PENDÊNCIAS RN-Este, quase à hora nona, viu claramente, numa visão, um anjo de Deus,


mensagens-mensagens-biblicas-curtas-24

Obs. Os textos bíblicos é o que edifica.

Neste capítulo podemos ver a atuação de dois personagens importante na história da igreja: O apóstolo Pedro e o centurião Cornélio. Cornélio era gentio (pagão) centurião do exército romano (comandante de cem soldados) homem piedoso e temente a Deus. Aberto para os pobres, ele era simpatizante da religião judaica, mas não adepto, não era circuncidado e nem observava a Lei de Moisés (Atos 15: 21; II Co 3: 6- 16; Rm 10: 4).

Pedro era judeu observante, que apesar de andado com Jesus não tinha sido liberto totalmente das normas e dos seguimentos judaico (Lc. 22: 31 e 32; Gl. 2: 11 – 16). Embora nesta época o Cristianismo conhecido como “Os do Caminho” (Atos 24: 14- 22; Atos 19: 23; Atos 22: 4; Atos 26: 9; Atos 11: 19- 26); ainda era uma ramificação do judaísmo (Atos 11: 19; Mt 10: 1- 6; Mt 15: 21- 24).

Os judeus tinham preconceitos contra os gentios (pagão), não entravam em suas casas e nem sentavam- se a mesa com eles (Atos 10: 28; Atos 11: 1- 3; Lv 20: 23). Este preconceito era uma barreira que impediam a convivência entre judeus e gentios (Gl 2: 8- 14; Is 28: 10; Jo 8: 36). Os judeus pensavam que tudo isto fosse uma expressão da vontade de Deus para eles, mas o Espírito Santo tinha uma missão e não se deixava embaraçar pelas barreiras culturais (Jr 23: 23; Is 43: 13; Jó 42: 2). Ele empurrou tanto Cornélio quanto a Pedro para tomarem uma iniciativa de romper esta barreira, pois ela impedia o propósito de Deus, a manifestação do Reino de Deus na terra (Lc 11: 52; Mt 16: 13- 19; Mt 10: 1- 7; Atos 26: 9- 18). Com a rejeição dos judeus (Mt 23: 23- 39; Mt 21: 33- 43; Rm 11: 1- 18; Jo 4: 1- 22; Mt 1: 1- 16); o Caminho (Jo 14: 6; I Tm 2: 5; Hb 10: 19- 20) foi à porta (Jo 10: 9; Sl 118: 20;

Atos 16: 25- 31) que se abriu para os gentios (Mt 12: 9- 21; Is 42: 1- 4; Ag 2: 6- 7; Rm 9: 1- 24). Neste capitulo vamos ver como o Evangelho de Cristo alcançou a primeira parte da promessa (Atos 15: 7; Gl 3: 7- 14; Gl 4: 21- 28; Gn 22: 1- 18; Gn 3: 1- 15; Rm 5: 12- 21; Jo 3: 16). Alcançar a segunda parte da promessa é a missão da igreja (Mt 24: 11- 14; Mc 16: 15; Lc 14: 15- 23; Ap 22: 17; Is 55: 1- 3; Is 11: 1- 3; Is 53: 1- 12).

A visão de Cornélio em Cesaréia

ATOS 10: 1 – Havia em Cesaréia um homem por nome Cornélio, centurião da corte chamada italiana.

A Cesaréia mencionada no texto é a Cesaréia Marítima. Cesaréia Marítima fica no litoral. Situa-se na costa mediterrânica de Israel cerca de meio caminho entre Tel Aviv e Haifa. Cesaréia respeitava as ambições do seu fundador, Herodes, o grande (Atos 23: 1- 33). Herodes Arquelau, Herodes Antipas, Herodes Filipe eram todos filhos de Herodes o Grande (Mt 2: 1- 16 e 19- 20; Atos 12: 1- 24; Mt 14: 1- 12). Cesaréia, no tempo de Jesus, não tinha profundas raízes no passado hebraico, a sua cultura era romana (Rm 1: 18- 23; I Co 10: 14- 21; II Co 6: 11- 16). Ela era uma cidade da Judéia somente pela localização, mas seu espírito olhava para Roma (Gn 19: 26; Hb 12: 1- 2; Sl 34: 5; Fp 3: 13- 14; Atos 7: 55- 56; Sl 110: 1; Dn 2: 1-44). Entre tantos romanos habitantes em Cesaréia

havia Cornélio, um centurião romano, oriundo da nobreza romana a serviço do Império Romano na Palestina, que se fixara em Cesaréia. Era um comandante de cem soldados daquela divisão do exército romano, assim organizavam os romanos seus contingentes militares. Apesar de estar a serviço do Imperador era conhecido como homem temente ao Deus de Israel (Pv 9: 10; Sl 111: 10; Sl 33: 8- 9).

ATOS 10: 2 – piedoso e temente a Deus com toda a sua casa, o qual fazia muitas esmolas aos pobres.

Piedoso, fala de compaixão, sentimento de misericórdia, fazer esmola. Cornélio era diferente dos outros romanos e também dos religiosos da época, conhecedor da história de Israel ele creu no que estava escrito (Sl 4: 3; Atos 10: 3- 4). Cornélio não se tornou um religioso membro da religião judaica (Mt 23: 1- 7), ele desenvolveu a fé no Deus vivo (Hb 13: 7; Rm 5: 1; II Co 5: 7). Cornélio acreditava em um Deus presente, que tudo vê, e tudo ouve (Sl 94: 9; II Cr 16: 9ª; Sl 101: 6) Um Deus invisível (I Tm 1: 17; Cl 1: 15- 20; Atos 16: 31)o qual ele não podia enxergar (II Co 4: 18), mas que ele sabia que estava sempre presente (Jr 23: 23- 24; Sl 139: 1- 12; Is 40: 12- 15; Rm 11: 33- 36). O Deus que Cornélio resolveu abraçar e servir, não necessitaria ir até Jerusalém para adorar; ali onde ele estava em Cesaréia também era o lugar de adoração (Jo 4: 19- 24; I Co 2: 9). Cornélio era um verdadeiro adorador e por ser um verdadeiro adorador Deus o encontrou (Atos 10: 4; Sl 101: 6; Atos 13: 22). A principal marca de um verdadeiro adorador é o temor de Deus (Pv 9: 10; Jo 3: 26- 30; Mt 11: 11). Cornélio aprendeu assim, e assim ensinou a sua casa (Pv 22: 6; I Tm 3: 1- 5). E por viver uma vida no temor de Deus, toda a sua casa foi abençoado (Sl 128: 1- 4).

Cornélio era um homem de visão e sabia que sua prosperidade vinha do Deus que resolveu abraçar (Sl 34: 9; Sl 103: 11; Sl 1: 1- 3). Era homem de bom coração prosperava e distribuía a sua prosperidade com os pobres (Dt 15: 5- 11). Temente a Deus, fala de oração (Dn 6: 1- 10). O texto diz: e de continuo orava a Deus (Sl 55: 17; Sl 5: 3; Sl 88: 13; Pv 8: 17). Cornélio era um homem de oração (Sl 109: 4; I Ts 5: 17; Sl 66: 20; Lc 18: 1- 8; Sl 40: 1), ou seja, estava sempre movimentando os seus joelhos na direção do Senhor (Sl 32: 6; Sl 30: 5; Sl 69: 33). O povo não gosta de orar (Lc 2: 36- 37; Sl 105: 4). Quem não gosta de orar, não gosta de falar com Deus. (Gn 3: 9- 10; Ap 3: 15- 18) e nem da sua presença (Is 29: 13; Mt 23: 1- 7). A oração é uma arma de guerra (Ef 6: 10- 18; Atos 16: 9- 26). Cornélio era conhecedor das escrituras e fez uso dela (Sl 1: 1- 3; Sl 119: 105; Js 1: 8). Cornélio não era crente e nem judeu, mas tinha tudo o que faltava nos judeus da época e nos crentes de hoje (Jr 6: 16; Jó 8: 8; Hb 11: 6- 11; Dt 7: 9).

Cornélio era ativo não se acomodou com uma vida de religioso e viveu para adorar (Jo 4: 23- 24; Sl 101: 6). Os religiosos da época ofereciam pouco; o que eles ofereciam já estava ultrapassado (Hb 8: 1- 13; II Co 3: 9- 16; Dn 9: 27ª; Hb 10: 1- 20). A religião judaica oferecia sacrifícios mortos (Ex 29: 1- 18; Gn 22: 1- 8; I Co 5: 7; Is 53: 1- 7; Ap 5: 1- 12; Jo 1: 29 e 35- 6), Cornélio queria oferecer sacrifícios vivos (I Pd 2: 3- 5; Rm 8: 1). Cornélio resolveu ofertar a sua vida (Rm 12: 1- 2; I Co 6: 18- 20), o seu coração (Pv 23: 26; Ap 3: 20) a Deus (Sl 51: 17; Is 57: 15; Atos 2: 37).

Você tem oferecido a Deus, sacrifícios mortos, ou sacrifício vivo? (Cl 3: 1- 2; Mt 6: 19- 33). A decisão de Cornélio em se aproximar do Deus de Israel em oração moveu o céu em seu favor (Is 64: 4; Lc 18: 1- 8; Dn 10: 1- 13; I Ts 5: 17; Rm 16: 20).

ATOS 10: 3 – Este, quase à hora nona, viu claramente, numa visão, um anjo de Deus, que se dirigia para ele, e dizia: Cornélio!

O céu se abriu para Cornélio (Atos 7: 55- 56; Mt 10: 32- 33). O acesso ao céu esta liberado a todos os homens (Jo 3: 14- 16). A porta para aos gentios estava aberta (Gn 3: 1- 15; Gn 9: 16- 17; Gn 12: 1- 3; Atos 3: 25; Atos 15: 7; Gl 3: 7- 16; Rm 10: 8- 13), o acesso ao céu agora era possível (Hb 10: 19- 23; Jo 14: 6; I Tm 2: 5; Rm 5: 12- 21). O céu e a terra se encontraram no mesmo lugar (I Co 1: 18; Mt 27: 32- 54; Cl 2: 4- 17). O Reino de Deus tomou conta do mundo (Jo 12: 31; Mt 12: 22- 28; Mt 16: 13- 19). As respostas de Deus agora chegam mais rápidas (Gn 28: 10- 17; Jo 1: 43- 51; Jr 33: 3; Jr 29: 11- 13). Este quase à hora nona; hora importante para os judeus (Atos 3: 1) viu em visão um anjo de Deus que se dirigia para ele, e dizia: Cornélio! Cornélio teve uma visão, e nesta visão o que viu foi real, e não fruto da sua imaginação (Cl 2: 18). Devemos sempre lembrar: A pregação do evangelho é missão para homens e não para anjos (Gl 1: 8- 9; Atos 5: 17- 20; Lc. 10:1-19; Rm. 15: 17-19; Mt. 10:1-20).

Quando o crente esta evangelizando na rua com folhetos, de porta em porta, ou pregando em qualquer lugar, ele está fazendo aquilo que os anjos sempre desejaram fazer (I Pd. 1:3-12). Muitos estão acomodados, esperando os anjos fazerem aquilo que é para eles fazerem (Atos 1:8). Outros estão cultuando (Cl. 2: 18), e recebendo curas de anjos (Gl 1: 8). Quem tem autoridade para fazer os sinais são os discípulos de Cristo e não anjos (Mc. 16: 16-18).

Muitas igrejas estão mudando as suas doutrinas por receberem novas visões de anjos (Gl. 1: 9). Existem muitas seitas por aí que foram fundadas por pessoas que receberam revelações de anjos e acreditaram ter vindo da parte de Deus (II Co. 11: 14; Gl. 1:8). Veja este texto (I Rs. 13:1-19), e a continuação (I Rs. 13: 20-24). Caso alguém chegue à igreja dizendo que recebeu uma mensagem de um anjo, e esta mensagem for contrária ao Evangelho de Jesus, não creia (I Jo. 4:1; I Co. 14: 33). E, se for semelhante ao Evangelho, também não creia (II Co. 11: 14; II Pd.

2:1-2; Mt. 24:4-5 e 24-25). Deus não usará os anjos para trazer algo que os Apóstolos, inspirados pelo Espírito Santo, já trouxeram (I Pd. 1:7-12; II Pd. 1: 16-21; Atos. 5: 17-20; Atos. 8: 26-31). Quem dá vida à Palavra, e interpreta as revelações Bíblicas para nós é o Espírito Santo (Jo. 6: 63; II Co. 3:6; Jo. 16: 5-14; Jo. 14: 25-26; Jo. 15: 26; Is. 34: 16).

ATOS 10: 4 – Cornélio, fixando nele os olhos, e muito atemorizado, perguntou: Que é Senhor? Respondeu-lhe o anjo: As suas orações e as tuas esmolas têm subido para memória diante de Deus.

Foi uma experiência que Cornélio ainda não havia vivido (Is 29: 14; Gn 28: 10- 12; Jo 1: 51; Gn 28: 13- 18; Sl 118:20; Jo 10: 9). Visões, anjo, tudo isto estava acontecendo pela primeira vez na vida de Cornélio (Jó 33: 14- 15; Jo 9: 39). Até então Cornélio vivia de joelho orando o tempo todo (Sl 55: 17; Dn 6: 1- 10; I Ts 5: 17), fazendo muitas esmolas, e nada tinha acontecido (Sl 27: 14; Lc 18: 1- 8; Jr 29: 11- 13; Is 64: 4; I Co 2: 9). Cornélio amava Deus e ao próximo (Mc 12: 28- 31; Lc 10: 25- 37). O que Cornélio fazia, ele fazia sem interesse algum, fazia por amor (I Co 13: 1- 7; Pv 10: 12; Rm 13: 8). A visão com o anjo o surpreendeu, e o assustou (Lc 24: 36- 37; Rm 8: 14- 15; Sl 91: 1- 5).

Cornélio deve ter se lembrado das escrituras (Ex 3: 1- 5). Atemorizado, Cornélio perguntou: Que é Senhor? Cornélio perguntou e obteve resposta. Deus não deixe um justo sem resposta (Sl 40: 1; Jr 33: 3; Mt 7: 7- 11; Nm 23: 19). A presença do anjo, não foi resposta a insistência de alguém que buscava para os seus próprios interesses, mas resposta para alguém que viveu uma vida dedicada a estar na presença de Deus em oração (Dn 10: 12; Dn 6: 10), jejum (Atos 10: 30), e muita ajuda ao próximo (I Jo 3: 16- 18; Pv 3: 27- 28; Zc 3: 10; Jo 15: 1- 5; Mt 24: 29- 32; Ap 6: 12- 13). A vida de Cornélio estava sendo guardada na memória de Deus. Ou seja, todas as atitudes de Cornélio subiam e ficavam registradas na memória de Deus (Is 49: 15- 16). Se as atitudes de Cornélio alegraram o Senhor (Ne 8: 10), aponto de Deus guardar em sua memória, então devo fazer o mesmo (Jo 14: 21- 23; Jr 6: 16; Ap 2: 2- 4). Não há limite para se fazer algo novo (I Co 1: 18- 21; I Co 2: 2- 5). Não há limite para receber de Deus novas revelações (I Co 2: 9; Jr 33: 3; Jo 14: 23). Não há limite para se aumentar a luz (Gl 1: 11- 12; II Co 4: 3- 7; Ef 1: 18- 23). Não há limite para a graça de Deus superabundar em sua vida (Ef 2: 1- 8; Rm 5: 12- 20; Is 53: 1- 12). Só depende de você (Ed 10: 4; Mq 2: 10ª; Is 6: 8). Você pode mudar as suas atitudes (Jl 2: 13; Is 1: 17- 19; Jr 17: 5 e 9), levar uma vida de oração (I Ts 5: 17; Lc 18: 1; Sl 55: 17), e ajudar o próximo (Mc 12: 28- 31; Lc 10: 25- 37; Rm 12: 1- 2; Rm 13: 8; I Jo 3: 16- 18). Se isto agrada o teu Senhor (Ne 8: 10), é isto que você deve fazer (Sl 143: 10; Jo 14: 26).

Você pode fazer isto, e muito mais: O que, por exemplo? Jejuar (Mt 9: 14- 17), comer a palavra de Deus (Ez 3: 1- 2), evangelizar (Mc 16: 15), falar de Jesus em tempo e fora de tempo (II Tm 4: 2- 5; Lc 6: 45). Coisas, que com certeza Cornélio passou a fazer após receber o Espírito Santo (Jo 14: 15- 26; Jo 15: 16- 27; Jo 16: 7- 14; Ef 1: 13; Atos 1: 8). O que aprendemos? Deus está de olho em quem tem um bom coração (Sl 101: 6; II Cr 16: 9; Atos 7: 55-56; Dt 11: 12). Também a oração feita com sinceridade chega à presença de Deus (Ap. 5: 6 – 8). E, outras coisas que observamos: o bom coração e vida de oração, nos torna diferente dos demais aos olhos de Deus (Lc 10: 25-37; Dn. 10: 12; Sl. 55: 17; Lc 18: 1- 8).

ATOS 10: 5 – Agora envia homens a Jope, e manda chamar a Simão, que tem por sobrenome Pedro.

A pergunta é: Porque o anjo mandou buscar Pedro; e porque ele mesmo não foi chamar Pedro? Por que aquilo
que é para o homem fazer os anjos não vai fazer (Atos 5: 20; Mc 16: 15; Atos 1: 8; Ed 10: 4). Tirar os apóstolos da prisão em Jerusalém não era obra para nenhum homem fazer, então o anjo foi lá e soltou os apóstolos (Atos 5: 17- 20; Jr 32: 27; Lc 1: 37). Agora buscar Pedro em Jope, qualquer homem poderia fazer (Jr 12: 5; II Rs 5: 1- 13; Jo 3: 1-5; Atos 10: 47). A obra de Pedro era diferente das obras dos outros apóstolos (Mt 16: 13- 18; Jo 21: 15- 17; Atos 15: 7). Por onde Pedro passava Jesus se manifestava com poder, sinais e prodígios (Atos 3: 1- 9; Atos 5: 1- 16; Atos 9: 32- 42; Jo 15: 1- 5; Mt 28: 18- 20). Você foi chamado para fazer o diferente e não diferença (Mc 16: 17- 18); a diferença quem faz é Jesus (Atos 3: 10- 15; Atos 5: 1- 20; Atos 9: 35 e 42). Sem Jesus você é igual a qualquer outro (Jo 15: 1- 5). Nos primeiros anos da pregação do Evangelho (Rm 1: 16- 17; Mc 16: 15; II Tm 4: 2- 5), o Espírito Santo levou a igrejas a encontros tremendos com Jesus (Atos 7: 41- 56; Atos 9: 1- 5; Atos 18: 9- 10; Ap 1: 4- 18).

Pedro estava fazendo algo que ninguém fazia (Atos 3: 1- 9; Atos 5: 1- 11; Atos 9: 32- 34 e 36- 41). Curar dor de
cabeça, gripe, resfriado, soprar e derrubar o crente isto não é poder de Deus (Jr 2: 12- 13; Jr 23: 32; II Co 11: 13-15). Ministério que só prega sobre dinheiro, riqueza e bens materiais (Lc 4: 1- 8; Pv 28: 20; I Tm 6: 3- 10) isto não é pregar o Reino de Deus (Pv 14: 12; Mt 12: 22- 28; Mt 6: 19- 33). Os discipulos, no inicio da igreja tiveram experiência pessoal com o Senhor Jesus; é esta experiência que a igreja precisa voltar a ter (Ap 2: 4; Jr 6: 16; Jó 8: 8). É esta experiência que te espera (I Co 13: 1- 11; II Co 11: 2; II Pd 3: 15- 18). A cruzada evangelística que Pedro fez nas terras de Israel (Atos 9: 31) foi programada pelo Senhor Jesus (Jo 21: 15- 17; Jo 15: 16; Mt 28: 18- 20). A cura de Enéias, a ressurreição de Dorcas, e o derramar do Espírito Santo na casa de Cornélio foram obras do Senhor Jesus Cristo na vida de Pedro (Is 48: 17). Foi à manifestação sobrenatural do Reino de Deus na terra (Is 35: 1- 7; Atos 8: 4- 8; Mt 12: 22- 28). Quem fazia a diferença na vida de Pedro era Jesus (Jo 14: 18- 23; Fp 2: 9- 11; Ap 1: 18- 19). Foi Jesus quem guiou Pedro até estas cidades, e através de Pedro realizou os milagres (I Co 1: 18; I Co 2: 1- 5; II Pd 3: 15- 18; I Co 14: 20). Jesus quer ser a diferença na sua vida (Ap 3: 20), e te chama para fazer o diferente (Sl 105: 4; Atos 1: 8; Jo 14: 26). O anjo estava sobre as ordens do Senhor Jesus, e ordenou a Cornélio que enviasse homens a Jope em busca de Simão, que tem por sobrenome Pedro. O sobrenome Pedro foi Jesus quem deu a Simão (Jo 1: 35- 42). Pedro, igual à pequena pedra (Mt 16: 13- 18; I Pd 2: 1- 7; Is 28: 16; Sl 118: 20- 22; Mt 21: 33- 42; Atos 4: 8- 11; Rm 9: 33; Ef 2: 11- 20).

ATOS 10: 6 – Este está com Simão curtidor, que tem a sua casa junto ao mar.

Pedro estava descansando em Lida depois de uma batalha (Atos 9: 32- 35); quando no meio da noite aparecem
dois homens. Homens enviados pela igreja de Jope chamando-o apressadamente (Atos 9: 36- 38; Amós 4: 12; Mt
25: 1- 10; Ap 22: 7). Finalmente Pedro encontra em Jope um tempo para descansar. Simão era um irmão na fé, e
um amigo, que há muitos anos havia fixado residência junto à praia em Jope (II Cr 2: 1- 16; Jn 1: 1- 3). Este
convidou Pedro para ficar um tempo hospedado em sua residência (Atos 9: 43). Simão era curtidor, ou seja,
trabalhava com couro. Enquanto Pedro descansava em Jope, Cornélio procurava fazer o que o anjo lhe mandou.

As revelações de Deus não embaraçam o caminho de ninguém (I Co 14: 33 e 40; Os 4: 6ª). Cornélio não duvidou da
visão, não consultou ninguém, apenas creu (Rm 4: 1- 3; II Co 5: 7; Hb 11: 6). Se você crer em Jesus Cristo, serás
salvo, tu e tua casa (Atos 16: 31; Jr 29: 11- 13). Se você crer em Jesus Cristo tu verás a glória de Deus (Jo 11: 40; Is 60: 1; Ct 2: 11- 13). Se você crer em Jesus Cristo, ele vai curar as suas enfermidades, libertar você do pecado e do diabo (Is 53: 1- 5; I Pd 2: 21- 24. Vai salvar a sua alma (Is 53: 6- 12; I Pd 2: 25; Jo 3: 16), ungir, e te capacitar para uma grande obra (Jo 14: 12; II Co 1: 21; II Co 3: 4- 5; I Co 2: 9; Sl 27: 14).

ATOS 10: 7 – Logo que se retirou o anjo que lhe falava, Cornélio chamou dois de seus criados e um piedoso soldado
dos que estavam ao seu serviço.

O Anjo mandou Cornélio buscar Pedro, mas não disse para que (Dt 29: 29; Jo 13: 7). O que Pedro iria fazer na casa
de Cornélio? Na casa de Cornélio não havia nenhum coxo, nenhum enfermo em cima de uma cama, não havia nenhum morto esperando ser ressuscitado; então o que Pedro iria faze lá? (I Pd 5: 7; Sl 40: 1). Cornélio não sabia o que Pedro iria fazer em sua casa, mas sabia que o que Pedro iria lhe trazer era algo novo (Atos11: 1- 14; Lc 2: 8- 11; Mt 1: 16; Gl 2: 7- 14: Ez 36: 26- 27; Mt 9: 14- 17; Ef 5: 18), vindo céu (Lc 1: 26- 35; Jo 14: 23; I Co 2: 9; Is 64: 4; Pv 8: 17; Pv 13: 7). Cornélio enviou dois de seus criados, mas mandou junto um piedoso soldado que estava ao seu serviço. Estavam a serviço de Cornélio cem soldados que revezavam em turnos no serviço de proteção ao império romano (Atos 10: 1); e entre estes cem soldados ele escolheu um. Será que os cem eram piedosos? O texto destaca um soldado que era piedoso. Se o texto dá destaque este soldado pelo fato de ele ser piedoso, é por que; ser piedoso é ser diferente dos outros (Mt 5: 13- 16; I Co 6: 20; Rm 12: 1- 2).

Devido ao caráter de Cornélio (Atos 10: 2), este soldado só poderia ser alguém de um caráter integro, por isso foi escolhido (I Co 5: 9- 11; II Co 6: 11- 17; I Pd 1: 16). Cornélio teve as suas obras gravadas na memória de Deus (Atos 10: 4), e entre as obras de Cornélio estava à piedade (I Tm 6: 3- 6; II Pd 2: 9; I Tm 6: 8- 10; Pv 28: 20). O que eu aprendo? O justo não é salvo pelas obras, mas sim pela fé (Rm 5: 1- 21; Rm 4: 1- 3; Jr 9: 23- 24). Salvação e as obra são duas coisas distintas uma da outra (Rm 4: 1- 4; Ef 2: 8- 9; Rm 4: 5- 7; I Jo 2: 1- 2; Jo 1: 17), mas andam juntas (Lc 17: 5- 10). A salvação é pela fé em Cristo Jesus (Rm 10: 8- 13) e não pela obras (Ef 2: 1- 9). Observamos que salvação ainda não tinha chegado à casa de Cornélio (Mt 15: 21- 24; Jo 10: 16; Lc 12: 32), mas as obras lá já existiam (Rm 2: 14- 16). A fé produz obras, veja: A fé de Cornélio no Deus de Israel produziu as obras; não produziu a salvação (Rm 5: 1-10; I Tm 2: 5; Jo 14: 6; Atos 4: 12; Fp 2: 9- 11. Os judeus tinham fé em Deus (Atos 2: 5) e produziam obras (Lc 21: 1- 4; Mt 23: 16- 23), mas rejeitaram a salvação (Atos 4: 11: 12; Mt 21: 33- 43; Mt 23: 34- 39). A fé produz salvação (Lc 23: 33- 43; Rm 4: 6- 7) e também as obras (Lc 17: 5- 10; Mt 3: 1- 6). Cornélio poderia ter fé no Deus de Israel e produzir as obras e não aceitar a salvação (Lc 23: 1- 25; Dt 30: 14- 15; Rm 10: 8- 13; Atos 16: 31). Agora se alguém aceitou Jesus e não produz obra alguma; alguma coisa esta errada (Tg 2: 14- 20). Como ser salvo pela fé (Rm 5: 1), carregar Cristo no coração (I Jo 4: 7- 8), e não amar o próximo? (Lc 10: 25- 37; I Jo 3: 16- 18; Rm 13: 8).

ATOS 10: 8 – Havendo-lhes contado tudo, enviou-os a Jope.

A viagem a pé entre Cesaréia e Jope levaria uns dois dias. Cornélio escolheu homens de confiança para esta missão
tão importante (Rm 12: 16; I Co 12: 14- 25; Zc 4: 10). Como entender isto nos dias de hoje? Ser pessoa de confiança do seu superior, ou do seu líder, é uma riqueza (Jo 21: 15- 17; Atos 15: 7), é algo que muito desejado (Ex 33: 11; Dt 31: 23). Então porque não desejar ser pessoa de confiança do Senhor Jesus? (Jo 4: 23- 24; Jo 3: 1- 8; Rm 8: 1). O tempo passou, mas Jesus não mudou, ele continua o mesmo (Hb 13: 8; Mt 28: 18- 20; Atos 18: 9- 10).

Jesus continua procurando pessoas em que ele possa confiar (Sl 101: 6; Atos 13: 22; Jo 15: 16). Porque pessoas, e
não crente? Porque muitos dos que estão La fora, ainda virão a crer nele (Sl 22: 27; Sl 47: 7; Dn 2: 44; Sl 110: 1- 2; Fp 2: 9- 11). Pessoas como Cornélio que não era crente e nem conhecia Jesus, mas teve as suas obras gravadas na memória de Deus (Atos 10: 4; Sl 119: 11; Is 64: 4; I Co 15: 58). As obras de Cornélio não o salvaram (Atos 4: 8- 12; I Tm 2: 5), mas justificaram a sua salvação e também a salvação da sua casa (Atos 10: 44- 48; Tg 2: 21- 24). Uma atitude sua em direção a cruz (I Co 1: 18; Rm 10: 8- 13; Rm 5: 1) pode salvar você e toda a sua casa (Ap 3: 20; Atos 16: 31; Sl 128: 1- 4). Cornélio por ser um homem de coração quebrantado (Sl 34: 18; Is 55: 6; Sl 51: 17; Jo 7: 16- 17; Jr 23: 29) as suas obras agradaram ao Senhor (Atos 10: 1- 2; Tg 2: 14- 20; I Jo 3: 16- 18). Estes dois criados e o soldado foram escolhidos porque tinham bons serviços prestados á Cornélio. O que nos estimula a ser crente?

Qual é o nosso objetivo? O que estamos querendo alcançar? Cornélio procurou agradar ao Senhor (Gn 4: 1- 4; Rm
12: 1- 2; Sl 104: 34; Cl 3: 1- 2). Os seus criados e o soldado procuraram agradá-lo (Sl 133: 1; I Co 10: 24; Rm 15: 2). O que aconteceu? Todos ganharam (Atos 10: 44; Gl 3: 7- 14; Ne 8: 10).

A visão de Pedro em Jope

ATOS 10: 9 – No dia seguinte, indo eles seu caminho, e estando já perto da cidade, subiu Pedro ao terraço para orar, quase à hora sexta.

Jope ficava no litoral perto de Cesárea cidade que também ficava no litoral, a distância entre Cesaréia e Jope era de uns 50 km. Hora sexta no horário judaico igual doze horas, ou meio dia do nosso horário. Pedro era um homem de Deus, andou com Jesus (Mt 4: 18- 19; Mt 10: 1- 12; Jo 21: 15- 17) e com Jesus ele aprendeu tudo sobre o Reino de Deus (Atos 1: 3; Atos 4: 8- 13; Jo 13- 19; Jo 6: 60- 68; Atos 1: 1- 3). Aprendeu também a não ignorar o inimigo (Mt 16: 20- 23; Lc 22: 31- 33; I Pd 5: 8; Lc 22: 34 e 54- 62; Ef 4: 27). Pedro não se esquecia dos ensinos de Jesus, o Espírito Santo não O deixava esquecer (Jo 14: 26; Jo 15: 16- 27; Jo 16: 7- 15). Com Jesus ele aprendeu sobre batalha (Lc 22: 35- 38; Jo 18: 1- 11; Ef 6: 10- 12; Mt 5: 38- 48; Rm 12: 17- 21). Jesus ensinou Pedro tudo sobre o inferno (Mt 5: 22- 29; Mt 10: 16- 28; Mt 18: 1- 9; Lc 16: 19- 28). Pois era este que ele iria enfrentar (Mt 16: 13- 18; Is 13: 1- 4; Sl 110: 1- 3; Jl 3: 9- 13ª; Jo 4: 35; Mc 16: 15). Jesus permitiu que Pedro passasse por provas terríveis com Satanás (Mt 16: 20- 23; Lc 22: 31- 34 e 54- 62; II Tm 2: 15) para que ele adquirisse experiência e com suas experiência nós viéssemos aprender (Ef 4: 27; I Pd 5: 8; I Ts 2: 17- 18).

Pedro aprendeu com Jesus tudo sobre o poder da sua Palavra (Mt 8: 1- 13; Lc 8: 22- 25; Mt 24: 35), e o poder do seu nome (Lc 10: 1- 17; Mc 16: 17; Atos 3: 1- 7; Atos 9: 32- 34). Com Jesus Pedro aprendeu o quão é importante estar na presença de Deus (Jo 15: 1- 5; Gn 17: 1; Gl 3: 7), Pedro aprendeu: aqueles que estão na presença de Deus, Satanás não podem tocar (I Jo 5: 18; Jo 1: 1- 13; Mt 21: 33- 43; Mt 12: 21; Gl 3: 7- 14; Atos 11: 1- 18; Atos 2: 37- 39; Ef 1: 13). Para tocar tem que ter a permissão de Deus (Lc 22: 31- 32; Jó 1: 6- 12; Zc 3: 5; I Jo 4: 4; I Jo 5: 19). Diante deste conhecimento Pedro ganhou ousadia e enfrentou o inferno e prevaleceu (Jo 21: 17- 19; I Co 15: 55- 58; (Fp 1: 12- 23; II Tm 4: 6- 8). O que devo fazer para viver na presença de Deus? Aprenda com Pedro, pois ele aprendeu com Jesus (I Pd 2: 2- 10; II Pd 3: 15- 18). A oração mantém o crente na presença de Deus (Lc 18: 1- 8), e Pedro sabia disso (Mc 14: 32- 36; Atos 9- 36- 40; Mt 6: 6; Lm 3: 29- 31). Pedro sabia que estava enfrentando inimigos invisíveis e terríveis (Ef 6: 10- 12). Inimigos que só seriam vencidos através da oração e do jejum (Mt. 17: 14 – 21). O que nos faz entender que Pedro tinha uma vida de oração e de jejum (Mt 9: 14- 17). Portanto ele poderia estar jejuando até ao meio dia. Quando subiu no terraço para ora entregar o jejum, e depois almoçar (Ec 5: 4- 5; Mt 6: 16- 18; Lc 14: 28- 32; Atos 16: 31).

ATOS 10: 10 – Tendo fome, quis comer e, enquanto preparavam a comida, sobreveio-lhe um arrebatamento de sentidos.

Pedro tinha muito que agradecer e nada a pedir (Atos 3: 1- 9; Atos 5: 1- 16; Atos 8: 14- 17; Atos 9: 32- 42), Jesus tinha sido muito bom para com ele (Lc 22: 31- 32; Lc 10: 17- 20; Mt 17: 1- 9). Pedro era um simples pescador (Mt 4: 18- 19; Ez 47: 1- 10), de poucas letras (Atos 4: 13; Ec 12: 11- 12), sangüíneo e iracundo (Jo 18: 1- 10; Ef 4: 26- 27; Mt 26: 51- 52). Mas Jesus o escolheu para apascentar as suas ovelhas (Jo 21: 15- 17; Jr 3: 15; Jr 23: 1- 4), e o transformou em um grande homem de Deus (Atos 1: 8; Atos 5: 1- 16; II Co 3: 5). A visão da igreja com respeito à vida de oração e adoração esta errada, estão induzindo o crente à só pedir (II Co 11: 13- 15; II Pd 2: 1- 2; I Jo 4: 1 e 6), quando na verdade a resposta de Deus para a nossa vida, esta no ato de nos colocar- mos na sua presença para agradecer (Ef 5: 18- 20; Cl 3: 1- 16). Somos salvos pela graça (Ef 2: 8; Rm 5: 20; II Jo 1: 17; Rm 3: 21- 24; Rm 1: 1- 5; Co 12: 1- 9; Rm 6: 14), e retribuímos a ele com ações de graça (Fp 4: 6; Rm 1: 18- 21; Ef 5: 1- 4; Rm 12: 16).

E, o que Deus me deu; para que eu seja grato a ele? Jesus (Jo 3: 16; I Co 1: 18); o Espírito Santo (Jo 14: 15- 16; Ef 1: 13); a sua palavra (Js 1: 8; Sl 36: 9; Sl 119: 11 e 105); a fé (Rm 10: 17; II Co 5: 7; Hb 11: 6); o amor (Rm 5: 5); a misericórdia (Lm 3: 22- 23); o perdão nosso de todos os dias (I Jo 2: 1- 2; Rm 3: 10; Ef 4: 26- 29); a cura (Is 53: 1- 5; Mc 16: 17-18; Ex 15: 26; Nm 21: 4- 9; Jo 3: 14- 16); a libertação (Jo 8: 31- 36) e a salvação (Rm 3: 21- 26; Rm 5: 1- 9; Ef 1: 3- 7; Ef 2: 1- 13). Quando dedicamos as nossas orações a agradecer (Lc 10: 21; Mt 15: 36; Mt 26: 27), passamos muito tempo na presença de Deus adorando (Sl 65: 1-4; Sl 33: 1- 5; Rm 12: 1- 2). O agradecimento é a expressão da verdadeira adoração (Jo 4: 23- 24; Rm 8: 1; Cl 3: 1- 3), e com ele ganhamos poder e botamos Satanás para correr (Lc 4: 1- 8; Tg 4: 7). Mas a bíblia não manda pedir? Sim, ela manda pedir (Mt 7: 7- 8). Bíblia manda você pedir, o que não existe neste mundo (I Co 2: 9; Jr 33: 3; Jr 29: 11- 13), pois as coisas deste mundo ele sabe as quais necessitamos, e com certeza não vai deixar faltar nada (Mt 6: 25- 33; Sl 36: 25). Então o que devo pedir? A manifestação do Espírito Santo na sua vida (Lc 11: 9- 13), a fé (Ef 2: 8; Mc 9: 14- 24), milagres (Lc 1: 37; Jr 32: 27; Is 45: 5- 7), revelações (Jó 33: 14- 15; Jl 2: 28- 29) etc. (Cl 3: 1- 2). Quando se começa a adorar, não se tem mais tempo, não se tem mais hora; muda- se de dimensão, sai do mundo físico e entra no mundo espiritual (Atos 16: 25- 26). Pedro quando começou a adorar, entrou na presença de Deus (Hb 10: 19- 20). Pedro desceu a escada, cheio do Espírito Santo; alma, corpo e espírito todo tomado pelo Espírito Santo (I Ts 5: 23; Lc 1: 46- 47; Hb 4: 12).

Enquanto Pedro esperava o almoço sobreveio-lhe um arrebatamento de sentidos (Ap 1: 9- 11; Is 6: 1- 7; II Co 12:
1- 4).

Pedro não foi transportado para outro lugar no corpo físico, mas sim em espírito. Encontramos na Bíblia o
arrebatamento do corpo físico (Atos 8: 39- 40) e o arrebatamento espiritual (II Co 12: 1- 2; Atos 22: 17- 18; Ap 1: 9- 10), mas não encontramos na Bíblia arrebatamento só da alma (Jo 3: 4- 12; I Co 15: 33; I Co 13: 11; I Co 14: 20). O arrebatamento de Felipe aconteceu no corpo físico (Atos 8: 40; I Ts 4: 17; Ap 19: 1- 9). Filipe foi transportado de um lugar para outro no corpo físico semelhante ao arrebatamento de Jesus (Lc 4: 1- 2 e 13- 14). No arrebatamento espiritual o homem não é transportado de um lugar para o outro no corpo físico, mas sim tem o seu espírito (Hb 4: 12; Lc 1: 46- 47; I Ts 5:23; Is 26: 9; I Jó 12: 7- 10) arrebatado pelo Espírito Santo (Atos 10: 13 e 19- 20), do mundo do homem para o mundo de Deus (II Co 12: 3- 4; Jo 4: 24; Rm 8: 1) do mundo físico para o espiritual (Nm 24: 3- 4; Ap 1: 9- 18; Sl 110: 1; Atos 7: 55- 56). Mas, Pedro teve um arrebatamento de sentido, e arrebatamento de sentido é o mesmo que arrebatamento da alma? A alma esta vinculada ao espírito, ou a carne. Ou a alma obedece ao comando de Deus, ou obedece ao comando do próprio Homem (Gl 5: 16- 25; Jr 17: 5- 6 e 7; Hb 4: 12). Quando o espírito, ou o corpo é arrebatado à alma também é, pois não tem como entender as revelações de Deus sem o uso da mente (Cl 3: 1- 3; I Co 2: 15- 16; Jó 33: 4).

ATOS 10: 11 – Ele viu o céu aberto e um vaso que descia, como um grande lençol atado pelas quatros pontas, e
vindo a terra.

E Pedro viu o céu aberto. Com que olhos? Com olhos espirituais (Ef 1: 18; I Co 2: 15- 16). A visão que Pedro teve
confirma isto (Nm 24: 4; Atos 10: 15 e 28; Ap 3: 18). Ela enfatiza a origem, caráter e destino celestiais dessa nova ordem de coisas que Deus estava trazendo entre os gentios (Mt 12: 15- 21; Gl 3: 7- 14), a qual era revelada em mistério (I Co 2: 6- 7;; I Co 4: 1; Ef 1: 3- 10; Ef 3: 1- 19). Proveniente do céu “um vaso, com se fosse um grande lençol… era baixado á terra pelas quatro pontas. A interpretação do texto é sobrenatural. Não era um lençol em forma de vaso, mas era um vaso em forma de lençol, vindo a terra. Havia uma mensagem dentro do vaso (Hb 4: 13; II Co 4: 3- 7; II Tm 2: 20). A mensagem do vaso, Pedro não interpretou (Atos 10: 12- 14). Cornélio viu em uma visão, um anjo que lhe trouxe uma revelação (Atos 10: 4) e, o fez entender a necessidade da presença de Pedro.

Ou seja, Cornélio recebeu uma mensagem revelada (Atos 10: 1- 6). A mensagem da visão de Pedro foi codificada
(Dt 29: 29), e ele não interpretou naquele momento, precisou da ajuda do Espírito Santo para compreender a
mensagem (Atos 10: 15 e 28; Jo 14: 26). Para Pedro entender a mensagem Pedro tinha que olhar para dentro do
vaso, e o vaso era ele próprio (Jo 21: 15- 17; II Tm 2: 20; Rm 9: 22- 23; II Co 4: 3- 7). Dentro de Pedro estava o preconceito com os gentios (Atos 10: 28), e à perfeição pela religião (Gl 2: 11- 15), mas também era dentro dele que estava a missão (Atos 15: 1-7). Jesus já tinha lhe revelado, mas ele não entendeu (Jo 13: 3- 7). O Exercito é um corpo, a igreja é um corpo (I Co 12: 12- 14; Ef 4: 1- 6; Ef 5: 25- 32; Rm 12: 1- 5), logo a igreja é um exercito (II Tm 2: 3- 4; Ez 37: 9- 10; Atos 2: 1- 4; Atos 1: 15; Atos 2: 27- 31; Atos 4: 4; Atos 6: 1- 7). Os apóstolos e discípulos foram chamados por Jesus, para com a ajuda do Espírito Santo (Jo 14: 15- 26; Atos 13: 1- 4; Atos 15: 1- 28) formarem um grande exército (Mt 16: 13- 19; Ez 37: 1- 10; Is 13: 1- 4; Sl 110: 1- 3; Jl 3: 9- 13ª; Jo 4: 35), do qual faz parte, eu, você e todos que aceitam Jesus (Atos 5: 32; Ef 1: 13; II Co 3: 6- 8).

ATOS 10: 12 – No lençol havia de todos os animais quadrúpedes e répteis da terra, e aves do céu.

No lençol estava reunida toda sorte de animais impuros (Dt 14: 1- 8; Lv 11: 1- 8; Cl 2: 4- 17; Rm 14: 13- 18). Essas criaturas eram figuras dos gentios sendo reunidos na Igreja pelo evangelho (Atos 11: 5- 18; Ef 2: 11- 22; Gl 3: 7- 14), e aqui indica as várias direções às quais o evangelho foi enviado (Atos 1: 8; Mt 24: 14; Mc 16: 15). A obra de Cristo tem como objetivo alcançar os quatro cantos da terra (Jo 3: 16; Dn 2: 1- 35; Sl 68: 32- 33). Pedro tinha sido escolhido pelo Senhor Jesus para uma obra que ia alem da religião judaica, e do preconceito com os gentios (Atos 15: 7; Jo 21: 15- 17; Jr 3: 15). Pedro andou com Jesus (Mt 17: 1; Mc 14: 32- 33; Lc 22: 31- 34; Jo 6: 60- 68) recebeu o Espírito Santo (Atos 2: 1- 4; Atos 4: 8), estava debaixo de uma promessa (Mt 16: 13- 18; Atos 15: 7; Atos 26: 12- 18), mas estava tendo dificuldade para entender, e praticar este novo modelo de vida (Gl 2: 11- 15; Rm 13: 8; Lc 9: 51- 56; Lc 10: 25- 37; I Co 13: 1- 11; Jo 3: 17; I Co 14: 20). O evangelho é para todos (Jo 3: 16). A salvação vem dos judeus (Jo 4: 19- 22; Lc 1: 67- 69; Mt 1: 3- 16), mas a graça de Deus (Rm 5: 20), é para toda a humanidade ((Gn 12: 1- 3; Atos 3: 25; Rm 5: 1- 21; Ef 2: 1- 18). A igreja no inicio estava muito presa nas tradições judaica (Atos 11: 19).

Os apóstolos e discipulos antes de Cristo se manifestar eram membros da religião judaica. No inicio da igreja as
tradições judaicas ainda permanecia entranhadas na alma dos discipulos (Gl 2: 1- 10; Atos 15: 1- 29). Nos
primeiros anos, os apóstolos e seus seguidores- em números cada vez maior (Atos 1: 15; Atos 2: 37- 41; Atos 4: 4;
Atos 6: 1- 7)- eram apenas uma entre as tantas seitas hebraicas que floresceram ao longo do século I d. C (Atos 9: 1- 2). No inicio eles ficaram conhecidos como os do Caminho (Atos 24: 1- 14; Atos 19: 1- 9). Pedro, os apóstolos, e os discipulos ainda precisavam se libertar das tradições religiosas (Atos 10: 28). Uma entre, as grandes obras do apóstolo Paulo foi, justamente ensinar a igreja o poder de libertação que o evangelho de Cristo tem (Rm 1: 16- 17; Gl 3: 1- 3; Gl 2: 8- 14; Jo 8: 36; Rm 10: 4). O Evangelho de Cristo esta acima das religiões e suas tradições (Atos 11: 19- 26; I Co 2: 2; II Pd 3: 15- 18; II Co 3: 2). Disse Jesus: Se alguém quiser vir após mim, renuncie-se a si mesmo, tome sua cruz e siga- me, Mateus 16: 24 (Jo 7: 16- 17; Mt 7: 24- 27; Mt 24: 35).

ATOS 10: 13 – Foi lhe dirigida uma voz: Levanta-te, Pedro, mata e come.

Foi ordenado a Pedro que matasse e comesse (uma figura de comunhão) aqueles animais reunidos, pois Deus os
havia purificado. É interessante também que aquelas criaturas purificadas estavam todas colocadas em um único
recipiente (figura da Igreja), “e, logo, aquele objeto foi recolhido ao céu”. Isto indica que todo esse movimento
teria início no céu (nos propósitos e conselhos de Deus) e acabaria no céu (I Ts 4: 13- 17; Ap 19: 1- 9). Tudo isto, graças à obra de Cristo (Is 53: 1- 12; I Co 1: 18; Cl 2: 4- 15), à graça (Ef 2: 1-8; Jo 1: 17; Rm 1: 1- 6; Rm 5: 12- 15) e o poder de Deus (I Co 2: 1- 5; I Co 2: 24; Rm 8: 36- 39). Isto sublinha o fato de que tudo o que tem a ver com a Igreja é celestial em sua origem e destino (Cl 1: 15- 19; Ef 4: 7- 16; Ef 5: 22- 32; I Co 12: 12- 13). A igreja foi formada e estabelecida no conselho secreto de Deus, em uma reunião entre o Pai, o Filho, e o Espírito Santo (Jr 23: 18; Jó 15: 8; Cl 1: 15- 20; Rm 11: 33- 36; Is 40: 11- 41). A igreja não é deste mundo (Jo 15: 19- 26; Ap 22: 17) e os seus membros também não (Jo 15: 16- 19; Tg 4: 4- 5; I Jo 2: 15- 17). A igreja é noiva (Jo 3: 26- 29; Ap 22: 17; II Co 11: 2; Ap 19: 1- 9; I Ts 4: 13- 17), o corpo (Rm 12: 1- 5; I Co 12: 13- 27); a igreja e Cristo são um (I Co 12: 12- 13; Ef 4: 1- 16).

A igreja de Cristo não é religião (Jo 4: 1- 24; Jo 3: 1- 12; I Co 2: 9- 16), o cristianismo não é uma religião (Jo 3: 16; Jo 6: 48; Jo 8: 12; Jo 10: 9; Jo 14: 6). A cultura judaica e o preconceito estão vivos em nossas igrejas, e entranhados na alma dos crentes através das doutrinas (Jo 7: 24; Tg 2: 1- 4; Dt 10: 17- 18), e das interpretações erradas das escrituras (Os 4: 6ª; Is 29: 13; I Jo 3: 16- 18). Muitas igrejas e muitos crentes precisam ter a mesma revelação que Pedro teve em Jope: Não faças comum ao que Deus purificou… A igreja de Cristo quebra as tradições (Gl 3: 26- 29; I Co 12: 13; Atos 10: 19- 28). Tradição tem haver com o mundo (Cl 2: 16- 23; Mt 23: 1- 28; Mt 15: 1- 9). Primeiro passo para você ter uma experiência pessoal com o Senhor Jesus, é quebrar as tradições (Is 53: 2; I Sm 16: 1- 7; Lc 14: 15- 23; Mc 16: 15- 16). Tradições são barreiras que atrapalha e precisa ser quebrada (Mt 10: 32- 33; Atos 7: 51- 56; II Tm 4: 2- 5; Atos 18: 9- 10). Não é por acaso que muitas igrejas tradicionais vêm sendo transformadas pelo mover do Espírito Santo (Is 48: 6; Is 43: 19; Is 43: 13; Jó 42: 2). À medida que se aproxima o arrebatamento da igreja, à luz e o conhecimento de Deus através da sua palavra vai aumentar (Is 60: 1- 2).

Religiões vão perder o valor (Fp 3: 2- 8); tradições antigas serão quebradas (Sl 36: 9; Jo 8: 12; II Co 4: 3- 6).

ATOS 10: 14 – Mas Pedro disse; de modo nenhum, Senhor! Nunca comi coisa alguma comum e imunda.

Quando alguém se converte nós queremos ver imediatamente as mudanças, mas sabemos que não é assim (Is 48:
10; II Co 3: 18; Sl 84: 7). Tem coisas, que fica entranhado na alma por anos. Coisas como: Religião e tradição (I Co 10: 14- 21; Is 44: 8- 22; II Co 6: 16). Pedro por muitos anos permitiu que as observâncias da lei permanecessem tendo o controle do seu coração (Lv 11: 1- 8; Dt 14: 1- 8). A obra de Deus naquele momento era fazer manifestar o que estava no coração de Pedro (Gl 2: 11- 13; Tg 2: 10; Dt 8: 2 Rm 10: 4; Mt 11: 28- 30). Muitos preferem perder a alma, a abandonar a religião e quebrar as tradições (Pv 14: 12; Jr 2: 12- 13; Is 28: 15; Jr 17: 9).

O pensamento preconceituoso é reprovado por Deus (Jó 34: 18- 19; Jr 9: 23- 24) “Não vou misturar, não vou me sujar, me contaminar, sou santo, sou separado, ungido, sou um homem de Deus”. É assim que pensam os soberbos (Tg 4: 6; I Pd 5: 5; Ez 28: 13- 17; Is 14: 11- 15; Ap 12: 1- 9; Lc 10: 17- 18). O povo de Deus é santo, separado e ungido pra se misturar (I Co 5: 7- 13). Como ser luz se não estiver em lugar onde habita as trevas? Como ser diferente se estiver somente no meio dos santos? (Mt. 5: 13 – 16; Mt 10: 16; Pd. I Pd. 2: 9). Têm muitos que não estão entendendo nada. Pedro recebeu o Espírito Santo (Atos 2: 1- 4), o poder (Atos 1: 8) e o conhecimento da palavra (Atos 4: 8- 13; Atos 6: 1- 4), mas ainda não tinha entendido a obra do Espírito Santo (Jo 14: 1- 26; Is 48: 17; Is 54: 13).

O Espírito Santo ao mesmo tempo em que ele usa o vaso (II Tm 2: 20- 21; II Co 4: 5- 7; Atos 16: 1- 33), ele ensina (Jo 14: 26; Is 48: 17) e também concerta o vaso (Tt 3: 1- 5; Mt 12: 43- 45; II Pd 2: 20- 22). Pedro era o vaso que estava sendo usado, e também o vaso que estava sendo concertado (Jr 18: 1- 6; Jo 21: 18). Pedro andou com Jesus, aprendeu com ele, e não esqueceu as suas palavras (Mt 10: 1- 6), mas nada sabia sobre a obra sacrifical de Cristo se estender aos gentios (Mt 12: 9- 21; Gl 3: 7- 16; Jo 21: 15- 18; Atos 15: 7). A igreja como todo novato também teve que aprender (I Co 13: 11; I Co 14: 20; Ef 4: 1- 14; Atos 20: 28- 29; II Pd 2: 1- 2; I Jo 4: 1); o crescimento vem aos poucos (Jo 13: 6- 7; II Pd 3: 15- 18). O Espírito Santo é quem tem a incumbência de dar o crescimento (Ap 22: 17; Is 55: 1- 2; II Co 3: 6- 8). Tudo era novo; o Espírito Santo era uma experiência nova para os discipulos (Atos 2: 1- 4). Todos os judeus sempre souberam que o Espírito Santo possuía o profeta, o sacerdote e o rei, os inspirava e depois saia (Sl 139: 7; Sl 51: 10- 11; I Sm 10: 1: 1- 7; II Pd 1: 16- 21; Ef 2: 11- 20).

Habitar no homem para sempre, isto era novidade (Jo 10: 33; Lc 4: 18- 21; I Jo 4: 4). O Espírito Santo veio habitar para sempre no homem (Jo 14: 15- 16). Sem o Espírito Santo a mensagem da cruz (I Co 1: 18) não teria ultrapassado as fronteira de Israel (Atos 9: 31) e teria se perdido com o tempo (Atos 5: 32- 40). A obra é do Espírito Santo (Atos 13: 1- 4; Atos 15: 1- 28; Atos 16: 1- 7), o homem é apenas o vaso (Atos 5: 32; Ap 22: 17). O Espírito Santo usa vaso na pregação do evangelho (Lc 4: 14- 19; Atos 1: 8; Atos 16: 1- 18; Rm 15: 18- 19; I Co 2: 2), e também trabalha o vaso para que este fique de acordo com a vontade do oleiro (Is 64: 8; Jr 18: 1- 6; Rm 9: 20- 21; Jo 14: 26; Is 48: 17; Is 54: 13- 14). Pedro estava vivendo uma nova experiência com o Espírito Santo. Até então Pedro tinha experimentado o poder (Atos 3: 1- 9; Atos 5: 1- 16; Atos 8: 14- 17; Atos 9: 32- 42; II Co 3: – 5) e presença do Espírito Santo (Atos 4: 8- 13; Mc 13: 9- 11; Atos 1: 13), mas a experiência de receber uma repreensão do Espírito Santo no coração (Hb 4: 6- 12; Hb 12: 6), isto ele ainda não tinha vivido (Jr 23: 23- 24; Mt 10: 26; Atos 10: 15- 20; II Co 3: 3; Atos 10: 28- 29).

ATOS 10: 15 – egunda vez lhe disse a voz: Não faças comum ao que Deus purificou.

Deus é quem purifica (Atos 11: 9; I Jo 1: 7; I Ts 5: 15- 23). É ele quem separa e escolhe (Jo 15: 16; I Jo 4: 19; Dt 32: 9- 10). Aquilo que aos nossos olhos são imundos (Jo 7: 24; Is 53: 1- 3; Jo 8: 47- 48), talvez não seja aos olhos de Deus (I Sm 16: 7; Is 53: 4- 12; Atos 8: 14- 17). Pedro precisava ser confrontado (Dt 10: 16; Rm 2: 17- 29; Tg 2: 1- 4).

O texto destaca a segunda vez? Por quê? Pedro não estava dando credito a visão (Atos 10: 19- 20; Mt 14: 22- 31;
Tg 1: 2- 8) estava sendo necessário repetir (Lc 10: 23- 24). A visão oferecia a Pedro aquilo que a lei não permitia que ele comesse (Atos 10: 9- 13), e a resposta dele era sempre a mesma (Atos 10: 14). Pedro ainda não tinha entendido; ele não fazia mais parte da religião judaica (Jo 8: 31- 32; Mt 11: 25- 30; Jo 15: 16), portanto ele não mais precisaria depender da lei (Tg 2: 10; Jo 8: 36; Rm 10: 4; Rm 13: 8; I Jo 3: 16- 18; Lc 10: 25- 37). A graça de Deus em Cristo Jesus, o liberava para comer qualquer tipo de alimento (Rm 14: 13- 17; Cl 2: 4- 16; Hb 13: 8- 9).

Parece que Pedro tinha se esquecido das palavras do Senhor Jesus: “O que contamina o homem não que entra na
boca, mas o quer sai da boca, isso é o que contamina o homem (Mt 15: 11)”. A visão não falava de alimento para o
ventre (Mt 15: 1- 17; Mt 6: 25- 33), mas sim de vitamina para a alma (Mt 6: 22- 33; Cl 3: 1- 3) e alimento para
Espírito (Mt 6: 19- 21; Lc 12: 16- 21; Rm 16: 17- 18; II Tm 3: 1- 5). Como assim não estou entendendo? Ganhar
alma para Jesus fortalece a nossa alma (Lc 15: 1- 7; Ne 8: 10; Jz 6: 11- 12; Pv 11: 30; Tg 5: 19- 20) edifica a nossa vida (Is 58: 11- 12; Jr 31: 12; Hb 10: 38) e alimenta o nosso espírito (Rm 8: 1; Jo 4: 23- 24; Jo 3: 1- 8). Deus vai levantar um povo forte e saudável (Ez 37: 1- 10). Crentes com a alma fortalecida pela palavra de Deus (Amós 8: 11; Cl 3: 1- 2; Sl 1: 1- 2), com a vida edificada em Cristo Jesus (I Co 2: 10- 11; II Co 4: 3- 7; Ef 1: 18- 23) e com o espírito alimentado com peixe (Hc 1: 14ª; Ez 47: 1- 10; Mt 4: 19). O texto fala dos gentios: pessoas que para a religião judaica eram impuros e imundos (Atos 10: 26- 28). Assim como Jonas não quis pregar em Nínive (Jn 1: 1- 3), Pedro também não iria pregar aos gentios (Atos 10: 19- 20; Mt 10: 5; Mt 12: 9- 21). Não faças comum ao que Deus purificou. Por que escolhemos aqueles a quem devemos pregar o evangelho? (Lc 14: 15- 23; Lc 16: 19- 25; Lc 10: 25- 37).

ATOS 10: 16 – Isso aconteceu três vezes. Então o vaso tornou a recolher-se no céu.

O numero três é aplicado em momentos importante da Palavra De Deus (Mt 28: 18- 19; Ap 16: 13- 14; I Jo 5: 7- 8; I
Co 13: 1- 13; Rm 13: 8*). Se Deus deu para todas as coisas o seu significado, e definiu os seus limites de acordo
com o tempo, espaço, poder, e numero (Atos 17: 15- 26). Os números bíblicos são simbólicos e são merecedores
de nosso estudo (Dt 29: 29). Jesus no Getsemani repete a oração por três vezes (Mc 14: 32- 41), Paulo orou por
três vezes para que Deus o livrasse de um espírito de enfermidade (II Co 12: 1- 9; Gl 4: 11- 14; Atos 19: 11: 12); por três vezes foi fustigado com varas, e sofreu por três vezes naufrágio (II Co 11: 25; Atos 16: 9- 22). O galo cantou três vezes (Lc 22: 31- 34). Pedro negou três vezes (Lc 22: 54- 62); teve que confessar o seu amor a Jesus por três vezes (Jo 21: 15- 17), e agora por três vezes ele ouve de Deus: “Não faças comum ao que Deus purificou”. A mente de Pedro estava direcionada para pregar, e orar somente para os judeus (I Tm 2: 1- 5; Jo 14: 6; Mt 28: 18; Fp 2: 9-11). Não cabia a Pedro decidir quem deveria, e quem não deveria ouvir as boas novas do Reino (Atos 10: 25- 29; Is 52: 7; Lc 2: 8- 11). O problema não estava só em Pedro (Gl 2: 1-14; Atos 15: 1- 29; Os 4: 6ª), a igreja toda permaneceu no mesmo ministério terreno de Jesus (Lc 4: 14- 21; Is 61: 1- 2). E qual era o ministério? Pregar só para as ovelhas perdidas da casa de Israel (Atos 3: 25- 26; Mt 10: 1- 6; Mc 6: 30- 34; Mt 18: 12- 14). Jesus veio primeiro as ovelhas perdidas da casa de Israel (Mt 15: 21- 24). Até a crucificação a missão de Jesus era abençoar primeiro os judeus e só depois os gentios (Is 49: 5- 6; Mt 15- 21- 24; Mt 10: 1- 6) conforme promessa de Deus a Abraão (Gn 12: 1- 3; Atos 3: 25- 26). Com a rejeição dos Judeus (Mt 23: 37; Lc 23: 1- 25) a obra da salvação beneficiou totalmente os gentios (Rm 11: 1- 20; Mt 21: 33- 43; Hb 13: 8- 20).

Após a ressurreição de Jesus (Atos 1: 1- 3), e chegada do Espírito Santo (Atos 1: 4- 5; Atos 2: 1- 4; Jo 14: 15- 26) a mensagem tinha que ultrapassar as fronteiras do judaísmo (Jo 3: 14- 16; Jo 12: 31- 32; Jo 10: 165; Atos 1: 8; Mt 24: 14). Mas a igreja ainda não tinha entendido desta maneira, e permanecia como uma seita do judaísmo (Atos 9: 1- 2; Atos 24: 1- 14; Atos 28: 22). Para eles, a pregação do evangelho (Mc 16: 15; Rm 1: 16- 17); o Espírito Santo (Atos 8: 14- 17) e a salvação eram sós para os judeus (Atos 11: 19). Na visão deles Deus fazia acepção de pessoas (Dt 10: 17; Jr 9: 23- 24). Deus amou Israel (Jr 31: 3; Ex 4: 18- 22; Os 11: 1), mas Israel foi só a porta de entrada do Salvador de toda humanidade (Mt 2: 13- 15; Mt 1: 1- 16; Gn 3: 1- 15; Rm 5: 12- 21; Jo 3: 14- 16). A nação de Israel (Gn 46: 1- 3; Ex 12: 37- 38) foi escolhida por Deus (Jr 31: 3- 12; Rm 11: 1- 26; Ap 14: 1; Js 13: 1- 33), para que através dela Deus abençoasse todas as outras nações (Dt 32: 9- 10; Gn 32: 22- 28; Gn 28: 10- 14; Gn 22: 1- 8; Jo 1: 36- 51).

Israel não teve mérito (Gn 25: 24- 34) foi escolhido pela graça (Dt 7: 6- 8; Dt 32: 8- 11; Ef 2: 1- 8). Por três vezes o Espírito Santo procurou fazer Pedro entender a mensagem, mas ele só entendeu mais tarde (Jo 13: 7; Atos 10: 17- 28; Atos 15: 7). Depois de três vezes o vaso tornou a recolher-se no céu (Os. 6:1-2; Ex. 19: 10-11). O sonho de Deus em salvar os gentios nasceu no céu (Cl 1: 15- 19; I Pd 1: 18- 23; Jo 1: 1- 2; Hb 1: 1- 3; Sl 110: 1- 2; Atos 7: 55- 56), e se concretizou na terra (Atos 10: 34- 47; Gl 3: 7- 14; Ef 1: 13; I Co 12: 12- 14; Ef 4: 1- 16; I Co 12: 27- 31). O amor de Cristo pela igreja foi demonstrado na terra (Ef 5: 1- 2; Jo 17: 1- 24; Rm 8: 35; II Co 5: 14- 15; Ef 3: 16- 19), e se concretizará no terceiro dia (Os 6: 1- 2; II Pd 3: 8- 10; Sl 90: 1- 4) com o casamento no céu (II Co 11: 2; Ap 19: 1- 9; I Ts 4: 13- 17; Jo 3: 27- 29; Ap 22: 12; Ap 3: 11).

ATOS 10: 17 – Estando Pedro meditando acerca do que seria aquela visão que tivera, os homens enviados por Cornélio pararam à porta, perguntando pela casa de Simão.

Pedro estava usando a mente tentando descobrir o que significaria aquela visão (Cl 3: 1- 2; Sl 1: 1- 2; II Co 10: 3- 5). Para Pedro a visão poderia ser qualquer coisa, menos revelar que ele estava redondamente enganado com respeito aos planos de Deus (Jó 33: 14- 16). Quem os judeus consideravam comuns e imundos? Os samaritanos (Jo
8: 48; Jo 4: 1- 9) e os gentios (Atos 10: 28). Certamente Pedro não entendeu que Deus estava falando de pessoas (I Co 9: 9- 10). Para ele, Deus estava mostrando algo com respeito a não violar a lei (Mt 5: 17- 19; Jo 13: 7; Atos 15: 7). Pedro ainda tinha dentro do seu coração a religião (Atos 10: 9- 14; Lv 11: 1- 8; Dt 14: 1- 8). Pedro não estava preocupado com almas, mas sim com a religião (Gl 2: 11- 14). Obedecer à lei era o que mais exigia os judeus (Atos 15: 1- 5; Atos 16: 1- 3; Gl 2: 1- 9). Pedro era complacente com isso (Gl 2: 10- 15). A lei e a graça não caminham junto (Jo 1: 17; Hb 7: 11- 28; Hb 8: 13). Pedro foi chamado pela graça (Mt 4: 18- 19; Jo 1: 35- 42), e para pregar a graça (Mt 16: 13- 18; Mc 16: 15; Mt 10: 7- 8).

A igreja está tão comprometida com a pregação do evangelho (Atos 1: 8; Mc 16: 15; II Co 10: 3- 5), que não tem como separar ela de Cristo (Atos 11: 19- 26; Atos 4: 8- 20; I Co 2; 2). A igreja de Cristo (Ap 22: 17; Jo 7: 37- 38; Is 13: 4) e religião não caminham juntos (Mt 23: 1- 7; Mt 15: 1- 9; Is 29: 13;Tg 4: 4- 5). O evangelho não é uma religião, se o evangelho fosse uma religião ele não ultrapassaria a fronteira que separa a alma do espírito (Hb 4: 12; Lc 1: 46- 47;Is 26: 29; Jó 12: 7; I Ts 5: 23). A religião esta no nível da carne (Jo 3: 1- 12; Cl 2: 4- 23; Rm 8: 1; Jo 4: 23- 24), é limitada e se estende a um determinado grupo de pessoas (Mt 23: 1- 7; Tg 2: 1- 4). A igreja de Cristo é para todos, independentes de cor, raça, ou religião (Is 53: 1- 12; Jo 3: 16; Atos 17: 22- 31; I Co 1: 18- 24; Ef 2: 1- 8; Rm 5: 12- 20). Os judeus tinham o direito da mensagem (Atos 3: 25- 26; Rm 1: 16), por isso Jesus mandou começar por Jerusalém e toda Judéia (Mq 4: 1- 2; Atos 8: 1; Atos 6: 1- 4). Quando Jesus anunciou a eles a obra do Espírito Santo (Jo 14: 15- 23), ele não excluiu os samaritanos (Jo 4: 1- 30; Lc 9: 51- 56; Jo 3: 16- 17) e nem os gentios (Jo 10: 16; Atos 1: 1- 8; Mt 24: 14; Dn 2: 1- 35). Enquanto Pedro quebrava a cabeça… Os homens enviados por Cornélio pararam à porta, perguntando pela casa de Simão. Pedro nem imaginava, que aqueles o qual a lei sempre o ensinou ser comum e imundo em poucos minutos o estariam o chamando para pregar as boas novas do Reino (Atos 10: 28). Até o momento Pedro só tinha pregado o evangelho com poder e milagres só para os israelitas (Atos 9: 31; Atos 8: 14- 17; Atos 9: 32- 42), Cornélio não era israelita, era romano (Atos 10: 1; Gl 3: 7- 14; Mt 12: 21).

ATOS 10: 18 – Chamando, perguntaram se Simão, que tinha por sobrenome Pedro, morava ali.

Pedro não morava ali, ele estava hospedado na casa de outro Simão, o Simão curtidor e não Simão o pescador
(Pedro) (Atos 9: 39- 43; Jn 1: 1- 3). Provavelmente a pessoa que atendeu a porta, deva ter imaginado: “estão
buscando Pedro para ressuscitar mais alguém”. Era natural que pensassem assim, poucos dias antes Pedro tinha
feito um grande milagre na cidade (Atos 9: 36- 43; Mt 10: 6- 8; Mt 11: 5; Jo 5: 20- 21). Jesus andou por toda terra de Israel fazendo grandes milagres, ressuscitou mortos, deu vistas aos cegos, fez paralíticos andar, curou muitos enfermos e libertou muitos oprimidos do diabo (Atos 2: 22; Lc 4: 14- 19; Is 61: 1- 2). Pedro era um servo do Senhor Jesus (Jo 15: 16; Jo 13: 1- 16; Jo 12: 24- 26; Jo 21: 15- 19); não era perfeito (Mt 5: 37- 48; Jo 18: 1- 11; Mt 16: 21- 23; Lc 22: 31- 32), não tinha se libertado da religião e suas tradições (Gl 2: 11- 15), mas era o vaso pelo qual Jesus continuava ressuscitando mortos, dando vistas aos cegos, fazendo paralíticos andar, curando os enfermos e libertando os oprimidos do diabo (Atos 5: 12- 15; Is 35: 1- 8; I Pd 1: 16; I Ts 4: 4; I Co 6: 20).

Se você estiver esperando ser perfeito para se colocar à disposição do Senhor Jesus, você pode esperar a vida
inteira (II Co 6: 2; Ef 5: 14; Rm 13: 12; Jo 8: 12). Deus não esta atrás dos perfeitos, mas sim daqueles que querem ser aperfeiçoados (Mt 9: 12- 13; Sl 101: 6; Jo 23: 24; Jo 3: 1- 8; Rm 8: 1). Aquelas pessoas foram atrás de Pedro por indicação do Anjo (Atos 10: 1- 5). Pedro era o escolhido por Jesus para fazer a mensagem de a cruz (Atos 4: 17- 20; Is 53: 1- 12; I Co 1: 18; Cl 2: 4- 15) chegar até os gentios (Atos 15: 7). Pedro estava coberto com uma grande unção (Mt 16: 13- 18; Jo 21: 15- 17; I Jo 2: 20; Fp 2: 13). Foi Pedro que levantou a igreja no poder do Espírito Santo no dia de pentecoste (Atos 2: 11); curou o paralitico na porta do templo (Atos 3: 1- 9); enfrentou o Sumo sacerdote e toda a cúpula de religiosos de Jerusalém (Atos 4: 8- 29); repreendeu a obra de Satanás no caso Ananias e Safira (Atos 5: 1- 11); Andou pelas regiões vizinhas fazendo sinais e prodígios (Atos 5: 12- 16); foi libertado da prisão pelo anjo, e enviado ao templo para continuar a pregação (Atos 5: 17- 20; Atos 12: 1- 11); assumiu a responsabilidade pela igreja de Jerusalém (Atos 6: 1- 4; Atos 15: 1- 7; Jo 21: 15- 17); Foi enviado a Samaria para ministrar o Espírito Santo sobre a igreja (Atos 8: 14- 17; Atos 19: 5- 6); Curou Enéias, homem que estava á oito anos paralisado em cima de uma cama (Atos 9: 32- 35); e ressuscitou a discípula Dorcas morta em Jope dias antes (Atos 9: 36- 43; Mt 28: 18- 20; Atos 2: 22- 36; Mt 10: 32- 36; Atos 7: 56- 57).

ATOS 10: 19 – Pensando Pedro naquela visão, disse-lhe o Espírito: Simão, três homens te procuram.

A obra do Espírito Santo é trabalhar no raciocínio, destruir todo o tipo de pensamento carnal e preconceitos,
transformando o nosso pensamento no pensamento de Cristo (II Co. 10: 3 – 5; Cl 3: 1- 2; I Co 2: 15- 16). Pedro
estava preocupado com a visão; ele não estava conseguindo discernir corretamente o que visão estava lhe
dizendo (Jó 33: 14- 17; Pv 21: 2- 4). Todos nós sempre tentamos interpretar nossos sonhos e visões, erramos
sempre, faz parte da nossa natureza (Jz 7: 13- 14; Jo 6: 35- 38; Jo 12: 31; Cl 2: 13- 15; I Co 1: 18- 24; Ap 1: 17- 18).

Interpretar sonhos e visões é dom e vem de Deus (Nm 12: 6; Gn 40: 1- 22; Gn 41: 1- 39; Dn 5: 1- 29; I Co 12: 4- 8ª). Pedro estava meditando, tentando entender a visão. Talvez pensando no almoço; “se o que seria servido estava
de acordo com a lei” (Rm 10: 4; Mt 15: 10- 18; Dt 10: 16; II Co 3: 3). A final o dono da casa trabalhava com couro (Lv 11: 1- 8; Dt 14: 1- 7). Fazia bolsas, sandálias, chicotes e outros utensílios (Atos 10: 5- 6). Estava Pedro pensando neste assunto, quando três homens batem a porta o procurando (Atos 10: 17). Disse-lhe o Espírito: “Simão, três homens te procuram”.

O Espírito Santo é uma pessoa (Is. 40: 13-14; Jz. 13: 24-25; Jz. 14:1-6; I Sm. 19:12-24), e por ser uma pessoa ele fala (II Sm. 23:1-2; Mc. 13:11; Jó. 33:14-16; Atos 16:1-10), tem sentimentos (Mt. 12:22-32), sente ciúmes (Tg. 4:4-5), tristeza (Ef. 4:27-30), se irrita (Mq. 2:7) e se afasta (I Ts. 5:19; Lm. 1:16). O Espírito Santo é uma marca que nos identifica, como crentes (Ef 1: 13), como sendo propriedade peculiar do Senhor Jesus (Ef 4: 28- 30; Ex 19: 5; I Pd 2: 2- 10; Sl. 139:7). A presença do Espírito Santo na vida do crente é uma marca invisível aos olhos humano (mundo físico I Co 2: 9), mas visível no mundo espiritual (II Co 4: 18; Lc 17: 20-21). Quando alguém aceita Jesus Cristo como seu Senhor e Salvador, já no ato do seu testemunho de fé (Rm. 10: 8- 10), ele recebe o Espírito Santo (Atos 2: 37-39; Ef. 1:3-13) e passa a ser propriedade peculiar de Deus (Ex. 19:1-6; I Pd. 2:1-10; Dt. 26: 16-19; Dt. 7:6-9). O crente é selado, marcado e tem o Espírito Santo, fazendo morada em seu coração (II Co. 3:3; Ez 36: 26- 27; Rm. 5:1-5; I Co. 6: 19-20). O Espírito Santo passa a fazer parte da vida íntima deste novo crente, (Ef. 4: 17-30; Ef 2:1-22, Tg 4:4-5). Com isso, o Espírito Santo passa ensiná-lo (Jo. 14: 26; Is. 48:17; Is. 54:13), conduzindo seus passos (Sl 139: 1- 7; Atos 16:1-10; Rm. 8:14; Sl. 143:10) e intercedendo a seu favor quando necessário (Rm. 8:26-27).

ATOS 10: 20 – Levanta-te, desce, e vai com eles, não duvidando, pois eu os enviei.

Se o Espírito Santo, não entra em ação; Pedro iria ter a interpretação errada da visão. Pedro iria entender que
Deus o avisou com antecedência: que pessoas comuns e imundas iriam o procurá-lo (Lv 5: 3; Rm 14: 13- 14), ou
seja, a visão era um aviso de Deus para que ele não violasse a lei (Atos 10: 28; Is 35: 8; Atos 9: 1- 2; Atos 24: 14; Atos 19: 23). Pedro era um homem de altos e baixos (Tg 1: 8; Atos 15: 7; Atos 11: 1- 17; Gl 2: 11- 14), ao mesmo tempo em que era capaz de fazer confissões tremendas (Mt 16: 13- 16; Jo 6: 60- 68; Jo 21: 15- 17), também
procurava seguir o seu próprio raciocínio, por isso ele duvidava. Duvidou de Jesus (Mt 14: 22- 28; Tg 1: 5- 7; Jd 22), por isso afundou nas águas (Mt 14: 29- 31; Jr 32: 27; Lc 1: 37). Confiou mais na sua sabedoria (Mt 16: 22; I Co 8: 2; II Co 2: 6; I Co 1: 20) e não deu credito as palavras do Senhor Jesus (Mt 16: 21; Is 53: 1; Jo 7: 16- 17), por isso serviu de instrumento de Satanás (Mt 16: 23; I Pd 5: 8; Ef 4: 27). Confiou mais na sua força (Lc 22: 31- 33), por isso negou o mestre três vezes (Lc 22: 34 e 54- 62; Jr 17: 5- 6 e 9; Pv 14: 12). Mais uma vez Pedro duvida da revelação de Deus (Atos 10: 15). Pedro de novo, já estava seguindo o seu próprio raciocínio (Dt 10: 16- 19; Rm 13: 8; Lc 10: 25- 37).

Pedro tinha um defeito: em alguns momentos andava pelo seu próprio raciocínio, mas também tinha como
qualidade o ouvido espiritual (Ef 1: 18; I Co 2: 15). Com toda a situação em que Pedro foi colocado: a visão os
pensamentos, Pedro estava atento a voz do Espírito Santo (Pv 9: 10; Hb. 4: 7; Jo 10: 27). Todo o homem de Deus
tem que andar em constante comunhão com o Espírito Santo para não cometer erros (Mc 14: 32- 38; Gl 5: 16- 17;
Rm 8: 1). A vida de oração nos coloca em comunhão com o Espírito Santo (Atos 4: 24- 31; Atos 9: 40- 42; Atos 16:
9- 13, 16, 25- 26). Observemos que Pedro estava em oração no momento em que ocorreu esta revelação (Atos 10:
9; I Ts. 5: 17; Atos 10: 3 e 4; Dn. 10: 12; Sl. 55: 17).

ATOS 10: 21 – Descendo Pedro para junto dos homens disse: Sou eu a quem procurais.

Qual é a causa porque Pedro estava na parte de cima da casa, por isso ele teve que descer a escada e atender aqueles que o procurava (Atos 10: 20). Pedro não sabia o que estava acontecendo, mas imaginava estar sendo enviado para realizar alguns milagres. Talvez, ressuscitar um morto (Atos 9: 36- 42), fazer um paralitico andar (Atos 3: 1- 9; Atos 9: 32- 35), ou curar alguns enfermos? (Atos 5: 12- 16). O que seria normal pensar assim (Jo 14: 12; Jo 15: 1- 5; Mt 28: 18- 20).

Pedro era o vaso que estava sendo usado, e ele sabia disso (Lc 22: 31- 32; Mt 16: 13- 18; Jo 21: 15- 17). Quão bom seria; se os homens, que se dizem homens de Deus fossem procurados para ressuscitar os mortos, fazerem
paralíticos andar, mudos falar, surdos ouvirem, cegos enxergar (Mc 16: 15; Mt 7- 8; Rm 1: 16- 17). Na verdade eles são procurados… Para fazer o pobre virar rico, o mendigo virar milionário, o desempregado virar empresário bem sucedido (Is 28: 15; Jr 2: 12- 13; Is 29: 13). Nada contra isso, pois Deus pode fazer tudo isto (Jó 34: 16- 19; Is 45: 5- 7; Jr 32: 27; Lc 1: 37). O que eu não entendo é: por que não fazer o pobre virar rico, o mendigo virar milionário, o desempregado virar empresário bem sucedido, mas também realizar o mais importante; ressuscitar os mortos, fazer o paralitico andar, mudo falar, surdo ouvir e cegos enxergar? A obra do Espírito Santo é completa (I Co 12: 1- 11; I Co 1: 7; Atos 8: 5- 8; Ef 5: 18). Pedro se colocou diante daqueles homens e disse: Sou eu a quem procurais.

Qual é a causa porque estais aqui? Qual a reação daqueles homens diante de Pedro? O que será que eles
pensaram? Afinal, Pedro não era qualquer um. Lembramos que quem mandou buscar Pedro foi o anjo (Atos 10: 1-5; Atos 5: 17- 20; Atos 12: 1- 11). A fama de que Pedro era um enviado de Deus já tinha corrido por todas as terras
de Israel (Atos 9: 31; Atos 3: 1- 9; Atos 5: 1- 16). Na mesma cidade Pedro já havia ressuscitado uma discípula de
Cristo (Atos 9: 36- 43). E, em uma cidade próxima havia curado um homem que estava a oito anos em cima de
uma cama sem poder andar (Atos 9: 32- 35; Lc 10: 17- 20; Ap 5: 1- 5; Mt 1: 1- 16).

ATOS 10: 22 – Eles responderam: Cornélio, o centurião, homem justo e temente a Deus, que tem bomtestemunho de toda a nação dos judeus, foi avisado por um santo anjo para que te chamasse à sua casa, e ouvisse as tuas palavras.

Os homens que foram enviados por Cornélio acharam importante informar a Pedro que foram enviados por um
homem justo e temente a Deus (Pv 9: 10; Sl 111: 10; Pv 8: 13) , e que tinha bom testemunho de toda a nação
judaica (Mt 5: 13- 16). Se Pedro não era qualquer um, Cornélio também não era (Atos 10: 1- 2). Pedro era um
homem de Deus, andou com Cristo (Atos 4: 13) e ficou conhecido por fazer sinais e prodígios (Atos 3: 1- 9; Atos 5: 1- 16; Atos 8: 14- 17; Atos 9: 32- 42). Foi escolhido por Cristo (Jo 15: 16; Mt 16: 13- 18. Jo 21: 15- 17) e em seu nome realizou muito milagres (Mc 16: 15- 17; Fp 2: 9- 11; Is 62: 2; Lc 1: 26- 31). Cornélio não era conhecido como homem de Deus, não fez sinais e prodígios e não andou com Jesus, mas tinha importância diante de Deus (Ez 22: 30; Atos 10: 3- 4; Dn 10: 1- 12; Is 49: 15- 16; Is 58: 11- 12; I Co 15: 58). Veja o que eles dizem: “foi avisado por um santo anjo para que te chamasse à sua casa, e ouvisse as tuas palavras”. Deus não manda um anjo na casa de alguém, se esta pessoa não for importante para a sua obra. Pedro era importante para a obra (Ex 23: 20; Atos 5: 17- 20; Atos 10: 21- 22; Atos 12: 1- 11), mas Cornélio também era (Atos 15: 7; Gl 3: 7- 14; Mt 12: 15- 21; Gn 12: 1- 3). Cornélio assim como Davi alcançou mérito diante de Deus (Atos 13: 22; Atos 10: 1- 4; Tg 2: 14- 22). O importante não é ser reconhecido pelos homens como homem de Deus, por fazer sinais e prodígios (Mt 7: 15- 23), mas sim ser reconhecido pelo Senhor como um homem justo (Jó 1: 6- 8; Mt 5: 39- 48), temente (Js 24: 14; I Co 10: 14- 21; II Co 6: 11- 17), e que tenha bom testemunho diante dos homens (Jó 1: 1; Mt 5: 13- 16; Mt 7: 24- 27; Jo 7: 16- 17).

Cornélio não era judeu, não fazia parte da religião judaica, não era crente, mas tinha qualidades que muitos que
estão na igreja não têm (Is 29: 13). Quantos que estão na igreja, que vivem na prática da injustiça (Mt 5: 6, 20) e que ainda se assenta na roda dos escarnecedores? (Sl 1: 1). Cornélio era temente ao Deus de Israel (Pv 9: 10).

Quem é temente a Deus vive em constante vigilância (Atos 10: 30; Mc 14: 32- 38; Gl 5: 16- 17; Tg 1: 13- 15).
Cornélio não só andava na presença de Deus, como as suas obras refletiam a presença de Deus em sua vida (Ef 5:
1; Gn 1: 26; I Jo 4: 7- 8; Rm 13: 8; I Jo 3: 16- 18; Lc 10: 25- 37). Têm muitos que se dizem homens de Deus, mas as suas obras refletem o diabo (II Co 11: 13- 15; II Pd 2: 1- 2; I Tm 4: 1; I Jo 4: 1 e 6). Cornélio achou graça diante de Deus (Atos 10: 1- 6; Rm 5: 12- 21; Jo 3: 14- 16). Cornélio era um homem de jejum, de oração, e fazia muitas esmolas, mas lhe faltava algo (Jo 8: 31- 36; Jo 16: 7- 13; Jo 17: 17; Jo 6: 63). O que? Conhecer Jesus (Jo 14: 6; I Tm 2: 5; Atos 16: 31; I Co 1: 18- 28; Cl 2: 1- 3). Como conhecer Jesus? Através da palavra (Hb 1: 1- 2; Jo 1: 1- 14; Ap 19: 11- 13). Você pode orar, jejuar, e fazer muitas esmolas, mas sem a palavra você vai morrer (Jo 6: 63- 68). Como assim, não estou entendendo? Sem conhecimento você morre (Os 4: 6ª). Sem Jesus você já está morto (Ef 2: 1; Rm 5: 12; Atos 4: 12; Fp 2: 9- 11). Deus não queria que Cornélio morresse; por isso Pedro foi enviado a sua casa (Atos 10: 5). Deus não quer que você morra; por isso ele envia está palavra para você (Ez 18: 32; Rm 10: 8- 13; Sl 34: 18; Sl 51: 17; Atos 2: 37- 39).

ATOS 10: 23 – Então, chamando-os para dentro, os recebeu. No dia seguinte Pedro foi com eles, e foram com ele
alguns irmãos de Jope.

O texto não menciona nenhuma conversa entre Pedro e estes homens. Pode ser que conversaram, mas acredito
que nada que tivesse a importância, pois se assim o fosse estaria mencionado no texto (I Tm 4: 9; II Tm 3: 14- 17; II Pd 1: 16- 21). Pedro estava sendo dirigido pelo Espírito Santo (Rm 8: 14), e nada sabia do que estava acontecendo (Jo 13: 7), portando ele não iria falar nada com estes homens (Pv 10: 19; Tg 1: 19; Tg 3: 1- 5; Ec 5: 7).

Provavelmente se fosse alguns profetas de hoje, haveria línguas estranhas (I Co 14: 12- 28) e profecias a noite toda (I Co 14: 29- 32; Dt 18: 1- 2). As coisas de Deus são sérias (I Co 14: 33 e 40; Gl 6: 7). Pedro era um homem sério (Atos 8: 18- 23; Jo 6: 60- 68; Lc 22: 31- 33; Jo 21: 15- 19). Pedro, e estes homens não podiam perder tempo, eles tinham uma caminhada de 50 km no dia seguinte (I Rs 19: 7). O Espírito Santo tinha uma mensagem para Cornélio e sua casa (Jo 14: 23- 26; Sl 128: 1- 4; Sl 1: 1- 3), e Pedro era o vaso a ser usado (Mt 16: 13- 18; Jo 21: 15- 17; Atos 15: 7). Pedro saiu de Jerusalém percorrendo todas as terras de Israel (Atos 9: 31) pregando e ensinando somente aos judeus (Atos 10: 28; Atos 11: 19; Mt 10: 1- 6). Sem saber o que Deus estava por fazer, veio visitar os irmãos de Lida, e Sarona. Em Lida, o Espírito Santo tinha uma obra por fazer (Atos 9: 31- 34; Is 29: 13- 14; Jo 14: 12).

O Espírito Santo estava conduzindo Pedro em direção aos gentios (Mt 12: 15- 21; Gl 3: 7- 14; Gn 22: 1- 8; Jr 53: 1- 12; Rm 12- 21). Quando Pedro encontra tempo para descansar (Mq 2: 10ª; Ed 10: 4), o Espírito Santo o desperta
para outra obra (Jo 15: 16- 27). O destino agora era Jope, uma caminhada de 18 km (Atos 9: 36- 42). Estando
Pedro em Jope, após ser usado pelo Espírito Santo e muito cansado, “se lembra de um irmão em Cristo”. Simão
conhecido por Simão curtidor; conhecido por este nome pela sua arte de trabalhar com couro. Este morava junto
ao mar (Atos 10: 5- 6). Pedro hospedou- se em sua casa por alguns dias (Atos 9: 43). Devido ao lugar ser ermo e
sossegado Pedro aproveitou para se consagrar (Mt 6: 5- 6 e 16- 18; Is 35: 1- 6), com oração e jejum (Atos 10: 9-
10). E, estando Pedro em um destes dias… O Espírito Santo o chama para mais uma obra (Atos 10: 11- 20). O
destino de Pedro era Cesaréia Marítima, a 50 km de Jope. E foram com ele alguns irmãos da igreja de Jope (Atos 9:
36- 38; Atos 11: 12; Ec 4: 9- 12; Mc 6: 7; Mt 18: 18- 20; Lc 24: 13- 32). Em Cesaréia o destino dos gentios iria mudar para sempre (Gn 3: 1- 15; Rm 5: 12- 21; Jo 3: 16; Gn 12: 1- 3; Gl 3: 7- 16; Atos 11: 15; Atos 2: 1- 4; Atos 11: 16; Atos 1: 1- 5; Atos 11: 17; Atos 2: 37- 39; Ef 1: 13; I Co 12: 1- 14; Ef 4: 1- 16).

Discurso de Pedro em Cesaréia

ATOS 10: 24 – No dia imediato chegaram a Cesaréia. Cornélio os estava esperando, tendo já convidado os seus
parentes e amigos mais íntimos.

Andaram rápido, andar 50 km em um dia não é fácil. Devido à importância do assunto, Provavelmente eles não
pararam para descansar (Jr 12: 5; Ed 10: 4; Mq 2: 10ª). O que Pedro tinha de tão importante para entregar a
Cornélio? (Is 53: 1- 12; Hb 7: 11- 28; Hb 10: 19- 21). Pedro foi entregar a Cornélio a mensagem da Cruz (Ef 2: 1- 16; I Co 1: 18- 24; Cl 2: 4- 15). Mensagem esta; que está todos os dias nas igrejas, nas ruas, no rádio, na televisão e na internet (Sl 19: 4ª; Jr 23: 23- 24; Is 12: 3; Ap 22: 17; Jo 7: 37- 39). Cornélio tinha tanta certeza de que, o que Pedro tinha para entregar a ele era tão maravilhoso, que ele encheu a sua casa com parentes e amigos (Sl 133; Sl 97: 10- 12; Sl 100: 1- 2; Is 9: 1- 3). E, que nós; como Cornélio possa convidar parentes e amigos, vizinhos e compartilhar com estes; estas Boas Novas do Reino (Jo 4: 28- 30; Lc 2: 8- 11; Is 52: 7; Rm 10: 15; Na 1: 15). Convidar parentes, amigos, vizinhos e irmãos para louvar ao Senhor, com um violão, cânticos, jejum, oração e Palavra de Deus, move o céu (Atos 16: 25- 26; Atos 2: 1- 2; Pv 13: 7), e enche todos com a alegria do Espírito Santo (Rm 14: 17; Atos 10: 44; Atos 4: 23- 31). O Reino de Deus tinha que alcançar os gentios (Is 49: 6; Mt 12: 18- 21). A salvação em Cristo Jesus era a justiça de Deus a todos os homens (Gn 3: 1- 15; Rm 5: 1- 21; I Jo 3: 1- 8). O Espírito Santo tinha uma obra a fazer (Sl 104: 30- 31; Ez 37: 1- 10; Jo 14: 26; II Sm 23: 2). A casa de Cornélio foi à porta que se abriu para os gentios (Gn 9: 16; Atos 15: 7; Sl 24: 7).

A Experiência pessoal com Jesus através do Espírito Santo estava às portas da casa de Cornélio (Ap 3: 20; Pv 23: 26; Atos 16: 31). Esta experiência era um aviso de que a transformação do mundo havia começado (Ag 2: 6- 7; Sl 118: 20- 22; Mt 21: 33- 43; Mt 12: 21). Uma dádiva para compartilhar com todas as nações tinha chegado (Ag 2: 6- 7; Lc 2: 8- 11; Mt 3: 1- 2). A casa de Cornélio foi o ponto de partida para que a promessa nos alcançasse (Lc 24: 49; Gl 3: 7- 14; Gl 4: 21- 28; Gn 12: 1- 3; Atos 3: 25; Gl 3: 15- 16).

ATOS 10: 25 – Entrando Pedro, saiu Cornélio a recebê-lo e, prostrando-se a seus pés, o adorou.

Cornélio estava tão maravilhado com a visão do anjo, que imaginou que Pedro deveria ser semelhante a Deus
(Atos 14: 11; Jo 10: 34- 36; Jo 3: 14- 16), pois este não entregou nada para ele, mas mandou-o buscar a Pedro
(Atos 10: 1- 6). Ele deve ter entendido que Pedro era mais importante que o anjo (Atos 5: 17- 20; Atos 12: 1- 11; I Pd 1: 10- 12), e digno de adoração (Lc. 4: 8). Pedro foi um grande homem de Deus, tinha conhecimento de seu
chamado e sabia quem o chamou (Mt 16: 13- 18; Jo 21: 15- 17; Jo 15: 16). Pedro estava em constante comunhão
com o Espírito Santo (Atos 10: 9; Atos 3: 3; I Ts 5: 17; Lc 18: 1; Sl 55: 17), e dependia totalmente do Senhor Jesus (Jo 15: 1- 5; Lc 22: 31- 32; Ap 1: 17- 18). Pedro não estava atrás de glórias, honras e riquezas; ele tinha um alvo, um objetivo, uma missão a cumprir (Atos 1: 8; Is 44: 8; Mc 16: 15). A palavra diz que todos os joelhos devem se dobrar diante do Senhor Jesus e não diante de homens (Fp 2: 9- 11; Hb 2: 6- 18; Hb 7: 11- 28; I Tm 2: 5). Não sei; se por ignorância, falta de conhecimento, ou por soberba, mas tem muitos que insistem em fazer o crente colocar- se de joelhos diante deles (Lc 4: 5- 7; II Co 11: 13- 15). Têm muitos que estão encurvados diante dos homens, não literalmente, mas sim espiritualmente, obedecendo e fazendo tudo errado (Gl 1: 10; Jr 17: 5- 6; Ec 12: 1- 7).

Existem muitos que estão nos púlpitos pregando, ensinando, e tem prazer de ver o crente se curvando diante
deles (Ap 19: 10; Atos 10: 26; Atos 14: 8- 15).

ATOS 10: 26 – Mas Pedro o levantou dizendo: Levanta-te, que eu também sou homem.

Pedro era um homem de Deus; e não Deus (Mc 12: 29). Pedro tinha discernimento (I Co. 2: 15; Atos 5: 1- 3; Ef 6:
10- 12). Discernimento este, que falta a muitos (Is 29: 13; Ap 3: 20; Pv 23: 26; Rm 10: 8- 13), pois têm muitos que fazem questão de ter o crente prostrado aos seu pés (I Pd 5: 5- 8; Tg 4: 5- 7; Sl 138: 6; Pv 21: 24; Pv 15: 25). Têm muitos que estão recebendo a glórias que pertence a Deus (I Co 3: 1- 7). Sendo adorado como Deus, como se fossem alguma coisa (Atos 12: 21- 23; Is 14: 13- 15; Ez 28: 13- 15; Ap 12: 7- 9; Lc 10: 18- 19). Pedro estendeu as mãos para o homem e o levantou dizendo: “Levanta-te, que eu também sou homem”. Não existe diferença entre os que estão nos púlpitos e os que estão nos bancos, todos são homens (Ez 34: 31; Jo 10: 14; Hb 13: 20). Não existe diferença entre os que fazem sinais e os que não fazem, todos são homens (Ex 3: 11- 14; Jo 6: 48; Jo 8: 12; Jo 10: 9 e 11; Jo 11: 25; Jo 14: 6; Jo 15: 1; Ap 1: 8). Não existe diferença entre os pregadores e os ouvintes, todos são homens (Ec 12: 10- 12; II Co 3: 6- 8; Jo 6: 63- 68). Como homem (Gn 1: 26- 27; Ec 12: 1- 7), ele é nosso Deus (Ez 34: 31; Is 40: 13- 18; I Co 10: 14- 21; II Co 6: 11- 17); como ovelha (Lc 12: 32; I Pd 2: 24- 25), ele é nosso Pastor (Jo 10: 11; Sl 23: 1; Hb 13: 20); como servo (Jo 13: 12- 17; Jo 15: 15- 16), ele é o nosso Senhor e Rei (Dn 2: 1- 44; Zc 9: 9; Mt 21: 5; I Tm 6: 13- 15; Ap 19: 11- 16); Como filho (Hb 12: 6- 7; Rm 8: 14), ele é o nosso Pai (Rm 8: 1- 17; Jo 1: 1- 13; Gl 3: 7- 26). Por que o crente vive trocando de igreja? Por que vive olhando para o homem (Atos 5: 35- 39).

Por que muitos estão desviados? Por que olharam para os homens (Sl 34: 5; Hb 12: 1- 2; Jo 3: 14- 16).
A nossa fé não pode depender de homens (Jo 15: 1- 5; Rm 10: 17; Hb 11: 6). A nossa comunhão e experiência
pessoal com o Senhor Jesus (Lc 24: 13- 32) não pode depender de homens (I Co 2: 1- 5; Atos 1: 8; Jo 14: 26). A
nossa família, o nosso lar, a nossa paz não pode depender dos homens (Jo 14: 27; Ef 2: 14; Jo 14: 27; Rm 5: 1- 5).

Se você depende dos homens, você não necessita do Espírito Santo (Mt 23: 37). O Espírito Santo foi enviado pelo
Senhor Jesus (Jo 14: 15- 16; Atos 1: 1- 5; Atos 2: 1- 4) para nos ensinar, e lembrar- nos de suas palavras (Jo 14: 26).

O Espírito Santo é o responsável pela igreja (Jo 15: 26- 27; Atos 13: 1- 4; Atos 15: 1- 28), e também o responsável por sua alma (Jo 16: 7- 13; Ap 2: 29; Rm 10: 17). Por isso que o crente no ato de sua aceitação de fé em Cristo Jesus (Rm 10: 8- 13) ele já recebe o Espírito Santo (Ef 1: 13; Atos 5: 32; Rm 5: 1- 5; II Co 1: 22; Gl 4: 6; I Co 6: 19- 20). O Espírito Santo tem a responsabilidade, de limpar, tirar toda sujeira (Lc 11: 24- 25; Ef 2: 1- 22), e transformar o novo convertido em um vaso de benção nas mãos do Senhor Jesus (II Co 4: 3- 7; Ef 4: 7- 11; I Co 12: 1- 11; I Co 2: 1- 5). O anjo mandou Cornélio chamar Pedro (Atos 10: 1- 6). A missão que estava com Pedro, era missão para homem (Atos 5: 17- 20; Atos 12: 1- 11), e não para anjos (Hb 1: 13- 14; Sl 35: 7; Sl 91: 11). Pedro era só o vaso que estava à disposição da igreja (Atos 8: 14; Atos 15: 1- 4; II Tm 2: 20), e sendo usado pelo Espírito Santo (Is 55: 1- 3; Ap 22: 17; Jo 7: 37; Atos 4: 8), por isso Cornélio não podia se dobrar diante dele (Atos 10: 34- 43; Is 53: 1- 12; Fp 2:9- 11; Atos 4: 9- 12).

ATOS 10: 27 – Falando com ele, entrou e achou muitos que ali se haviam ajuntado.

Pedro se surpreendeu com a multidão de gentios que estavam reunidos na casa. O anjo falou só com Cornélio, e não com a multidão (Atos 10: 3- 5). A multidão foi fruto do amor de Cornélio pelo próximo (Mc 12: 28- 31; Jo 14: 23; Jo 15: 10- 12). Cornélio sabia, que, o que Pedro tinha para lhe entregar vinha de Deus (Atos 10: 1- 4; Is 29: 14; Ez 36: 26- 27), portanto na visão dele era algo deveria ser repartido com o próximo (I Jo 3: 16- 18; Lc 10: 25- 37; Rm 13: 8). Cornélio não conhecia Jesus, mas já estava pregando o evangelho (Mc 16: 15; Rm 1: 16- 17; Mt 24: 14). Quantos que estão perdendo a oportunidade de repartir com o próximo aquilo que tem alcançado de Jesus. Reunindo em suas casas, parentes, amigos, vizinhos, companheiros de trabalho para cultuar ao Senhor, com louvor, oração e palavra de Deus? (Lc 14: 15- 23). Faça da sua casa, a casa do Senhor (Sl 122: 1; Ap 3: 20; Pv 23: 26). Faça como Cornélio, convide uma multidão para participar junto com você das boas novas do Reino (Is 52: 7; Rm 10: 15). Abra a sua boca e diga: Existe um Salvador (Lc 2: 8- 11). Não tenha medo! Maior é aquele que está em vós (I Jo 4: 4; Jr 32: 27; Lc 1: 37).

ATOS 10: 28 – Disse-lhes: Vós bem sabeis que não é lícito a um judeu ajuntar-se, ou chegar-se a estrangeiros. Mas Deus mostrou-me que a nenhum homem chame comum ou imundo.

Pedro estava sendo guiado pelo Espírito Santo (Rm 8: 14; Atos 16: 1- 17; Gl 2: 8), ele tinha o seu pensamento a respeito da lei (Gl 2: 11- 16), mas estava pronto para obedecer (Atos 10: 19- 20; Atos 15: 7). Pedro quando entrou na casa, o que ele viu? Pedro viu o lençol (Atos 10: 9 – 12), mas não cheio de quadrúpedes e répteis da terra, e aves do céu, mas sim cheio de peixe (Hc 1: 14ª; Ez 47: 1- 10; Lv 11: 2). Tinha peixe de todos os tamanhos, grandes (Jo 21: 1- 11) e pequenos (Lc 5: 1- 7). Então Pedro lembrou-se das Palavras do Senhor Jesus: Não temas; de agora em diante, serás pescador de homens (Lc 5: 10; Pv 11: 30; Lc 15: 1- 7; Jo 10: 16). Pedro não estava naquele local representando o judaísmo (Mt 15: 1- 20; Jr 28: 10- 11; Rm 10: 4), mas sim representando o Mestre (Mt 9: 11- 13; Mt 10: 24- 25; Jo 13: 13- 17). Pedro estava representando o Senhor que tinha morrido na cruz (Mt 27: 32- 51; Hb 10: 19- 20) por ele, e por todos (Ef 2: 11- 16; I Co 1: 18- 24; Cl 2: 4- 15). Mas quando ele viu a casa tomada por uma multidão de gentios ele entendeu o que Jesus havia lhe dito anos atrás (Jo 13: 1- 7; Sl 36: 5- 9; Jo 8: 12).

Pedro foi verdadeiro (Jo 4: 24), e revelou que só estava no meio deles por que havia recebido uma repreensão do Espírito Santo (Atos 10: 15). O que ele fez agindo desta forma? Pedro mostrou para aquela multidão que quem estava no controle era o Espírito Santo (Atos 11: 12; Atos 13: 1- 14; Atos 15: 28- 29; Jo 16: 13; Jo 14: 26). Ou seja, ele estava debaixo de uma ordem (Ex 3: 11- 14; Is 45: 5- 7), que era maior que a lei (Rm 10: 4; Sl 148: 1- 6; Rm 13: 8; I Co 13: 1- 13). Falando desta forma Pedro se protegeu de eventuais acusações (Atos 11: 1- 12; Jo 3: 30; I Co 1: 10- 24; I Co 3: 1- 9). Quando Pedro colocou os seus pés na casa de um gentio por ordem do Senhor Jesus (Mt 16: 13- 18; Jo 21: 15- 17), a barreira que separava os judeus que se consideravam puros, e os gentios que eram considerados pelos judeus como comum e impuros foi quebrada para sempre (Jo 10: 16; Jo 14: 15- 16; Atos 15: 1- 29; Jo 14: 26). Quebrado não pela vontade do homem, mas através de uma obra poderosa do Espírito Santo (Atos 10: 19- 20; Atos 11: 1- 18; Ef 2: 11- 16; Rm 5: 8- 11).

ATOS 10: 29 – Pelo que, sendo chamado, vim sem contradizer. Pergunto: Por que razão mandastes chamar-me?

Pedro estava como vento nas mãos do Senhor (Jo 3: 1- 8; Sl 101: 6; Jo 4: 23- 24); espírito, alma e corpo totalmente tomado pelo Espírito Santo (I Ts 5: 23; Rm 8: 1; I Co 2: 15- 16). Um homem totalmente sob o comando do Espírito Santo faz somente o que ele quer, e obedece a sua ordem (Atos 16: 1- 7; I Sm 10: 6- 7; Jz 15: 10- 15). Ainda que Pedro no profundo da sua alma fosse a favor de não se misturar (Gl 2: 11- 14), ele não teve outra alternativa, a não ser obedecer ao comando do Espírito (Gl 5: 15- 16; Mc 14: 38). O Espírito Santo estava no comando da vida de Pedro, e através dele testificava da vida, morte e ressurreição de Jesus (Jo 15: 16- 27). Por todos os lugares por onde passou, Pedro cheio do Espírito Santo testificou Jesus (Atos 4: 8- 12; Atos 3: 12- 26; Atos 2: 22- 39). Judéia, Galiléia e Samaria já tinham recebido a palavra (Atos 9: 31). A promessa agora tinha que alcançar os gentios (Mt 12: 18- 21; Gl 3: 7- 14; Atos 10: 44- 45). O evangelho não era só para os judeus (Atos 3: 25; Gl 3: 8; Gn 12: 1- 3) da Judéia, Galiléia e Samaria, mas sim para todos os homens até os confins da terra (Atos 1: 8; Mt 24: 14). Você é filho da promessa (Gl 4: 28), ao teu redor tem muitos filhos da promessa esperando você falar de Jesus para eles (Mc 16: 15; II Tm 4: 1- 5). Cornélio encheu a sua casa (Atos 10: 25- 27). Todos estavam famintos de pão (Jo 6: 44- 48), e sedentos de água (Jo 4: 1- 14; Jo 6: 35; Jo 7: 37- 39).

ATOS 10: 30 – Respondeu Cornélio: Há quatro dias estava eu em jejum até esta hora, orando em minha casa à hora nona.

Podemos dizer que estava começando o primeiro culto feito por uma igreja gentílica (Atos 10: 27; Ez 47: 7- 9; Ef 2: 1- 22); e o culto inicia-se por Cornélio dando um testemunho (Atos 10: 3- 6; Sl 18: 43; Sl 144: 15; Fp 2: 9- 11). Cornélio começa a contar a visão com anjo, e faz questão de contar que estava orando e jejuando até a hora nona, quinze horas, ou três horas do nosso horário. A casa de Cornélio foi à primeira igreja gentílica (Atos 10: 44- 46; Atos 18: 8- 11; Atos 14: 21- 23). Cornélio não era judeu, não seguia a religião e nem e obedecia a lei, mas seguia as orações, e praticava o jejum como os judeus (Atos 3: 1). Cornélio não conhecia Jesus, nada sabia sobre batalha espiritual, tudo o que ele sabia sobre Deus estava relacionado com a religião judaica (Atos 10: 22; Zc 8: 23; Mt 1: 18- 23; Is 7: 14). O Deus que ele conhecia e respeitava era o Deus de Israel (Gn 32: 22- 28; Gn 46: 1- 3; Ex 3: 1- 5). Ele não conhecia Jesus, mas conhecia a história do Deus que tirou Israel do Egito (Os 11: 1; Ex 4: 21- 22; Mt 2: 13- 15; Cl 1: 15; Ap 3: 14). Talvez inspirado no profeta Daniel (Dn 10: 1- 12; Atos 10: 1- 4; Gn 28: 10- 12; Jo 1: 51); buscou com muito jejum (Mt 6: 17- 18; Sl 35: 13; Jr 36: 6; Mt 17: 21; Lc 5: 33- 39), e oração (Mt 6: 6; Sl 55: 17; I Ts 5: 17; Lc 18: 1). Cornélio não deu descanso a sua carne (Mc 14: 32- 38; Gl 5: 15- 16; Rm 8: 1), ele estava em um propósito de vários dias, jejuando e orando até as quinze horas do nosso horário (Ec 5: 1- 5; Mt 5: 37; Tg 4: 13- 15). A história de vida de Cornélio tem que nos inspirar a termos uma vida de oração e jejum (Ap 2: 4; Jr 6: 16; Ef 5: 1; I Co 11: 1).

Como vencer os nossos inimigos, se não conseguimos vencer a nossa carne? (Jr 12: 5). A nossa carne é a porta do desejo pelo pecado (Gl 5: 15- 16; Tg 1: 13- 14); e pecado abre a porta para a morte espiritual (Tg 1: 15), e a morte espiritual, abre a porta para os demônios (Jó 4: 13- 15; II Pd 2: 20- 22; Mt 12: 43- 45; Pv 24: 26; Jó 14: 7- 9; I Jô 2: 1- 2). Os demônios trazem junto consigo doenças, tragédias e a violência (Jr 23: 10); que são portas para a morte física (Lc 11: 24- 26; Ef 4: 27; I Pd 5: 8). O ladrão só veio roubar, matar e destruir (Jo 10: 10ª; Rm 5: 12- 21; Jo 11: 25- 26; Rm 10: 8- 13). O ladrão é Satanás. Satanás, Jesus já o derrotou na cruz do calvário (Jo 10: 10b; Rm 5: 12- 21; Ef 2: 11- 16; I Co 1: 18- 24; Cl 2: 4- 15). A igreja é corpo de Cristo (I Co 12: 1- 27; Ef 4: 4- 16; Gl 3: 16; Gl 4: 28; Gl 3: 7- 14), portanto ela tem todo o controle sob o reino de Satanás (Mt 16: 13- 18; Ap 1: 17- 18; I Jo 4: 4; I Co 6: 19- 20; Ef 2: 17- 22). Deus através de Jesus entregou Satanás à custódia da igreja (Mt 12: 27- 29; Lv 26: 8; Js 23: 10; Rm 16: 20; Mc 16: 15- 17). E, a igreja de Cristo tem autoridade para manter este individuo e sua gang sob controle (Lc 10: 17- 19; Cl 2: 4- 15; I Jo 4: 4). Agora como manter estes demônios longe de nossas vidas? Seguindo o exemplo de Cornélio: muita oração e jejum. A oração e o jejum nos afastam do inferno, e nos aproxima do Reino de Deus (Lc 4: 1- 13; Tg 4: 7; Mt 4: 11; Dn 10: 1- 12; Atos 10: 4).

ATOS 10: 31 – De repente diante de mim se apresentou um homem com vestes resplandecentes, e disse: Cornélio, a tuas oração foi ouvida, e as tuas esmolas estão em memória diante de Deus.

A vida de oração e jejum mudou Cornélio de dimensão, e o transportou para a mesma dimensão do anjo. A dimensão do Reino de Deus (Mt 3: 1- 2; Cl 1: 12- 14; Ef 1: 3). Cornélio saiu do mundo físico e entrou em um mundo espiritual (Nm 24: 3- 4; Atos 10: 3; Hb 1: 13- 14). Qual o objetivo desta visão? Direcionar Cornélio até a salvação (Atos 4: 8- 12; Rm 10: 8- 13; Atos 16: 31) e a benção da promessa (Gl 3: 16; Gn 12: 1- 3; Atos 3: 25; Gl 3: 7- 14; I Co 12: 12- 14). E como isso iria acontecer? Através da pregação do Evangelho de Cristo (Rm 1: 16- 17; Rm 15: 18- 19; Mc 16: 15- 16). O Evangelho de Cristo veio do céu (Ap 14: 6; Lc 22: 29; Lc 4: 18- 19; Gl 1: 11- 12). Um anjo com a aparência de homem (Hb 1: 13- 14; Sl 104: 1- 4; Hb 1: 7) se apresentou a Cornélio, no momento em que este estava em oração, e o mandou buscar Pedro (Atos 10: 3- 6). As orações a Deus e as esmolas que Cornélio fazia aos pobres não foram em vão (I Co 15: 58; Hb 6: 10; Is 64: 4- 5ª), abriu a porta do Reino de Deus para ele e sua casa (Pv 19: 17; Sl 112: 1- 5; Sl 128: 1- 4; Pv 13: 7). A porta aberta na casa de Cornélio foi á porta (Jo 10: 9) que se abriu para todas as nações da terra (Atos 15: 7; Sl 118: 20- 22; Is 28: 16; Mt 21: 33- 42; Atos 4: 8- 11; Rm 9: 33; Ef 2: 11- 20; I Pd 2: 6- 10).

As orações e as esmolas de Cornélio subiram para a memória de Deus (Is 49: 15- 16; Ap 8: 3). Não foi uma hora, um dia, uma semana, ou um mês; foram anos de oração e jejum (Na 3: 14; Ez 22: 30; Lc 2: 36- 38). Cornélio por muitos anos incomodou o Senhor (Lc 18: 1- 8; Gn 32: 22- 28; Jr 33: 3; Jr 29: 11- 13; I Co 2: 9). Todo dia ele batia na porta (Lc 11: 5- 13; Mt 12: 18- 21; Ag 2: 6- 9; Atos 3: 25- 26; Jo 10: 16). Cornélio passava o tempo todo buscando alguma forma de agradar o Deus de Israel (Ne 8: 10; Sl 1: 1- 3). Quando não estava orando, estava jejuando, e quando não estava orando, e jejuando, ele estava ajudando os pobres (Pv 14: 21; Atos 20: 35; Pv 19: 17). As nossas atitudes determinam o que vamos receber, e quanto vamos receber de Deus (Mt 25: 14- 30; Lc 17: 5- 10; Atos 10: 4). O texto não menciona se Cornélio tinha algum talento, mas não podemos negar, Cornélio estava cheio de desejo (Sl 55: 17; Sl 119: 62; Pv 8: 17); tinha um alvo, e um objetivo a alcançar (Jr 33: 3; I Co 2: 9; Lc 24: 13- 32; Jo 14: 23).  Devemos estar atento! O Evangelho de Cristo é uma obra para homens (Mc 16: 15- 18; Mt 10: 7- 8; Atos 1: 8) , e não para anjos (Cl 2: 18- 19; I Rs 13: 1- 18; Gl 1: 8- 9, I Rs 13: 19- 26; Dt 13: 1- 13) por isso o anjo mandou Cornélio buscar Pedro (Atos 10: 1- 6; Atos 5: 17- 20; Atos 12: 1- 11).

ATOS 10: 32 – Envia a Jope, e manda chamar a Simão, que tem por sobrenome Pedro. Este está em casa de Simão, o curtidor, junto ao mar.

Não foram todos os apóstolos, só Pedro que recebeu esta honra (Mt 16: 13- 18; Lc 22: 31- 32 e 54- 62; Jo 21: 15- 17). A missão (Atos 15: 7; Mt 12: 18- 21) e a mensagem estava com Pedro (Atos 5: 17- 20; Atos 4: 8- 13; Mt 28: 18- 20), e ele estava na região (Atos 9: 36- 43). Pedro era um ungido de Deus, e com ele estava o poder (Atos 1: 8; II Co 1: 21; Gl 2: 8; II Co 3: 4- 6; Rm 15: 18- 19). Pedro foi separado e escolhido para esta grande obra (Jo 14: 12; Ef 4: 7- 11; Is 29: 14). Pedro foi o vaso usado pelo Senhor para romper as portas do inferno (Atos 5: 3- 5; II Tm 2: 20; Atos 5: 1- 2; II Tm 2: 21; Tg 4: 4- 5). Que porta era estas? As portas que separava os gentios do Reino de Deus (Jo 5: 19; Atos 15: 7; Atos 26: 16- 18; Gl 2: 8). O anjo sabia o endereço onde Pedro estava hospedado (Atos 10: 6), e fornece o endereço a Cornélio (Atos 10: 1- 6). Cornélio conta toda revelação a Pedro; não tirou, e não acrescentou nada (Mt 5: 37; Ap 22: 19; Dt 29: 29). Foi racional, fez tudo conforme a revelação (Rm 12: 1- 2; Ef 1: 18; Cl 3: 1- 2) se alegrou e convidou a multidão para ouvir a palavra de Deus (Lc 14: 15- 23; Rm 10: 17; Mt 6: 25- 33).

ATOS 10: 33 – Imediatamente mandei chamar-te, e bem fizeste em vir. Agora estamos todos os presentes diante de Deus, para ouvir tudo o que te foi ordenado pelo Senhor.

Cornélio diz, a Pedro: “recebi uma ordem do anjo e não pedi tempo, tratei logo de mandar te buscar”. Cornélio passou muitos anos de sua vida aguardando aquele momento (Lm 3: 24- 25; Sl 40: 1; Sl 64: 4). Deus tinha escutado as suas orações e visto as suas obras (Atos 10: 4; Dn 10: 12; Mt 7: 7- 8; Jr 33: 3; Jr 29: 11- 13). O apóstolo Pedro estava em sua casa, pronto para lhe entregar aquilo pelo qual ele esperou tantos anos (Sl 40: 1; Lc 18: 1- 8; Gn 32: 22- 28). A casa estava lotada (Atos 10: 24; Lc 14: 21- 24; Jo 4: 28- 30), todos estavam ansiosos e aguardando aquele momento (Ag 2: 6- 7; Is 25: 9; Mt 12: 9- 21; Rm 11: 13- 28; Ex 3: 1-6). O texto não nos deixa duvida a casa de Cornélio era o nascimento da primeira congregação gentílica da igreja de Cristo (Jo 10: 16; I Co 12: 12- 14; Ef 4: 1- 16; Ef 3: 16- 19).

A casa de Cornélio era um lençol, e estavam reunidos ali animais quadrúpedes, rapteis da terra, e aves do céu (Mt 13: 31- 32; Lc 12: 32; Ez 34: 31). Os animais vistos no lençol representavam os gentios de diferentes nações unidos em um só corpo (igreja) (Jo 10: 16; Jo 12: 32; Cl 1: 15- 20; I Co 12: 1- 14; Ef 4: 1- 16; I Co 1: 18). Os animais considerados impuros para os judeus (Atos 10: 9- 10; Lv 11: 1- 8; Mt 15: 11; Atos 15: 28- 28; Rm 10: 4; Jo 6: 68), que aqui aparecem no lençol são todos os tipos de pecadores considerados impuros e imundos que foram purificado pelo sangue de Cristo (Rm 5: 1- 11; Rm 3: 21- 25; Rm 5: 12- 21; I Jo 2: 1- 2; Atos 16: 31) reunidos em um mesmo lugar (congregação) (Mt 18: 11- 20; Mt 9: 13; Lc 9: 51- 56; Lc 14: 15- 23).

A igreja de Cristo é a porta aberta para receber qualquer tipo de pessoa (Jo 3: 16; Mt 13: 31- 32; Lc 14: 12- 14; Mt 25: 1- 12). Não importa de onde ela vem (Mq 4: 1- 2; Is 12: 3- 6; Jo 7: 37- 39), e nem o tipo de pecado cometido (Is 53: 1- 12; Rm 5: 12- 21; Cl 2: 14- 15; I Co 1: 18- 24; I Co 2: 1- 5). A igreja é um hospital, lugar de cura (Mc 2: 17ª; Atos 5: 15- 16; Atos 9: 32- 34); o escritório de advocacia para o criminoso arrependido (I Jo 2: 1- 2; Ez 18: 23; Atos 2: 37; Sl 51: 17); a embaixada para peregrino (II Co 5: 20; Jó 14: 7- 9; Ef 6: 19- 20); a dispensa para o faminto (I Co 4: 1- 2; Is 55: 1- 3; Is 11: 1- 2; Ap 3: 1ª; Jo 6: 48), e a fonte de água pura para o sedento (Jo 4: 11- 14; Ap 22: 17; Jo 7: 37- 39). Jesus a direita do Pai (Sl 110: 1- 2; Atos 7: 55- 56; Jo 16: 7) se prepara para ver a sua obra se tornar completa (Is 53: 1- 11; Jo 10: 16; Jo 12: 32; Rm 5: 12- 21). Após o testemunho de Cornélio, começa então a tão esperada pregação do apóstolo Pedro. A primeira mensagem enviada especificamente para os gentios (Is 49: 6; Mt 12: 21; Atos 15: 7).

ATOS 10: 34 – Abrindo Pedro a boca, disse: Na verdade reconheço que Deus não faz acepção de pessoas,

Pedro inicia a sua mensagem dando a importância ao que Deus estava fazendo em seu coração (Pv 23: 26; Sl 51: 10; Sl 119: 11; Pv 4: 23). Até então Pedro entendia que a mensagem era somente para judeus (Mt 15: 21- 24; Mt 10: 5- 6; Jo 21: 15- 17). A história de Israel lhe fazia entender desta maneira (Gn 32: 22- 28; Gn 46: 1- 3; Ex 12: 29- 38; Mc 12: 28- 29). Todo relacionamento do povo israelita com o Deus verdadeiro era um relacionamento particular (Ex 4: 18- 22; Rm 11: 1- 28). Tudo que se relacionava com mundo espiritual entre o povo hebreu, e o Deus de seus pais, Abraão, Isaque e Jacó, era restrito, ninguém entrava (Lv 20: 7; Hb 10: 19- 20; I Pd 1: 16; Lv 20: 23- 24; Tg 4: 4- 5; I Jo 2: 15- 17).

Embora a promessa fosse feita a Abraão (Gn 12: 1- 2; Gn 22: 1- 18; Gn 26: 1- 3), ela apontava para os gentios (Gn 12: 3; Atos 3: 25; Gn 26: 4; Gl 3: 7- 16), mas a igreja no inicio não entendeu desta maneira (Atos 11: 1- 3). Pedro estava entre os que acreditavam que a salvação era só para os judeus (Atos 10: 28; Gl 2: 11- 14). A salvação não era só para os judeus, mas sim vinha dos judeus (Jo 4: 19- 22; Mt 1: 1- 16; Ap 5: 1- 5). Jesus o filho de José da tribo de Judá, foi o escolhido como Salvador, não só dos judeus (Lc 1: 26- 33; Mt 1: 18- 21; Is 62: 2; Fp 2: 9- 11), mas sim de todos os homens (I Tm 2: 1- 5; Atos 4: 8- 12; Tt 2: 11- 13; I Jo 4: 14). A chegada do Reino de Deus através da pregação do Evangelho não era só para as terras de Israel (Atos 7: 48- 50; Lc 17: 20- 21; Mt 3: 1- 2; Lc 3: 1- 8; Gl 3: 7- 9; Rm 2: 13- 15; II Co 3: 3; Gl 3: 13- 14), mas sim em toda a terra (Atos 17: 15- 30; Atos 1: 8; Mc 16: 15).

Quando Abraão foi escolhido, ele foi escolhido para fazer parte de outra promessa (Gn 3: 7- 15; Ap 12: 9; Is 14: 11- 15; Ez 28: 13- 15; Lc 10: 17- 20; Ap 5: 1- 5). Adão pecou (Gn 3: 1- 6), e com o seu pecado, ele condenou toda humanidade, e não somente os judeus (Rm 5: 12). A humanidade precisava de um Salvador (Jo 3: 16) e não somente o povo de Israel (Rm 5: 12- 21). Naquele dia Pedro reconheceu que era impossível Deus fazer acepção de pessoas (Atos 10: 9- 15; Gn 1: 26; Rm 3: 21- 26; Rm 5: 1- 9; Ef 1: 1- 7; Ef 2: 1- 13; Hb 10: 19- 20). Só naquele dia, porque depois Pedro teve que tomar outra dura do Espírito Santo (Gl 2: 11- 14). Não há como ver Deus nos lugares onde há acepção de pessoas (Rm 10: 12; Dt 10: 17; Tg 2: 1- 4). Se Deus fizesse acepção de pessoas nenhum de nós se salvaria (Rm 3: 10; Gl 3: 22; I Tm 1: 15), e a mensagem da cruz continuaria restrita a nação de Israel (Lc 12: 32; I Co 1: 18- 24; Ef 2: 11- 16; Cl 2: 4- 15). Deus amou os gentios com o mesmo amor com que amou Israel (Jr 31: 3; Ct 8: 7). “Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna” (Jo 3: 16). No amor de Deus você encontra a luz (Jo 8: 12; Sl 36: 9), entra pela Porta (Jo 10: 9; Sl 118: 20), mata a sua sede (Jo 7: 37- 39; Jo 4: 1- 14; Gl 3: 7- 14; Gl 4: 28), e sacia a sua fome (Jo 6: 48; Sl 132: 15- 17; Is 55: 1- 3; Is 33: 16; Jo 6: 35).

ATOS 10: 35 – mas que lhe é agradável aquele que, em qualquer nação, o teme e faz o que é justo.

Não existe na lei de Deus nada tão difícil de se fazer que possa impedir o homem de alcançar a salvação (Mt 11: 25- 30; Mc 12: 28- 31; Rm 13: 8; Lc 10: 25- 36), Cornélio não conhecia o Senhor Jesus, não seguia lei judaica, mas era temente a Deus, e justo (Atos 10: 4; Rm 2: 13- 15; Ez 36: 26- 27; II Co 3: 3) . Deus não é injusto (Hb 6: 10; Is 49: 15- 16; II Cr 16: 9ª). Mesmo que o homem não conheça Jesus, se for temente e justo, vai ter a sua oportunidade (Ap 3: 20; Mt 25: 1- 13; Mt 24: 14; Hb 4: 1- 7). Não importa a nação, a cor, a raça, ou religião, se for temente e justo vai ter um encontro com o Senhor Jesus (Sl 101: 6; I Sm 16: 1- 7; Atos 13: 22). Nação pode significar uma congregação (Lv 4: 13- 14; Nm 1: 1- 2; Ex 12: 37; Gn 46: 1- 3), ou próprio crente (Gn 17: 1- 5; Mt 3: 1- 9; Gl 3: 7- 9). Porque vivemos em pais violento? Porque tanta corrupção, pragas, pestes, pobreza e miséria?  Falta o temor de Deus, e a pratica da justiça por aqueles que estão no poder (Jr 23: 10; Is 1: 13- 19; Jr 23: 11). Não adianta falar línguas, orar e gritar, louvar com hinos maravilhosos e ter uma palavra tremenda, se não houver temor (Pv 9: 10) e a prática da justiça (Mt 5: 6; Is 1: 11- 19; Jr 9: 23- 24).

ATOS 10: 36 – Conheceis a palavra que ele enviou aos filhos de Israel, anunciando a paz por Jesus Cristo (este é o Senhor de todos).

Não havia nenhum morto (Atos 9: 36- 41), ou enfermo na casa (Atos 9: 32-34), então Pedro entendeu pelo Espírito Santo (Atos 10: 19- 20 e 27; Jo 14: 26; Jo 21: 15- 17) que a missão naquele lugar era a pregação do Evangelho (Atos 10: 22; Atos 5: 17- 20; Sl 23: 1- 2). Depois da introdução na qual falava da visão repreensiva do Espírito Santo (Atos 10: 9- 15 e 34; Dt 10: 17; Tg 2: 1- 4; Gl 2: 11- 14), Pedro entra na mensagem (Ec 12: 10- 11): Pedro não muda a mensagem (II Pd 3: 15- 18), ele traz a mesma palavra que Deus enviou aos filhos de Israel. E qual foi à palavra que Deus enviou aos filhos de Israel? A palavra viva de Deus (Jo 1: 1- 11; Ap 19: 11- 13; Hb 1: 1- 2; Jo 6: 63). Jesus é a palavra viva de Deus (Jo 6: 48; Jo 8: 12; Jo 10: 9 e 11; Jo 11: 25; Jo 14: 6; Jo 15: 1; Ap 1: 8; Hb 4: 12). O pecado de Adão afastou o homem de Deus, ou seja, causou inimizade entre Deus e o homem (Gn 3: 1- 19; Rm 5: 12; Is 59: 1- 2). Jesus ele veio como um tipo de embaixador (I Tm 2: 5; Hb 7: 22; Lc 14: 31- 32; Rm 10: 8- 13; II Co 5: 20- 21; Ef 6: 19- 20; I Co 11: 1), na função de restabelecer a paz entre Deus e os homens (Cl 1: 15- 20; Ef 2: 11- 14; Rm 5: 1; Ef 6: 14- 15), começando por Israel (Mt 3: 1- 6; Mt 10: 5- 6; Jo Mt 21: 33- 37), mas Israel rejeitou a paz (Mt 21: 38- 42; Mt 23: 33- 37). Com a rejeição de Israel, a paz entre Deus e os homens foi direcionada para os gentios (Rm 11: 11- 15; Gn 3: 1- 15; Rm 5: 13- 21) conforme promessa de Deus a Abraão (Mt 21: 43- 44; Gn 22: 18; Atos 3: 25; Gl 3: 16; Hb 10: 19- 20).

Nenhuma mensagem tem maior poder de convencer do que a mensagem centralizada em Cristo Jesus (I Co 2: 1- 5; II Co 4: 3- 7; I Co 1: 18- 24). Pois ninguém pode por outro fundamento, além do que já está posto, o qual é Jesus Cristo (I Co 3: 11; Sl 118: 21- 22; Is 28: 16; Mt 21: 42; Atos 8: 4- 11; Rm 9: 33; Ef 2: 11: 20; I Pd 2: 1- 10) .Jesus é o Senhor de tudo e de todos (Cl 1: 15- 16; Fp 2: 9- 11), é o caminho verdadeiro que conduz a vida (Jo 14: 6; Jo 3: 16; Jo 11: 25- 26); o Pão que alimenta (Jo 6: 48- 58; Dt 8: 1- 3; Amós 8: 11; Jo 1: 1; II Tm 4: 2- 5); a Luz que ilumina (Jo 8: 12; Sl 36: 9; Sl 119: 119). Ele é a Porta que se abre (Jo 10: 9; Sl 118: 20) para a paz entre Deus e os homens (Cl 1: 17- 20; Rm 5: 1; Hb 10: 19- 20; Jó 22: 21).

ATOS 10: 37 – Esta palavra, vós bem sabeis, foi proclamada por toda a Judéia, começando pela Galiléia, depois do batismo que João pregou;

A mensagem era nova (Lc 4: 21) e se iniciou (Mt 3: 16- 17; Mt 4: 1- 11), na Galiléia (Mt 3: 13) após a voz que clamava no deserto (Is 40: 1- 3; Mt 3: 1- 3; Mt 11: 7- 10) confirmar a profecia de Isaias (Jo 1: 15- 37; Is 53: 1- 7). A palavra começou na Galiléia, mas foi proclamada por toda Judéia (Jo 3: 22; I Co 1: 10- 17; Jo 3: 25- 30). A Palavra de Deus pregada pelos os apóstolos e os discipulos de Cristo era acompanhada por revelações espirituais (Atos 5: 1- 4) e sinais (Atos 8: 5- 8; Atos 5: 12- 16; Atos 19: 11- 12). E, ao ser pregado não mais priorizava a lei (Rm 10: 4) e a história de Israel (Atos 15: 1- 21; II Co 3: 9- 18; II Tm 4: 1- 5), mas sim a salvação por meio do sacrifício de Jesus na Cruz (I Co 1: 18; Mt 28: 18- 19; Mc 16: 15- 16; Rm 10: 8- 13). A mensagem era voltada somente para Jesus (I Co 2: 2). O Espírito Santo movia os apóstolos e discipulos a falar somente de Jesus (Jo 14: 26; Atos 4: 8- 12; Atos 16: 6- 33; Mt 28: 19-20). Não sei por que as mensagens Cristocentrica não são mais a prioridade em muitas igrejas, e entre os pregadores (Jr 2: 12- 13; Jr 29: 13; Ap 3: 15- 18). Será que o Espírito Santo mudou a mensagem? (Hb 13: 8; II Pd 3: 15- 18; Jo 14: 26).

Falar de Jesus muitas vezes não gera descanso e sossego, mas com certeza gera trabalho (Mq 2: 10ª; Ed 10: 4) e trabalho gera conhecimento (Cl 2: 1- 3; Jr 29: 11- 13). Falar de Jesus muitas vezes não gera dinheiro (I Tm 6: 3- 10; Cl 3: 1- 3), mas com certeza gera perseguição (II Tm 3: 10- 12; Mt 7: 13- 14; Mt 10: 28- 36). Falar de Jesus muitas vezes não gera riqueza (Mt 6: 19- 21; Pv 11: 28; Pv 27: 24; Pv 28: 20; Lc 12: 13- 21), mas com certeza gera salvação (Is 25: 9; Is 53: 1- 12; Is 52: 7). A grande esperança é que a igreja volte ao tempo da infância (Ap 2: 4; Jr 6: 16; Jó 8: 8), e a simplicidade do evangelho (II Co 11: 2- 3), e cumpra a sua missão: Distribuir Cristo (Jo 3: 16; Atos 1: 8; Mc 16: 15). Pois era isto que nossos irmãos da igreja no inicio fazia (Mt 14: 19; Atos 4: 8- 12; Atos 8: 5; Atos 9: 1- 22; I Co 2: 2). Distribuir Cristo é distribuir conhecimento, sabedoria e poder de Deus (Cl 2: 1- 3; I Co 1: 18- 24; I Co 2: 1- 5). Jesus Cristo é alimento para o espírito (Jo 10: 9; Jo 6: 54- 55; Lc 22: 19- 20; I Co 5: 7; Is 55: 1- 3; Is 11: 1- 2; Ap 3: 1; Ap 5: 1- 5). Ele é o pão que mata a fome (Jo 6: 48; Jz 7: 13; Cl 2: 8- 15), a água que mata a sede (Jo 7: 37; Ap 22: 17; Is 12: 3).

Para muitos a salvação através da morte de cruz era impossível; era loucura crer nisto (I Co 1: 22- 25; Atos 17: 15- 32). Para muitos hoje a palavra da cruz continua sendo loucura (I Co 15: 19; Atos 20: 28- 29), pois estão usando-a para fazerem a vontade do diabo (Lc 4: 1- 8; Atos 8: 20; Mt 6: 23; Atos 8: 18; Gn 3: 6). A palavra da cruz hoje serve para atrair riquezas (Mt 6:19-21 e 24-33; Lc 4:5-8; I Tm 6:3-10); sinais e prodígios de mentira (Mt 24:23-25; Ex 7: 10- 12; Ap 1: 8); doutrinas humanas e farisaicas (Mt 23:1-8; Cl. 2: 14- 23; Is 29:13), mas para aqueles que crêem; palavra da cruz trás salvação (Atos 2: 22- 41; Atos 10: 39- 44; Rm 10: 8- 10; Pv 13: 7), conhecimento (Cl 2: 1- 3; Cl 3: 1- 3; Ef 1: 18- 23; II Co 4: 3- 11; Gl 2: 20) e poder de Deus (I Co 1: 24; I Co 2: 1- 5; Rm 15: 18- 19). Na cruz podemos obter vitórias que são muitos mais importantes que o dinheiro (I Tm 6: 3- 10). Podemos obter poder de Deus, para vencer o mundo (Jo. 16: 33; I Jo. 2: 12-17; Tg 4:1-5); a carne: (Rm 8:1-17; Gl 5: 16-24; Mc 14: 38); o pecado: (Rm 6:1-14; Tg 1: 13-15); as maldições: (Gl 3: 13-14; Ez 18:1-20; Jo. 3:13-21); o diabo: (I Jo. 5: 18-19; Ap 12:1-11; Ef 4:27; Ef 6:10-17); o inferno: (Ap 1:17-18; Mt 16:18-19; Ap 3:7-8), e a morte: (Ap 1:17-18; I Co 15:19-58; I Ts 4:13-17; Ap 19:1-9).

ATOS 10: 38 – como Deus ungiu a Jesus de Nazaré com o Espírito Santo e com poder, o qual andou fazendo o bem e curando a todos os oprimidos do diabo, porque Deus era com ele.

Deus ungiu um homem chamado Jesus (Is 62: 2; Lc 1: 26- 31; Lc 2: 21- 24 e 39- 40; Mt 3: 1- 17) de uma cidade chamada Nazaré (Mt 2: 19- 23; Jo 1: 45- 46; Atos 22: 36) com o Espírito Santo e com poder (Lc 4: 1- 19; Is 61: 1; Jo 8: 31- 32; Jo 17: 17; Jo 7: 16- 17). Veja: Pedro já vinha fazendo alguns sinais semelhantes aos que o Senhor fez (Atos 9: 36- 42; Jo 11: 1- 44; Jo 14: 12), mas Pedro não menciona o seu testemunho na mensagem, ele se limita a falar somente de Jesus (Atos 1: 8; Atos 4: 8- 12; Is 44: 8; Is 43: 10- 11; Rm 10: 8- 13). Pedro tinha recebido Espírito Santo (Jo 14: 15- 16; Atos 1: 1- 5; Atos 2: 1- 4), também foi ungido pelo Senhor Jesus (Mt 16: 13- 18; Jo 21: 15- 17; I Co 1: 21; II Co 3: 4- 5; Gl 2: 8). Porque então não falar daquilo que Deus estava fazendo em sua vida? (Jo 3: 30; I Co 1: 11- 25). Pedro tinha a consciência que o sucesso da missão estava na pregação do Evangelho de Cristo (Atos 4: 16- 20; Jo 6: 68; I Co 1: 18- 21; I Co 2: 1- 5; I Co 3: 10- 11). Pedro era apóstolo, e foi chamado para apascentar as ovelhas (Jr 3: 14- 15; Jo 21: 15- 17; Sl 23: 1- 2) através da pregação do evangelho (Jo 6: 53- 58; I Co 11: 23- 26; II Tm 4: 1- 5).

Paulo era apóstolo, chamado para as obras missionárias, abrir igreja e lançar fundamento (I Co 3: 10- 11; Ef 2: 18- 20; I Pd 2: 6- 10), mas qual era o fundamento? A pregação do evangelho (Rm 1: 16- 17; I Co 1: 18; I Co 2: 1- 5; Gl 2: 8). É Jesus quem opera, é ele quem faz a obra (Jo 15: 1- 5; Fp 2: 13; I Jo 4: 4; I Jo 2: 20- 21). Pedro sabia disso (Atos 3: 1- 7; Mt 28: 18- 20; Atos 3: 6- 16; Atos 9: 40- 41). Ele não estava na casa de Cornélio para falar de si, mas sim de Jesus (Atos 5: 17- 20; Fp 2: 5- 11; Jo 14: 6). Pedro estava na casa para falar do poder de Deus (Atos 4: 8- 12; Rm 1: 16). Jesus é o poder de Deus (I Co 1: 24; Rm 15: 18- 19). Pedro estava na casa para matar fome daquele povo com o Pão da vida (Atos 6: 48). Pedro estava na casa para levar luz aquele povo (Jo 8: 12). Pedro estava na casa para levar aquele povo á fonte de água viva (Jo 7: 37- 39; Atos 10: 44; Ap 22: 17). Pedro continua a mensagem dizendo: “Jesus andou fazendo o bem e curando a todos os oprimidos do diabo, porque Deus era com ele”. Jesus anda fazendo o bem, curando e libertando todos os oprimidos do diabo (Lc 4: 18- 19). O natural da mensagem do evangelho é que ela aponte para o arrependimento, a morte na cruz, a ressurreição e juízo eterno (Hb 6: 1- 2), mas ela trás outros benefícios, como cura de enfermidades, milagres, libertação de espíritos malignos e outros sinais e prodígios (Atos 19: 11- 12; Atos 8: 5- 8; Rm 15: 18- 19; Rm 1: 16- 17). Jesus Cristo é o mesmo ontem, hoje, e eternamente (Lc 23: 1- 6; Ap 1: 17- 18; Atos 16: 31).

ATOS 10: 39 –Nós somos testemunhas de todas as coisas realizadas por ele, tanto na terra da Judéia como em Jerusalém. A este mataram, pendurando-o num madeiro.

Em Jerusalém tentaram calar as testemunhas (Atos 4: 1- 18; Atos 5: 17- 18; Atos 12: 1- 4), mas não puderam (Atos 4: 19- 20; Atos 5: 19- 20; Atos 12: 5- 11), o Espírito Santo era com eles (Atos 5: 18- 32; Atos 15: 1- 28; Ap 22: 17; Is 55: 1- 2). Pedro era apenas uma testemunha (Atos 1: 8; Is 44: 8; Is 43: 10- 11; Rm 10: 8- 13). A sua mensagem, e os sinais que fazia, era obra do Espírito Santo (Atos 2: 1- 4; Atos 1: 8; Atos 4: 8; Rm 15: 18- 19). Pedro foi um escolhido por Jesus para dar testemunho da grandeza de Deus (Mt 16: 13- 18; Jo 15: 26- 27). Eu, você, todos nós fomos chamados para dar testemunho da grandeza de Deus (I Pd 2: 2- 9; Hb 7: 22; Ef 1: 3). Pedro não fez nenhum curso de teologia, não era um mestre, ou um doutor da lei, ele apenas andou com Senhor Jesus e era cheio do Espírito Santo (Atos 4: 8- 13; Ef 5: 18). E, por andar com Jesus, ele só falava de Jesus (Lc 6: 45; Lc 21: 15; Atos 18: 9- 10). Pedro por onde andou deu testemunho daquilo que Jesus fez (Jr 6: 16; Jó 8: 8; Ap 2: 4). O nome de Jesus tem poder (Fp 2: 9- 11; Mc 16: 17; I Jo 2: 1- 12; Is 53: 1- 12).

O sangue de Jesus tem poder (Rm 3: 21- 26; Rm 5: 1- 9; I Jo 1: 5- 7; Mt 26: 28). A morte na de Jesus na cruz tem poder (Ef 2: 11- 16; Cl 1: 15- 20; I Co 1: 18- 24; Cl 3: 4- 15). O que Jesus fez durante os três anos de seu ministério terreno, foi pregar o poder de Deus através do evangelho do Reino de Deus (Lc 4: 18- 19; Mt 12: 22- 28; Lc 22: 29; Lc 9: 1- 2; Lc 10: 1- 24; Rm 1: 16- 17). O evangelho se inicia, quando Jesus começa o seu ministério terreno (Mt 3: 13- 17; Mt 4: 1- 17), e se completa com a sua morte (Mt 27: 13- 54), e ressurreição (Mt 28: 1- 6; Atos 1: 1- 3; I Co 15: 1- 6). Pedro não pregava outra coisa se não o evangelho Cristo. Pregar o evangelho é pregar e ensinar tudo que Jesus começou a fazer, não só a fazer, mas a ensinar, até o dia que foi recebido no céu (Atos 1: 2; Jo 15: 11- 27; Jo 14: 15- 26; Jo 16: 7- 14). A pregação de Pedro na casa de Cornélio foi centralizada no evangelho da salvação (Mc 16: 15; Rm 1: 16- 17; Mt 24: 14). O que fazia as coisas acontecer na vida dos apóstolos, e na vida dos ouvintes, era o que eles pregavam (Mt 16: 13- 18; Atos 3: 1- 7; Atos 16: 16- 18; Rm 15: 18- 19; Atos 19: 11- 16; I Co 4: 20; I Co 2: 1- 5; I Co 1: 24). Jesus esta te chamando para pregar, ensinar, e falar dele (Jo 15: 16; II Tm 4: 2; I Co 2: 2; II Tm 4: 1- 5). Quando você começar a pregar, ensinar, e falar só dele, as coisas vão começar a acontecer, não só na sua vida, mas também na vida de todos aqueles que te ouvirem (Jo 7: 16- 17; Nm 23: 19; Js 21: 45; II Tm 2: 13). Você pode perguntar: Como vou fazer isto? Comece lendo os quatros evangelhos (Sl 1: 1- 2; Sl 36: 9; Sl 119: 105; Jo 8: 12; Jo 6: 48; Jo 10: 9 e 11; Jo 11: 25; Jo 15: 1- 5).

ATOS 10: 40 – Deus o ressuscitou ao terceiro dia, e fez que se manifestasse,

Nós temos a palavra dos profetas e dos apóstolos (Ef 2: 20; Hb 1: 1; Atos 3: 24). Palavras de homens que inspirados pelo Espírito Santo (I Sm 10: 6- 7), falaram e escreveram á palavra de Deus (II Pd 1: 16- 21; II Tm 3: 16). Conhecemos a história, temos a letra, mas onde esta a vida? (Jo 6: 48- 63; II Co 3: 6- 8; Rm 8; 1). Jesus não permaneceu morto (Ap 1: 17- 18; Atos 18: 9- 10); ao terceiro dia (Ex. 19: 10-11; Os. 6:1-2; I Ts. 4: 13-17; Jo. 2:1ª; Ap. 19:1-9) ele ressuscitou (Lc 24: 1- 8; I Pd 2: 3- 5; Ap 5: 1- 10; Ap 1: 4- 6). E onde ele está, e como eu o encontro? Ele esta no céu (Atos 7: 55- 56; Sl 110: 1- 2; I Co 15: 1- 25; Dn 2: 1- 44; I Co 15: 25- 26; I Ts 4: 13- 17; Is 25: 6- 9; Jó 19: 23- 27). Mas se ele esta no céu, então eu não sinto a sua presença (Jr 29: 11- 13; Jr 33: 3; I Co 2: 9- 11); para que eu possa sentir a sua presença será preciso que ele esteja próximo de mim (Atos 17: 15- 27; Is 55: 1- 7; Rm 10: 8- 13). Pois ele mesmo citou na sua palavra que estaria sempre presente. Veja o que ele disse: Portanto, ide, ensinai todas as nações, batizando em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo; Ensinado-as coisas que vos tenho mandado; e eis que estou convosco todos os dias, até a consumação dos séculos. Amém (Mt 28: 19- 20). Jesus esta falando da sua presença na igreja (Ap 22: 17; Jo 7: 37- 39; Jo 14: 15- 16; Atos 16: 1- 17). Mas Jesus não está somente presente na igreja; ele está presente também no coração do verdadeiro adorador (Jo 14: 23; Lc 24: 13- 32; Jo 4: 23- 24; Rm 8: 1- 2; Rm 5: 1- 5). Como eu posso identificar a presença de Jesus na igreja e na minha vida? Através da palavra (Jo 5: 39; Mt 11: 25- 30; II Co 5: 7; I Co 2: 9).

Jesus está oculto na palavra (Jo 9: 39; Jo 10: 16; Lc 12: 32; Jo 10: 11), e se manifesta através de revelações do Espírito Santo (Jo 6: 63; Jo 14: 26; Jo 16: 7- 14; I Co 12: 1- 13; Ef 4: 1- 16). Jesus está presente na palavra; e fala contigo nesta hora (Mt 11: 28- 30; Ap 3: 20; Mt 7: 24- 27; Jo 7: 16- 17). O Espírito Santo é quem revela a presença de Jesus na palavra (Mt 28: 18- 20; Atos 18: 9- 10), na igreja (Jo 14: 15- 17; Jo 15: 26- 17; Mt 18: 18- 20; Mt 28: 18- 20), e naqueles que lhe obedecem (Gl 2: 20; Jo 14: 23; I Jo 5: 3; Mt 11: 29- 30). A palavra de Deus faz refletir a presença de Cristo na igreja (I Co 13: 11- 12; Sl 36: 9; Jo 8: 12; Jo 7: 37- 39; Ap 22: 17), e no crente (Jo 14: 15- 17; I Co 15: 45- 49; Gl 2: 20). O Espírito Santo transforma a letra em vida (Ef 2: 1- 6; Jo 6: 63- 68; II Co 3: 6- 8). A vida que está muito perto de você (Atos 17: 26- 27; Is 55: 3- 5; Is 11: 1- 2; Ap 3: 1ª). Jesus está presente onde a sua palavra é pregada e vivida em verdade e em Espírito (Is 40: 8- 9; Is 52: 7; Mt 24: 35). Pedro estava pregando a ressurreição, e falando de como Deus trouxe Jesus de dentre os mortos (Hb 13: 20; Ap 1: 17- 18), ou seja, Pedro estava em verdade e em Espírito testificando da Verdade (II Pd 1: 16; Atos 4: 11- 13); o que aconteceu? A verdade que havia se manifestado logo após a ressurreição se manifestou entre eles através do Espírito Santo (Atos 10: 42- 44; Atos 2: 37- 39; Jo 14: 15- 16). Jesus é verdade de Deus em sua vida (Jo 1: 1- 17; Jo 8: 31- 36; Rm 10: 8- 13), e manifestou na sua vida (Jo 10: 10; Rm 5: 1- 21), para que você também seja uma testemunha da Verdade (Jo 14: 6; Jo 16: 12- 14; I Tm 2: 5; II Tm 4: 2).

ATOS 10: 41 – Não a todo o povo, mas às testemunhas que Deus antes ordenara, a nós, que comemos e bebemos com ele, depois ressurgiu dentre os mortos. Jesus não se revelou a todos, mas somente a alguns (Sl 25: 14; Pv 9- 10; Gn 18: 17; Gl 3: 7). Quinhentos crentes foram testemunhas da ressurreição de Jesus (I Co 15: 1- 6; Atos 1: 1- 3; Jo 20: 19- 29; I Pd 1: 3- 8). Muitos são chamados, mas poucos os escolhidos (Mt 22: 14; Mt 17: 1; Mc 14: 32- 33; Lc 8: 49- 51). Muitos lotam as igrejas (Jl 3: 14; Rm 10: 8- 13; Tg 1: 8; Ef 5: 14; Sl 34: 5), mas poucos conseguem tocar em Jesus (Lc 8: 40- 46). A salvação é para todos que o aceitar (Jo 3: 16; Mt 11: 25- 30), mas ser intimo dele poucos conseguem ser (Sl 101: 6; Atos 13: 22; Jo 4: 23- 24; Sl 55: 17; Sl 119: 62; Pv 8: 17; Sl 119: 164). Veja o que Pedro diz: “a nós, que comemos e bebemos com ele” (II Pd 1: 16; Atos 1: 1- 3). Os íntimos comem todos os dias na mesa com ele (II Sm 9: 1- 13; Is 49: 15- 16; Lc 10: 17- 24; Jo 16: 7- 14). Você é íntimo dele; ele se revelou a você quando você o aceitou como o seu Senhor e Salvador (Rm 10: 8- 13), ele colocou dentro de você uma pessoa (Ef 1: 13; Atos 5: 32; I Co 6: 28- 20). Uma pessoa que pode te colocar em contato com ele (Hb 10: 19- 20), a hora que você quiser (Jr 33: 3; Rm 8: 26- 27; Sl 119: 62; Pv 8: 17). O Espírito Santo é esta pessoa (Jo 16: 7; Is 40: 13- 14; II Sm 23: 2; Mt 12: 31- 32; Tg 4: 4- 5; Ef 4: 27- 30; Mq 2: 7; I Ts 5: 19; Lm 1: 16). Se você crer que Jesus esta presente na palavra de Deus (Atos 7: 55- 56; Hb 1: 1- 3; Mt 28: 18- 20; Atos 18: 9- 10; II Co 5: 7; Jo 11: 40), o Espírito Santo te guiará até o manancial da vida (Sl 36: 9; Sl 119: 105; Jo 8: 12).

O manancial da vida é o lugar para você saciar a sua sede (Jo 7: 37; Jr 2: 12- 13; Is 29: 13), até transbordar (Jo 7: 38-39; Atos 2: 1- 4; Atos 10: 45- 46; Sl 23: 1- 5; I Co 12: 1- 11). Jesus se apresentou vivo por quarenta dias, depois que ressurgiu dentre os mortos. Durante estes quarenta dias Jesus se preocupou em ensinar, e preparar os discipulos para a pregação do evangelho. O Espírito Santo continua a obra de Jesus através da igreja (Atos 13: 1- 4; Ef 4: 7- 16; Atos 15: 1- 29), e te chama para pregar o evangelho (Mc 16: 15; Rm 1: 16- 17; II Tm 4: 1- 5).

ATOS 10: 42 – Ele nos mandou pregar ao povo, e testificar que ele é o que por Deus foi constituído juiz dos vivos e dos mortos.

Jesus mandou Pedro, os apóstolos e os discipulos pregarem ao povo, mas pregar o que? O chamado da igreja na sua infância foi para pregar, ensinar, falar e dar testemunho daquilo que eles ouviram de Jesus (Mt 3: 1- 2; Lc 10: 1- 9; Lc 9: 1- 2). E, o que eles ouviram de Jesus? Que Jesus ressurgiu, e se tornou o grande Juiz dos vivos e dos mortos (Fp 2: 9- 11; I Pd 3: 18- 21; Mc 16: 15- 16; Mt 28: 19- 20). O Texto diz que ele foi constituído juiz dos vivos e dos mortos, e não que será o juiz dos vivos e dos mortos; “usando o futuro” (Tg 5: 7- 9; I Tm 4: 6- 8; I Ts 4: 13- 17; Ap 9: 1- 9). Jesus é o grande Juiz; é com ele que está o perdão para todos aqueles que se arrependem, e o aceita como seu Salvador (I Jo 1: 5- 9; Atos 4: 8- 12; Rm 10: 8- 9). Com ele está também à condenação para aqueles não se arrependem (Mt 21: 33- 44; Mt 3: 1- 10; Dt 18: 15- 19; Atos 3: 22- 23). A igreja no inicio; os apóstolos e os discipulos pregaram o evangelho genuíno (Atos 8: 4- 5; Atos 5: 17- 20; I Pd 1: 3- 12). Pregar o que Jesus mandou foi o que fizeram os nossos irmãos do passado (I Co 2: 2; II Pd 1: 16- 21; Jo 14: 26). Ai depois, perguntamos: Por que não acontece avivamento? (Hc 3: 2; Atos 2: 22- 41; Atos 4: 1- 4: Atos 8: 4- 8; Is 58: 1- 11). Por que não recebemos os dons espirituais mencionados pelo apóstolo Paulo em suas cartas? (I Co 12: 1- 2; Ef 4: 7- 8; Rm 12: 5- 8).

Temos muitas mensagens, muitos ensinos, e doutrinas que na verdade não produzem crescimento algum (Jr 2: 12- 13; Cl 2: 20- 23; Gl 3: 3- 4), mas engana (Mt 24: 4- 5; Lc 4: 5- 7; I Tm 6: 3- 10; Amós 2: 6), e desvirtua a igreja da verdadeira mensagem (Mt 6: 19- 33; Is 52: 3; Is 55: 1; Ap 22: 17). As mensagens que não são voltadas para a implantação Reino de Deus na terra (Jo 18: 36; Lc 12: 32; Lc 17: 20- 21; I Jo 4: 4; Ef 1: 13), são misturadas (Mt 6: 24), e estão voltadas para este mundo (Tg 4: 4- 5; I Jo 2: 15- 17; Cl 3: 1- 3; I Co 15: 19). Como podemos alcançar o avivamento, os dons espirituais; se as nossas pregações são voltadas para os problemas pessoais? (Is 29: 13ª; Tg 4: 4- 5). Avivamento, dons espirituais só acontece para o beneficio da igreja (I Co 12: 8- 11; Atos 1: 8), não para os benefícios pessoais (I Co 12: 4- 7; Ef 4: 1- 16). Pregar a morte, a ressurreição e o juízo eterno (Hb 6: 1- 2) não enche igreja, e nem trás riqueza (Fp 3: 18- 19; I Tm 6: 3- 10; Mt 6: 19- 21; Cl 3: 1- 3), mas é o que o que ensinou o grande Mestre aos seus discipulos (Jo 13: 13; Mt 10: 23- 25; Jo 15: 16- 21).

ATOS 10: 43 – Dele dão testemunho todos os profetas, de que todos os que nele crêem receberão o perdão dos pecados pelo seu nome.

Pedro foi enviado à casa de Cornélio para pregar Cristo (Atos 5: 17- 20; II Tm 4: 1- 5; Atos 8: 4- 5; Atos 21: 1- 8; Atos 6: 1- 5), anunciar a Jesus (Atos 2: 22- 24; Atos 3: 12- 16), e dar testemunhos, de que Jesus era o Cristo (Atos 2: 25- 36; Atos 4: 10- 12; Jo 3: 28- 30). Pedro foi enviado à casa de Cornélio para levar salvação (Atos 16: 31; Atos 13- 26; Gl 3: 7- 14) libertação, cura e vida eterna para aquela gente (Mt 16: 13- 18; Atos 26: 1- 18; Atos 15: 7; Gl 2: 8; Rm 11: 13). Pedro não foi falar abobrinhas, usar a sabedoria humana, ou dar aula de teologia (Ec 12: 10- 12; Atos 26: 19- 24; Atos 22: 1- 3; Fp 3: 4- 8; II Co 2: 21; Gl 1: 10- 12; II Co 3: 6- 8; Jo 6: 63). Pedro foi simplesmente pregar a Jesus (Jo 21: 15- 17; Jo 6: 35; Jo 4: 1- 14; Jo 7: 37- 39). Por que se fala tão pouco de Jesus nos púlpitos? Os homens do passado só falaram dele (I Co 2: 1- 5; Atos 4: 8- 20; Atos 8: 5; Hb 1: 1- 6; Tg 5: 7; I Jo 1: 5- 7; Jd 1). O velho testamento, os profetas e a lei, apontavam para ele (Gl 3: 7- 24; Gn 12: 1- 7; Rm 10: 4). A obra do Espírito é fazer o pregador falar dele (Jo 14: 26; Jo 16: 7- 14; Jo 15: 16- 27; Atos 8: 29- 35). Não existe outro nome (Atos 9: 1- 15; I Co 2: 2; Fp 2: 5- 11; Atos 4: 8- 12; Is 62: 2; Lc 1: 26- 31), ou outra mensagem (Mt 16: 13- 17; II Tm 4: 3- 5; I Co 2: 1- 5). É Jesus quem salva (Rm 10: 8- 13; Jo 14: 6; I Tm 2: 5; Hb 10: 19- 20).

O Objetivo do Evangelho é despertar a fé do crente em Cristo Jesus (Mt 16: 13- 16; Rm 5: 1- 11; Atos 3: 1- 16; Ef 1: 18- 23), naqueles que ouvem a palavra (Hb 11: 6; II Co 5: 7; Mt 7: 24- 27; Jo 7: 16- 17). Como ter fé em Cristo Jesus se não ouvimos falar dele? (Rm 10: 8- 17). Onde Jesus não é mencionado não acontece salvação, libertação, cura, ou manifestação do Espírito Santo (Jr 2: 12- 13; Jo 15: 1- 5). Sem Jesus, o crente não entra na presença de Deus (Jo 14: 6; I Tm 2: 5; Hb 10: 19- 20). Sem Jesus, o culto é vazio da glória de Deus (Is 29: 13; Jr 2: 11; I Sm 4: 20- 21; II Sm 1: 19). Sem Jesus a vida é uma miséria, não há pão (Jo 6: 48; Is 55: 1- 2); não há água (Jo 7: 37- 38; Jo 4: 1- 14) e não há luz (Jo 8: 12; Sl 36: 9). Sem Jesus o povo morre sem conhecimento (Os 4: 6ª; Cl 2: 1- 3; Rm 11: 33- 36; Cl 1: 15- 19), sem sabedoria e poder de Deus (I Co 1: 18- 24; Pv 8: 1- 24; Cl 1: 15; Hb 1: 6; Lc 2: 1- 14). Sem Jesus não há misericórdia, amor, e o perdão de Deus (Jo 3: 16; Gn 3: 1- 24; Ef 2: 1- 16; Rm 5: 1- 21. Sem Jesus somos uma igreja desviada do caminho (Jo 15: 1- 5; Is 28: 15- 16; Sl 118: 20- 22; Mt 21: 33- 42; ; Atos 4: 8- 11; Rm 9: 13; Ef 2: 17- 20; I Pd 2: 1- 10).

ATOS 10: 43 Dizendo Pedro ainda estas palavras, caiu o Espírito Santo sobre todos os que ouviam.

Pedro ainda estava falando, quando naquele momento ouve a fusão entre o divino e o humano (Ef 2: 11- 16; Gl 3: 7- 14; Cl 2: 13- 23). O Espírito Santo possuiu os gentios para sempre (Atos 10: 45- 46; Jo 14: 15- 16; Jo 10: 16; Ez 37- 22; I Pd 2: 6- 9). A igreja neste momento tornou um só corpo, formado por judeus e gentios (I Co 12: 1- 13; Gl 3: 14- 28; Ef 2: 11- 18; Cl 3: 1- 11). A porta da graça se abriu para dar vida a todos (Gn 9: 16; Ef 2: 1-8; Is 57: 15; Ez 36: 26- 27; Rm 2: 13- 15; II Co 3: 3; Mt 25: 1- 10). Veja a semelhança entre a casa de Cornélio e o derramar em Jerusalém: diferente de Samaria, onde Pedro apenas ministrou o Espírito Santo sobre alguns judeus convertidos pela pregação de Filipe (Atos 8: 4- 17; Atos 11: 19). O Batismo no Espírito Santo e o derramar do Espírito Santo são a mesma coisa (Atos 11: 15- 18; Atos 2: 1- 4; Atos 10: 44- 47). Não haverá outro derramar; o Espírito Santo foi derramado uma vez (Mt 11: 13; Mt 3: 1- 11; Jo 14: 15- 16), sobre judeus (Ez 39: 29; Pv 1: 23; Is 32: 11- 15; Is 44: 1- 3; Zc 12: 10; Mt 3: 11; Jo 14: 15- 16; Atos 1: 4- 5; Atos 1: 4) e gentios (Jl 2: 28- 29; Atos 10: 44- 45; Atos 11: 15- 16; I Co 12: 1- 14; Ef 4: 1- 16). O Espírito Santo é a garantia que a Salvação aconteceu (Ef 1: 13- 14; Atos 5: 32; Atos 2: 37- 39).

O Espírito Santo derramado na casa de Cornélio foi à garantia que a salvação (Gn 3: 1- 15; Is 53: 1- 12; Rm 5: 12- 21) tinha alcançado os gentios (Atos 11: 15- 18; Mt 12: 17- 21; Atos 2: 17- 22; Jl 2: 23- 29; Atos 19: 1- 7). A porta da graça (Jo 10: 9) que se abriu para os judeus (Zc 12: 10ª; Jo 1: 17; Ef 2: 1- 8); se abriu também para os gentios (Jo 10: 16; Jo 12: 32; Rm 5: 12- 20; Rm 11: 1- 18; Jo 4: 19- 22; Mt 1: 1- 15; Gn 12: 1- 7; Gl 3: 7- 16). Portanto não existe nenhuma chance do Espírito Santo ser derramado de novo (Hb 10: 26- 29; Mt 12: 31- 32; Jo 14: 15- 16; Gn 6: 3ª; II Ts 2: 7- 10; I Ts 4: 13- 17; Ap 19: 1- 9). Necessitamos sim, de avivamento e não de derramar do Espírito Santo (Hc 3: 2). Avivamento aconteceu (Atos 8: 5- 8) acontece (Jr 33: 3; I Co 2: 9), e pode acontecer muitas vezes (Is 35: 1- 7), antes do arrebatamento da igreja (I Ts 4: 13- 17; Ap 19: 1- 9). Avivamento só acontece quando um, ou vários grupos de irmãos decidem buscar a Deus com conhecimento e sabedoria (Jr 29: 11- 13; Lc. 10: 17-24; I Co. 1: 26-27; Pv. 13:7). Se você fizer desta forma, você vai se encher do Espírito Santo; vai transbordar, e experimentar o verdadeiro poder de Deus como nunca na sua vida (Jo. 3:1-8; Mt. 7:24; Lc. 17:20-21; Mt. 13:44-46 e 52).

Não vemos no Novo Testamento nenhum outro apóstolo além de Pedro e Paulo ministrando o Espírito Santo por imposição de mãos; por isso entendo que ministrar o Espírito Santo com imposição de mãos, foi autoridade que Pedro recebeu para ministrar sobre os judeus (Atos 8: 1- 17), e Paulo sobre os gentios (Atos 19: 4- 6). Ministrar é usar a autoridade de Deus, no caso aqui com as mãos para curar, libertar e fazer sinais (Rm 15: 18- 19). Entre os sinais estava à manifestação do Espírito Santo (Atos 19: 11). Nos dois casos onde os onde houve esta necessidade, os crentes agraciados com a imposição de mãos tiveram a manifestado o Espírito Santo em suas vidas (Atos 8: 17; Atos 19: 4- 6; Gl 2: 8). Hoje em dia tem muitos pastores sem conhecimento que acreditam serem dotados desta autoridade (ministrar o Espírito Santo), e mantém essa pratica. Mostrando o maior desconhecimento da palavra de Deus (Mc 16: 15- 18; Os 4: 6ª; Ex 4: 1- 4; Ex 7: 1- 13; Lc 10: 17- 20; I Tm 5: 22ª). Veja: Pedro estava pregando quando o Espírito Santo veio sobre todos, não excluiu ninguém. Será que todos estavam preparados? Não ouve necessidade do batismo nas águas, imposição de mãos, escolha, e nem separação (Atos 10: 47- 48; Lc 23: 33- 34; Mc 16: 15- 16; Atos 8: 36- 38; Is 40: 10- 14; Rm 11: 33- 36), o Espírito Santo caiu sobre todos (Jo 10: 16; Atos 11: 16; Atos 1: 4- 5; Atos 2: 1- 4; Atos 11: 17; Atos 10: 45; Atos 2: 37- 39; Ef 1: 13; Atos 5: 32; I Co 12: 13). O que houve na casa de Cornélio foi o mesmo que ouve em Jerusalém (Atos 2: 1- 4; Atos 11: 15- 17); o batismo no Espírito prometido por Jesus aos seus discipulos (Jo 14: 15- 17; Jo 15: 26- 27; Jo 16: 7- 15; Atos 1: 1- 5).

ATOS 10: 45 – Os fiéis que eram da circuncisão, que tinham vindo com Pedro, maravilharam-se de que o dom do Espírito Santo se derramasse também, sobre os gentios.

Deus não pediu permissão para Pedro, e nem para os fiéis que ainda guardavam a lei (Atos 11: 1- 3; Atos 15: 1- 2) para derramar o Espírito Santo sobre aqueles, em quem os da circuncisão consideravam comuns e imundos (Is 45: 5- 7; Is 43: 13; Jó 42: 2). Pedro foi o portador da mensagem (Is 52: 7; Atos 5: 17- 20; Atos 15: 7; Mt 16: 13- 18). A mensagem continha a promessa (Gl 3: 13- 16; Gn 12: 1- 7; Gl 4: 28). A promessa está vinculada na salvação (Ef 1: 13; Rm 10: 4- 13). Não tem como alcançar o Espírito da promessa sem a salvação. A salvação só se alcança através da fé em Jesus (Atos 4: 8- 12; Jo 14: 6; I Tm 2: 5; Fp 2: 9- 11; Hb 10: 19- 20). Primeiro é preciso ouvir falar de Jesus (Rm 10: 14- 15). Ouvir falar de Jesus desenvolve a fé (Atos 8: 29- 35; Rm 10: 16- 17; Is 53: 1- 12; Rm 6: 1- 23), a fé desenvolve a crença (Atos 8: 36- 38; Mc 16: 15- 16; Mt 21: 33- 44). A crença se manifesta através da atitude do homem de aceitar ao Senhor Jesus, como seu Senhor e Salvador (Rm 10: 8- 13; Atos 4: 8- 12; Atos 16: 31). Esta posição que o homem toma o transporta para o Reino de Deus (Ef 1: 3- 10; Mt 6: 25- 33), ou seja, ele passa a fazer parte da igreja de Cristo ((I Pd 2: 3- 10), e recebe o Espírito Santo (Atos 5: 32). O Espírito Santo é a garantia (II Co 3: 3; Rm 2: 14- 29; Cl 2: 4- 11) da confirmação da promessa (Ef 1: 11- 13; Gl 4: 28) que Deus fez a Abraão (Gn 12: 1- 7; Gl 3: 7- 16; Jo 14: 23- 26; Jo 16: 7- 14).

Na casa de Cornélio, a promessa alcança os gentios (Gn 12: 1- 3; Gl 3: 7- 16; Gl 4: 28). E como confirmar esta promessa? O Espírito Santo é a confirmação da promessa (Atos 1: 4- 5; Lc 24: 49; Atos 2: 33), o penhor (I Co 5: 1- 5; Gn 38: 1- 18; Mt 1: 3- 16; Gl 3: 7- 16) derramado sobre todos que aceitam Jesus Cristo como seu Senhor e Salvador (Ef 1: 13- 14; Atos 2: 37- 39; Atos 5: 32). A barreira que separava os gentios do Reino de Deus havia caído (Ef 2: 11- 16; Rm 5: 1- 11; Hb 10: 19- 20). Assim como o sacrifício de Jesus foi único (Hb 7: 11- 27) e alcança a todos que a ele se chega (Rm 10: 8- 13), o batismo do Espírito Santo também é um só para judeus (Jl 2: 23; Atos 2: 1- 4; Atos 4: 4- 31) e um só para gentios (Gn 9: 12- 16; Jl 2: 28; Atos 11: 1- 17), e alcança a todos que passam a fazer parte do corpo de Cristo (Ez 37: 1- 10; II Tm 2: 1- 4; I Co 12: 14; Ef 4 : 1- 14; I Co 14: 20; I Co 12: 1- 11).  Até então o Espírito Santo era restrito ao povo de Israel (Ex 33: 12- 16; Lv 20: 7 e 23- 24; Tg 4: 4- 5; I Pd 1: 16; II Pd 2: 1- 10). Somente os patriarcas e os profetas eram possuídos pelo Espírito Santo (Gn 41: 38- 39; Dn 5: 1- 29; Sl 139: 1- 7; Mq 3: 8). Após o derramar em Jerusalém (Atos 2: 1- 4), e o derramar na casa de Cornélio (Atos 10: 44), todos que recebem Jesus em sua vida, passam a possuir o Espírito Santo (II Co 4: 7; Jo 14: 15- 16; Ef 1: 13- 14; I Co 2: 21- 22; II Co 5: 4- 7). Tome posse do que lhe pertence! Pois todos nós fomos batizados em um só Espírito, formando um só corpo, quer judeu, quer grego, quer servo, quer livre; e a todos nós foi dado de beber de um só Espírito. I Coríntios 12: 13. (Ef 5: 18; I Co 6: 18- 20; II Co 6: 11: 16; Ef 2: 11- 22).

ATOS 10: 46 – Pois os ouviam falar em línguas, e engrandecer a Deus. Então perguntou Pedro:

Na casa de Cornélio os ouviam falar em línguas (I Co 14: 1- 2), diferente do ocorrido em Jerusalém onde os discipulos falaram em variedade de línguas (Atos 2: 6- 12; I Co 12: 8- 10). Por quê? Em Jerusalém ouve a necessidade de se falar em variedade de línguas, pois estava habitando judeus, varões religiosos de todas as nações que estão debaixo do céu (Atos 2: 5; I Co 12: 1- 7; Ef 4: 7- 14). Se não houvesse a manifestação do Espírito Santo através das línguas estranhas na vida daqueles que estavam na casa, Pedro e os que estavam com ele (Atos 11: 12) jamais saberiam que a salvação tinha alcançados gentios (Mc 16: 15- 17; Atos 10: 47; Atos 11: 15- 18). Por que os que estavam com Pedro não receberam o Espírito Santo? Por que eles eram judeus, e o Espírito Santo já tinha caído sobre os judeus que aceitavam a Cristo (Atos 4: 4- 31; Ez 39: 29; Atos 2: 1- 4). A casa de Cornélio que antes era a casa de um religioso temente a Deus, agora havia se transformado na primeira igreja gentílica (Jo 7: 37- 39; Jo 4: 4- 22; Atos 1: 4- 5; Atos 2: 1- 4 e 37- 39; Jo 10: 16). Com muitas línguas estranhas, glórias a Deus e aleluia, eles louvaram o Senhor (Sl 122: 1; Ef 5: 18- 20; Cl 3: 1- 2).

A carga derramada na casa de Cornélio foi de grande proporção, que encheu a todos, ao ponto de derramar (Sl 23: 5; Jo 3: 22- 34; Ef 4: 7- 8; I Co 12: 1- 11). Existem crentes que se encheram do Espírito Santo, falaram em línguas e continuam falando. Segundo eles, foram batizados. O que aconteceu em suas vidas? Nada. Continuam como membros de bancos (Nm. 11: 16-25). Já outros, não passaram por esta experiência e tem uma vida de oração, de jejum, comem a palavra, pregam a palavra, expulsam demônios e curam os enfermos (Mc. 16: 15-18). Na igreja de Deus, igreja cujo Espírito Santo foi derramado (Ez. 39: 29; Jo. 14: -16; Atos 2:1-4), tem os que tem poder e os que não têm; os que falam em línguas e os que não falam; tem os que buscam a Deus e os que não buscam. A igreja de Deus é formada pelos fortes e pelos fracos, pelos adultos e pelas crianças. Todos são membros de um só corpo, todos formam um só corpo, todos foram batizados em um só Espírito, a todos foi dado de beber de um só Espírito (I Co. 12: 12-14; Ef 11- 22; Ef 4: 1- 5).

O batismo no Espírito Santo representa o mergulho de muitos nas águas do rio do Espírito. O Espírito Santo foi derramado como chuva (Jl. 23-29; Ez. 36: 25-27), e hoje corre como um rio, o rio do Espírito (Ap. 22:1; Ez. 47:1-9; Ez. 37:1-10). Quanto mais o crente se enche do Espírito Santo, mais ele tem da Sua natureza (Lc. 6: 45; II Co. 3:3-8; Atos 4:8-13; Jo. 15: 26-27). Ninguém consegue ter a plenitude do Espírito Santo (Jo. 3: 23-34; Cl. 1: 15-19), mas ser cheio dele é possível, necessário e imprescindível (Ef. 5: 18-21; Sl. 105:4; Is. 55:6; I Co. 2:9; Jr. 33:3; Jr. 29: 11-13). Observação: o falar em línguas estranhas é o transbordar do Espírito Santo no espírito do crente (Sl. 23:1-5). O crente fica tão cheio que não consegue se controlar (I Co. 14:6-17; I Co. 14: 26-28; I Co. 14: 32-33 e 38-40). O novo convertido se envolve com o trabalho da igreja, começa a viver o primeiro amor, passa a buscar a Deus, se enche do Espírito Santo não consegue controlar o seu espírito transborda e começa a falar em línguas estranhas (Sl. 23:1-5). Aí todos dizem: “foi batizado no Espírito Santo” (I Co. 14: 20; I Co. 13: 11; Os 4: 6ª).

Existem crentes que antes oravam e cantavam em línguas, hoje não oram nem em línguas e nem com entendimento, e agora não louvam nem em línguas e nem com entendimento. Eram cheios do Espírito Santo, hoje estão vazios. Eram vasos que transbordavam, agora são vasos secos (Ap. 2:4; Jó. 14:7-9; II Co. 4:6-7; Rm. 12:1-2). No que diz respeito ao Espírito Santo o crente pode ser cheio ou vazio, nem cheio nem vazio, meio cheio, meio vazio. Como assim? Tem aqueles que tudo que começam, terminam, mas também temos aqueles que começam e nunca terminam. Começam uma campanha de oração e não termina; começam uma campanha de jejum e não terminam. Decidem buscar a Deus na madrugada, mas não perseveram. Começam a ler a Bíblia, mas logo desanimam. Uma semana vão à aula dominical, em outra não vão; um dia vão ao círculo de oração, em outro não; um dia vai ao culto de doutrina, em outro não. Não vou nem falar daqueles que só vão aos cultos aos domingos. Deste jeito não tem como ser cheio do Espírito Santo (Mt. 25:1-13; Jl. 3:18; Jl. 2:23-32; Is. 41:18). Entra de vez no rio (Sl. 46:4; Ap. 22:1). Ficar só molhando a ponta dos dedos não dá; se não mergulhar no rio para se banhar não tem como ser cheio do Espírito Santo (Ez. 47:1-9; Jo. 7: 37-39; Ez. 37:1-10). Você pode perguntar; o que devo fazer para desfrutar do poder do Espírito Santo? Mergulhar, imergir, se encher do Espírito Santo (Ez. 47:1-5; Ef. 5: 18-21).

ATOS 10: 47 – Pode alguém recusar a água, para que não sejam batizados estes, que também receberam como nós o Espírito Santo?

Deus vê o que nenhum homem pode ver, e enxerga onde nenhum homem pode enxergar (Sl 94: 9; Sl 101: 6; II Cr 16: 9ª). Deus olha o coração (I Sm 16: 1- 7; Ap 3: 20; Pv 23: 26). O batismo nas águas simboliza o que já aconteceu no coração arrependido (Sl 34: 18; Sl 51: 10- 17; Lc 3: 1- 10), pois o arrependimento vem primeiro que o batismo nas águas (Atos 10: 1- 9; Atos 8: 26- 39). Junto com o arrependimento vem à conversão e junto com a conversão vem o Espírito da promessa (Ef 1: 13; Atos 5: 32; Gl 4: 28).

O batismo nas águas é o batismo por imersão, o mergulho do velho homem nas águas (Atos 22: 1- 16; Atos 9: 1- 18; Atos 8: 26-38; Atos 1: 10-47), a rejeição do homem pela sua natureza velha (II Co 5: 17; Lc. 3:1-8), simbolizando seu sepultamento pela morte de Cristo (Rm. 6: 3; IS. 53:1-11; Is. 1: 18-19; Is. 43: 25; II Co. 5: 17), e o surgimento de um novo homem (Rm 6: 6-7) pela ressurreição de Cristo. (Rm. 6:5; Jo. 3:1-3; Gl. 2: 20). É o fim do velho e o início do novo (Jo. 12: 24-25). É o surgimento de uma nova criatura (Cl. 2: 12-13; I Pd. 3: 21; II Co. 5: 17). Por que na hora de se passar pelas águas é necessário que se faça a confissão de arrependimento? Para perdão dos pecados. Como ter os pecados perdoados se não há arrependimento? A confissão pública é necessária para o testemunho (Atos 2: 38; Mt 3: 1- 6). É importante saber que, a presença do Espírito Santo na vida do crente (Ef. 1: 13-14; Jo. 14: 15-17), o batismo nas águas (Atos 8: 26-38; Rm. 6:1-6) e a justificação pelo sangue de Jesus (Rm. 5:1-9; Ap. 5:1-9; Rm. 10:4-13; Rm. 8: 33), são os que dão testemunho na terra da presença de Deus no crente (Mt 3:13-15; Rm. 6:1-6; Atos 2:38), e estes concordam entre si (I Jo. 5:8; Jo 3: 3- 12; Ef. 4:1-5).

Batismo nas águas faz parte das doutrinas de Cristo (Mt. 3:13-15; Mt. 28:18-20; Mc. 16:15-16; Ef. 4:1-5; Lc. 3:1-4; Hb. 6:1-2; Mc. 16:1-2; Mt. 28:18-19). Em algumas passagens de Atos dos Apóstolos, onde houve o mover do Espírito Santo, podemos ver quão importante foi o batismo nas águas (Atos 8: 14-16; Atos 19:1-5; Atos 2:1- 38). Algumas passagens quebram os entendimentos quando dizem que o novo convertido, para se batizar, precisa disso ou daquilo; que precisa fazer cursos, cursos estes de muitos anos, induzindo este novo convertido até a desistir (Atos 8: 26-39; Atos 10:1-47). Com isso, muitos desses crentes acabam se desviando e sendo arrebanhados por seitas que usam Palavra de Deus para enganar o homem (I Tm. 4:1-3; Mt. 7:15; I Pd. 5:8). Para se batizar, o novo convertido só precisa de duas coisas: crer (Mc. 16: 15 e 16; Atos 8: 26-38) e se arrepender (Atos 2: 37-38; Lc. 3:1-3). A fé e o arrependimento trás a conversão (Atos 3: 19; Atos 2: 37) e isto é pessoal (Atos 2: 38); é um particular entre o novo convertido e Deus (Jr. 17:9; Pv. 21:2; I Sm. 16:1-7; II Co. 3:3-8).

ATOS 10: 48 – E mandou que fossem batizados em nome do Senhor. Então lhe rogaram que ficasse com eles por alguns dias.

A casa de Cornélio foi à porta que se abriu para os gentios (Atos 15: 7) e com ela foi beneficiadas todas as famílias da terra (Atos 16: 9- 15 e 25- 33; Gn 12: 1- 3; Atos 3: 25; Gl 3: 7- 14). Quantos que estão por ai, que já receberam o Espírito Santo (Ef 1: 13; Atos 5: 32), e ainda não passaram pelas águas? (Tg 1: 8). Muitos ainda não passaram pelas águas por vontade própria (Ap 3: 20; Pv 23: 26), não se arrependeram verdadeiramente (Ez 18: 32; Sl 51: 17), e sabem disso (Gn 1: 2; Hb 12: 1; Hb 4: 7; Mt 12: 41; Gn 1: 3; Mc 16: 16). Outros não passaram pelas águas porque estão esperando a vontade do homem (Sl 34: 5; Ef 5: 14; Rm 10: 8). Veja que logo após o Espírito Santo cair sobre todos, Pedro mandou que fossem batizados em nome do Senhor (Mt 28: 19; Mt 18: 18; Mt 16: 13- 18; Jo 21: 15- 17; Jr 3: 14- 15). Batismo em nome do Senhor Jesus é o mesmo batismo de João (Jo 3: 22- 30; Mt 28: 18- 19; Atos 2: 37- 31; Atos 8: 5- 12; Atos 9: 17- 18; Atos 22: 1- 16; Atos 16: 9- 15; e 25- 33; Atos 18: 1- 8; Atos 19: 1- 5). As doutrinas, o conhecimento humano a respeito de Deus, e da sua obra tem atrapalhado (Is 28: 10; Lc 11: 52; Atos 15: 28- 29; Mt 11: 25- 30). Na casa de Cornélio o Espírito Santo caiu sobre todos no momento em que Pedro pregava Jesus (Atos 10: 44).

Jesus batizou Cornélio, sua família, seus vizinhos e todos os que estavam na casa primeiro que os homens (Gn 1: 2- 3; Mt 21: 23- 25; Jo 3: 29- 31; Mt 3: 11). Qual entendimento? Primeiro: O batismo no Espírito Santo foi uma decisão única e pessoal de Deus (Is 43: 13; Jó 42: 2; Is 45: 5- 7; Is 40: 13- 14; Rm 11: 33- 36) e cobre todo o corpo (igreja) (I Co 12: 12- 13; Ef 4: 1- 6; Ez 39: 29; Atos 2: 1- 4; Atos 10: 45; Atos 11: 1- 18; Mt 12: 15- 21; Gl 3: 7- 16; Gn 12: 1- 3; Ez 37: 1- 10). Segundo: Em relação ao batismo nas águas: O batismo nas águas é uma decisão única e pessoal do homem (Atos 8: 26- 36) e por figura salva somente aquele que se entregou (I Pd 3: 21; Jo 3: 1- 5). Terceiro: Não se pode perder tempo (Atos 8: 37- 38; Mt 3: 1- 6; Jo 3: 1- 6; Ap 3: 11).

Pr. Ev. Sérgio Lopes Voltar para o mergulhando
PENDÊNCIAS RN-Este, quase à hora nona, viu claramente, numa visão, um anjo de Deus,
Avalie esta postagem



Levany Júnior

Levany Júnior é Advogado e diretor do Blog do Levany Júnior. Blog aborda notícias principalmente de todo estado do Rio Grande do Norte, grande Natal, Alto do Rodrigues, Pendências, Macau, Assú, Mossoró e todo interior do RN. E-mail: levanyjunior@blogdolevanyjunior.com

Comentários com Facebook




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *