos ao dispor para

lutar nessa guerra, não são armas carnais, porque a luta é espiritual, nossa luta não é contra seres humanos, mas contra Satanás.

I – UMA ARMADURA COMPLETA.

A armadura à disposição do crente tem seis peças principais: O cinto, a couraça, as sandálias, o escudo, o capacete e a espada. A armadura é de Deus (Is 59.17), mas hoje Ele possibilita que nos revistamos dela, a fim de estarmos devidamente equipados. É uma armadura perfeitamente adequada para a luta. Nenhuma de suas peças são dispensáveis. Paulo insiste: “Tomai toda armadura de Deus” (Ef 6.13).

  1. O Cinto da Verdade

    1. O cinto do soldado antigo envolvia a sua cintura e servia para prender a túnica e segurar a espada. O cinto do soldado cristão é a “verdade”, isto é, a sinceridade ou integridade.
    2. Deus requer que sempre falemos a verdade (Ef 4.25). Nada de hipocrisia, insinceridade, ou fingimentos.
    3. Precisamos “andar na verdade”, orientar nossa conduta pela verdade (2 Jo 4). Caso contrário, estaremos fazendo o jogo do Diabo e não poderemos vence-lo.
  1. A Couraça da Justiça
  1. O soldado antigo dispunha de uma couraça que protegia todas as suas partes vitais. Era a principal peça da armadura. A couraça do cristão é a “justiça” de Deus; a justiça que Deus a ele atribui.
  2. A justiça que temos em Cristo é nossa proteção contra as acusações de Satanás (Rm 8.1,33). Mas a couraça da justiça pode ter também o sentido de justiça de caráter e de conduta que se exige do cristão (Ef 4.24).
  3. Em todas as coisas, grandes e pequenas, o crente em Cristo precisa agir com justiça. E se ocorrer de vir a pecar, esta justiça pode lhe ser aplicada mediante o arrependimento e confissão (1 Jo 1.9).
3)   As sandálias do Evangelho da paz
    1. O soldado antigo calçava sandálias que eram feitas de couro, tinham cravos na sola, eram presas nos calcanhares e nas canelas tinham tiras que subiam nas pernas.
    2. Serviam para equipa-lo para as marchas e evitavam que os pés deslizassem. As sandálias do cristão são a “preparação do evangelho da paz”. Podemos aplicar este termo em dois sentidos:
    • A prontidão para anunciar o evangelho da paz.
Uma vez que temos a nossa paz restabelecida com Deus, devemos sair com entusiasmo e firmeza para levar aos outros a mesma paz (Is 52.7).
    • A experiência da paz.
A paz deve dominar no coração do crente em Cristo (Cl 3.15; Fp 4.7). Se esta paz não reinar em nosso íntimo, não teremos condições de ser pacificadores (Mt 5.9).
Para o nosso viver diário, diante de tantas ameaças e conflitos, precisamos de um bom calçado que nos dê firmeza e proteção.
Só a paz de Deus nos faz estar firmes e seguros nos caminhos escorregadios da tentação e nas ladeiras pedregosas da adversidade.
  1. O escudo da fé.
    1. O escudo do soldado antigo lhe servia para aparar as flechas que eram lançadas pelo exército inimigo. O escudo do cristão é fé. Com este escudo ele pode aparar todos os mísseis incendiários, os dardos inflamados que o Diabo lança contra o exército de Cristo.
    1. Os dardos podem ser de várias espécies, podem ser as acusações maliciosas, as insinuações da impureza e da malícia, os indesejados pensamentos de dúvidas, de desobediência, de rebeldia e de medo.
    2. Precisamos do escudo da fé que nos habilita a confiar plenamente em Deus e a descansar na Sua fidelidade.
5)  O capacete da salvação.
    1. O capacete é a proteção para a cabeça. O do soldado antigo era feito de bronze ou de ferro, forrado com material que o tornava confortável à cabeça.
    2. O capacete do soldado cristão é a salvação. Ele o usa no sentido de que possui a salvação, que já lhe está garantida.
    3. A salvação é sua possessão eterna. Tendo este conhecimento, o soldado cristão enfrenta confiante o inimigo (1 Ts 5.8). A certeza da vida eterna alimenta sua confiança na luta diária com o inimigo.

 

  1. A espada do espírito.
    1. A espada é a única arma ofensiva do cristão. Cinco peças da armadura para a defesa, e só uma para o ataque. Isto pode significar que antes de responder aos golpes de Satanás, temos que saber nos defender dele.
    1. A espada do soldado cristão é a Palavra de Deus (Hb 4.12). É a revelação escrita de Deus dada aos homens por inspiração do Espírito Santo (2 Tm 3.16; 2 Pe 1.21).
    2. Munidos dela, o cristão pode derrotar o inimigo, como Jesus o fez (Mt 4.4,7,10), e também consegue se livrar das impurezas que querem invadir sua alma, porque a Palavra santifica (Ef 5.26).
    3. Mas para manejar bem esta arma é preciso treinar. O treinamento se dá mediante a leitura, meditação e estudo da Bíblia Sagrada (2 Tm 2.15).

II – O SEGREDO DA VITÓRIA.

Depois de descrever a armadura, o apóstolo Paulo acrescenta a necessidade da oração e dá a entender que devemos vestir cada peça com oração, e então continuar ainda em toda oração e súplica.

  1. Uma oração constante.

    1. Orando em todo o tempo (1 Ts 5.17), isso significa que devemos nos manter o máximo possível sintonizado com o Senhor.
    2. Precisamos aprender a reservar tempo para nos dedicar a oração e saber da necessidade de se buscar o Senhor nas diversas situações da vida, colocando tudo sob Sua orientação e vontade.
    3. Devemos cobrir todas as esferas da nossa vida pela oração, a fim de que Satanás não obtenha vantagem em nenhum de seus ataques.
  1. Orar no Espírito.
    1. Orar no Espírito é dirigir-nos a Deus na dependência do Espírito Santo, contando com o Seu auxílio (Rm 8.26). Pelo fato de não sabermos orar como convém, o Espírito Santo que conhece a mente do Senhor, interpreta diante dEle as nossas orações.
    2. Há orações carnais, à moda daquela do fariseu (Lc 18.11,12), que são feitas sem nenhuma dependência do Espírito Santo, e há orações espirituais, mesmo estas precisam da assistência do Espírito Santo.
    3. Satanás tenta induzir o cristão à arrogância espiritual manifestada nas orações, por isso a ordem é para orarmos no Espírito (Jd 20).
  1. Orar com perseverança.
    1. A perseverança é essencial, pois o inimigo está disposto a nos desanimar; aproveitando-se do nosso cansaço físico, das preocupações, do trabalho e das dúvidas, e agindo para nos fazer desistir de orar. Jesus nos ensina a orar sempre e nunca esmorecer (Lc 18.1).
4)  Orar por todos os santos.
    1. Nossas necessidades leva-nos à prática da oração egoísta, mas outros também estão necessitados e as vezes muito mais do que nós mesmos, estamos todos juntos nesta batalha, carecendo de forças para lutar.
    2. A nossa união em Cristo é tão real que se um membro sofre, todos sofrem com ele. A vitória total da Igreja de Cristo depende da vitória individual de cada crente.
    3. A Cada dia devemos suplicar por toda Igreja, para que seja fortalecida e dinamizada para a luta contra o mal.
  1. Orar pelos missionários.
    1. O apóstolo Paulo pede oração por ele, porque era suficientemente sábio para saber da sua própria necessidade de força para ficar firme contra o inimigo, e era também suficientemente humilde para pedir que seus amigos orassem com ele e por ele.
    2. Com isso aprendemos da necessidade de orar pelos missionários. Eles, como o apóstolo Paulo, estão motivados a pregar o Evangelho e precisam que peçamos a Deus que lhes dê sabedoria e ousadia.
    3. O apóstolo Paulo embora estivesse preso não pediu que orasse por sua libertação, mas que intercedesse pelo grande ministério que ainda lhe cabia.

CONCLUSÃO

Não temos que fabricar armas para a luta espiritual, todo um arsenal já está à nossa disposição, fabricado por nosso Senhor. Só nos resta apropriarmos desta armadura, e com ela, certamente resistiremos no dia mau, e depois de termos vencido tudo, permaneceremos inabaláveis (Ef 6.13). Um grande perigo que corremos nos dias atuais é nos deixar levar pelo modismo que vez por outra surge, e são oferecidos aos crentes como recursos para a sua luta contra o Diabo. Não precisamos de nenhum outro armamento além deste que nos é oferecido pelo Senhor.



Levany Júnior

Levany Júnior é Advogado e diretor do Blog do Levany Júnior. Blog aborda notícias principalmente de todo estado do Rio Grande do Norte, grande Natal, Alto do Rodrigues, Pendências, Macau, Assú, Mossoró e todo interior do RN. E-mail: levanyjunior@blogdolevanyjunior.com

Comentários com Facebook




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *