RECIFE-PE-Madrugadores: funcionários do Hospital da Restauração enfrentam noites sem dormir para salvar vidas


Por Léo Burgos, TV Globo

 

Madrugadores: funcionários do Hospital da Restauração enfrentam  noites sem dormir para salvar vidasMadrugadores: funcionários do Hospital da Restauração enfrentam  noites sem dormir para salvar vidas

Reprodução/TV Globo

Funcionários do Hospital da Restauração viram noites para salvar vidas no Recife
Bom Dia PE

–:–/–:–

Funcionários do Hospital da Restauração viram noites para salvar vidas no Recife

Funcionários do Hospital da Restauração viram noites para salvar vidas no Recife

As madrugadas costumam ser agitadas na maior emergência de Pernambuco, no Hospital da Restauração (HR), no Centro do Recife. É nesse turno que chega a maior parte dos 300 atendimentos diários feitos no local. Para salvar vidas, os profissionais que enfrentam noites em claro falam do desafio de trabalhar no horário. (Veja vídeo acima)

(Série Madrugadores, do Bom Dia PE, mostra desafios e curiosidades dos profissionais que trabalham durante a madrugada em diferentes setores. As áreas de segurança, limpeza, saúde e serviços têm trabalhadores atuando enquanto maior parte da população dorme.)

E é essa a realidade do maqueiro Valdir Melo, que trabalha na unidade há seis anos. Para ele, o dia a dia é duro. “É pura adrenalina. A gente entra aqui com medo e sai com uma coragem que só Jesus sabe. Porque a gente vê em filme as coisas e, aqui, a gente vê a realidade”, afirma.

Petrus Andrade Lima é cirurgião no Hospital da Restauração, no Centro do Recife — Foto: Reprodução/TV GloboPetrus Andrade Lima é cirurgião no Hospital da Restauração, no Centro do Recife — Foto: Reprodução/TV Globo

Petrus Andrade Lima é cirurgião no Hospital da Restauração, no Centro do Recife — Foto: Reprodução/TV Globo

Na Restauração, trabalham 3,2 mil funcionários, incluindo 610 médicos. Um deles é o cirurgião Petrus Andrade Lima, chefe do plantão, que trabalha no local desde 1999. Ele diz ter se acostumado à rotina da madrugada.

“Nós, profissionais de saúde, médicos, já estamos treinados para ficarmos acordados de madrugada. Não tenho dúvidas de que é uma rotina cansativa, é trabalhoso e fora da fisiologia”, diz o médico.

Para a estudante de medicina Vitória Barbosa, que faz estágio no HR, a madrugada representa uma oportunidade para aprender. “É bem cansativo, na verdade, bem intenso. Acho que é o momento que chegam coisas mais interessantes para a gente aprender, como estudante”, declara.

Ana Cristina da Rocha trabalha no Hospital da Restauração, no Centro do Recife — Foto: Reprodução/TV GloboAna Cristina da Rocha trabalha no Hospital da Restauração, no Centro do Recife — Foto: Reprodução/TV Globo

Ana Cristina da Rocha trabalha no Hospital da Restauração, no Centro do Recife — Foto: Reprodução/TV Globo

Ana Cristina da Rocha é técnica de enfermagem há 17 anos e diz que é importante não se envolver com as histórias que, diariamente, passam pelo hospital. “Até hoje tem histórias que não saem da cabeça. A gente não pode se envolver emocionalmente na profissão, mas somos seres humanos e não só uma máquina de trabalho. A gente tem um coração, tem crianças, tem amor pela vida”, diz.

Além de atendimento médico, os pacientes também precisam seguir uma dieta específica. No local, são preparadas seis mil refeições, todos os dias. Tudo começa de madrugada, na cozinha que fica no térreo do hospital. Os pratos são para pacientes, acompanhantes e funcionários.

Entretanto, segundo a segurança Maria do Carmo Marques, o cafezinho diário precisa ser levado por casa pessoa. “Eu faço uma garrafa e boto aí. É a noite todinha tomando café, para poder passar a noite acordada”, diz Maria.

O HR vai completar 50 anos em dezembro e, como o maior hospital público da Região Nordeste, acumula uma série de problemas, como a falta de leitos, mesmo tendo 833 vagas. Entretanto, a unidade hospitalar segue sendo referência.

Veja também

Globo Repórter

Globo Repórter pedala pelo Brasil e mostra incríveis registros da vida sobre duas rodas

Programa desta sexta (16) mostra o papel da bicicleta na vida dos brasileiros e revela que quem vai pedalando ou a pé para o trabalho tem uma chance seis vezes menor de contrair doenças crônicas.

15 de ago de 2019 às 11:07

PróximoVida Corrida dobrou o número de participantes nos últimos quatro anos

Mais do G1
Avalie esta postagem



Comentários com Facebook




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *