A PALAVRA DO DIA-A armadura que Deus nos dá – Ef 6:10-20


Domingo, 12 de abril de 2015

Loading...

Pr. Plínio Fernandes

Queridos irmãos, vamos ler na carta de Paulo aos Efésios, cap. 6:10-20

Quanto ao mais, sede fortalecidos no Senhor e na força do seu poder. 11Revesti-vos de toda a armadura de Deus, para poderdes ficar firmes contra as ciladas do diabo; 12 porque a nossa luta não é contra o sangue e a carne, e sim contra os principados e potestades, contra os dominadores deste mundo tenebroso, contra as forças espirituais do mal, nas regiões celestes. 13 Portanto, tomai toda a armadura de Deus, para que possais resistir no dia mau e, depois de terdes vencido tudo, permanecer inabaláveis. 14 Estai, pois, firmes, cingindo-vos com a verdade e vestindo-vos da couraça da justiça. 15Calçai os pés com a preparação do evangelho da paz; 16 embraçando sempre o escudo da fé, com o qual podereis apagar todos os dardos inflamados do Maligno. 17 Tomai também o capacete da salvação e a espada do Espírito, que é a palavra de Deus; 18 com toda oração e súplica, orando em todo tempo no Espírito e para isto vigiando com toda perseverança e súplica por todos os santos 19 e também por mim; para que me seja dada, no abrir da minha boca, a palavra, para, com intrepidez, fazer conhecido o mistério do evangelho, 20 pelo qual sou embaixador em cadeias, para que, em Cristo, eu seja ousado para falar, como me cumpre fazê-lo.

Quando o apóstolo Paulo escreveu esta carta, conforme lembra-nos o v. 20, ele estava preso por causa de seu amor ao evangelho de Jesus.

Neste mesmo período de prisão, que foi em Roma, ele também escreveu as cartas aos Filipenses, aos Colossenses e a Filemon, um crente que morava em Colossos.

Em Roma lhe foi permitido permanecer numa prisão domiciliar; uma casa que ele mesmo alugara, onde podia receber visitas, pregar o evangelho, tendo soldados romanos que se revezavam no guardá-lo.

Interessante que em Filipenses, escrita pouco tempo antes de ser liberto, ele diz que graças à sua prisão o evangelho se tornou conhecido de toda a guarda pretoriana, e entre os que mandam saudações aos irmãos no fim da carta, ele cita “os santos da casa de César”; muito provavelmente se trata de guardas romanos que foram convertidos através do testemunho de Paulo na prisão.

Em Roma ficava a elite do exército romano. E Paulo, além de nutrir amizades, conversar e evangelizar, deve ter tido muito tempo para observar os soldados que o guardavam.

Ele observou, por exemplo, que em volta da cintura cada soldado tinha um cinto, de quinze a vinte centímetros de largura, e no qual estavam fixados a couraça, a bainha para a espada bem como a própria roupa do soldado. Se o cinto não estivesse devidamente ajustado, o soldado ficaria sem proteção, sem equilíbrio e sem liberdade de movimentos para lutar.

Também observou uma couraça que protegia o peito e as costas do soldado, inclusive o coração. E o escudo, que o protegia contra as armas do inimigo.

Nos pés havia sandálias com cravos que o faziam firmemente preso ao chão e lhe davam estabilidade nos momentos de batalha.

Na cabeça, um capacete de proteção.

E Paulo gostava de fazer como seu Mestre Jesus, que tirava da vida cotidiana ilustrações para nossa vida espiritual; então ele pensou: “assim como um soldado, nós filhos de Deus, somos parte de um grande exército”.

– “Só que os nossos inimigos não são seres humanos, gente feita de sangue e carne; a nossa luta é contra as forças espirituais do mal”.

– “Por isto, assim como um soldado, cada um de nós precisa se revestir de sua armadura, a fim de resistir às investidas dos nossos inimigos, e depois de vencermos tudo, permanecermos inabaláveis”.

E agora, ao chegar à parte final desta preciosa carta ele inicia no v. 10 dizendo: “No demais, irmãos meus… revesti-vos de toda a armadura de Deus…”

Este “no demais”, ou, finalmente, é o elo entre o que Paulo vai dizer agora e tudo quando já havia dito antes.

De modo que, se voltarmos algumas páginas em nossas Bíblias veremos que nos cap. 1 a 3 desta carta o apóstolo descreve o infinitamente sábio e amoroso propósito de Deus para nós, os que somos seus filhos através da fé em Jesus Cristo.

Ele descreve como, desde antes da criação do universo, Deus nos amou, nos escolheu e nos predestinou para ser seus filhos por meio de Jesus.

Depois como, no devido tempo, para o cumprimento do seu plano, o Pai eterno enviou seu Filho eterno ao mundo, como um ser humano que encarnou e viveu entre nós, e que por seu sangue nos redimiu dos nossos pecados, pois ali na cruz ele sofreu o castigo que era nosso e nos reconciliou com Deus.

Em seguida como, no tempo de cada um de nós, por causa daquilo que Jesus fez para a nossa salvação, ele nos deu vida espiritual, concedendo-nos fé, arrependimento, libertação do poder de Satanás, capacidade para uma vida nova, e nos fez filhos seus, membros de uma grande família espiritual, constituída de todos os crentes, no céu e na terra.

Resumindo, os caps. 1 a 3 nos ensinam que, graças a Jesus, Deus é nosso Pai e nós somos sua família, em comunhão como ele e uns com os outros.

Por isto que no cap. 1:3 Paulo inicia o seu ensino louvando a Deus e dizendo:

Bendito seja o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, que nos tem abençoado com toda a sorte de bênção espiritual nas regiões celestiais em Cristo.

E depois de descrever tudo quanto Deus tem feito por nós, ele inicia o cap. 4 dizendo como deve ser a nossa vida, agora que somos assim tão abençoados.

Ef 4:1

Rogo-vos, pois, eu, o prisioneiro no Senhor, que andeis de modo digno da vocação a que fostes chamados.

E do v. 2 em diante, até o cap. 6:9, ele explica o que significa andar deste modo digno: em nossos relacionamentos uns com os outros, como família de Deus (com humildade, amor, graciosidade, santidade); depois, nos relacionamentos familiares (maridos e esposas, pais e filhos); em seguida, no “mundo lá fora” (patrões e empregados), etc.

E irmãos, a vida que Paulo descreve é simplesmente maravilhosa; uma vida que é “o céu na terra”, de harmonia nos relacionamentos, de alegria no Espírito Santo, de santidade e felicidade, de bom testemunho diante do mundo.

Deus é nosso Pai, nós somos sua família, e desde agora podemos antegozar as delícias do céu.

E depois de todas estas coisas, Paulo parte para sua conclusão dizendo: “prá terminar irmãos, eu preciso dizer mais uma coisa: é que, ainda que esta vida preparada por Deus seja maravilhosa, nós precisamos permanecer nela com firmeza”.

– “Pois existe alguém que quer nos roubar de tudo isto, e este alguém é Satanás…”

Irmãos, é como no Jardim do Éden, que Deus preparou tudo para nossos primeiros pais, e Satanás foi ali para roubar.

Então Paulo diz: “soldados de Cristo, nós temos inimigos espirituais que querem roubar tudo o que Deus tem nos dado; querem nos roubar tudo o que somos em Cristo, então revistam-se da armadura de Deus”.

Tendo estas coisas em mente, meus irmãos, eu desejo meditar com vocês sobre esta armadura de Deus, da qual nós devemos nos revestir para resistir a Satanás.

Há três considerações que desejo fazer

  1. Quando é que devemos nos vestir desta armadura
  2. 13

Portanto, tomai toda a armadura de Deus, para que possais resistir no dia mau e, depois de terdes vencido tudo, permanecer inabaláveis.

Há um sentido, irmãos, em que nenhum dia é mau em nossas vidas.

Porque cada dia da nossa vida é o Senhor quem prepara, é o Senhor quem conduz, é o Senhor quem trabalha em todas as coisas que acontecem, com sabedoria e amor, e para o nosso bem.

Mas a Bíblia também nos ensina que, ao mesmo tempo, existe alguém que deseja estragar tudo de bom que Deus tem preparado para nós.

Alguém que se utiliza de nossas fraquezas humanas, das fraquezas de outras pessoas, das circunstâncias, enfim, que lança mão de todas as coisas, distorcendo a vida diante dos nossos olhos, buscando roubar, matar e destruir, buscando tirar de nós tudo o que somos e o que temos pela graça de Deus.

Uma das formas que Satanás tenta nos atingir é através das tentações ao pecado.

Numa definição bem simples, pecado significa desviar-se da vontade de Deus para nós, e o pecado pode se manifestar em nossos pensamentos, em nossos sentimentos, em nossas atitudes, em nossas palavras, ou em nosso comportamento.

Então, por exemplo, olhe para os três primeiros capítulos desta carta e leia sobre tudo o que Deus nos tem dado; depois, do cap. 4 em diante, sobre a maneira que ele deseja que vivamos.

Satanás nos tenta a duvidar do que o Senhor tem feito por nós; ele questiona o amor que Deus tem por nós, e nos tenta a desobedecer ao que a Bíblia diz, interpondo racionalizações que nos levem a quebrar os mandamentos de Deus.

O Espírito Santo diz: “Honra teu pai e tua mãe, para que te vá bem…”.

Mas Satanás diz: “É que ele não sabe o pai ruim que você tem”.

O Espírito Santo diz: “Pais, não provoqueis vossos filhos à ira, para que não fiquem desanimados”.

Satanás diz: “Você tem autoridade. Você tem que mostrar quem é que manda”.

E assim ele provoca confusão entre pais e filhos, e pecado contra Deus, e rouba as alegrias dos relacionamentos familiares.

Cada doutrina da Bíblia, Satanás quer que não creiamos, cada mandamento, ele quer que desobedeçamos, pois a desobediência ao Espírito Santo é pecado, e tira de nós a alegria da comunhão com Deus e uns com os outros.

Existem muitas outras formas de Satanás nos atacar: ele é acusador por natureza, e se deleita em lançar em rosto os nossos pecados. Ele é mentiroso, e se deleita em nos conduzir por falsas doutrinas. Ele se deleita em distorcer nossas palavras, destruir relacionamentos, em nos levar à amargura, à ira, e tudo o mais que se opõe ao amor do Espírito.

E para que possamos resistir aos ataques de Satanás contra nós, quando é que devemos estar revestidos da nossa armadura?

Aqui no v. 13 Paulo diz que devemos resistir no dia mau. Isto é, existem dias que são especialmente difíceis, em que as dificuldades são agravadas, em que nos sentimos cansados, frágeis e inseguros.

Mas agora, por favor, volte os seus olhos para o cap. 5:16

Remindo o tempo, porque os dias são maus…

Em certo sentido, alguns dias são especialmente maus, nos quais estamos sendo tentados mais do que de costume. Por outro lado, as forças espirituais do mal nos tentam todos os dias.

Então, é a cada dia de nossa vida que devemos nos vestir de nossa armadura espiritual.

Então consideremos…

  1. Como é que nós a vestimos

Nós percebemos como vestimos cada uma das partes de nossa armadura à medida em que compreendemos o significado delas.

Nos vs. 14 a 17, o Espírito Santo nos ensina que o nosso cinto, ao qual devem estar ligadas todas as demais peças, é a verdade.

Diz que a couraça que nos protegerá o coração, é a justiça.

Que nossos calçados, que manterão nossos pés firmes quando Satanás investir contra nós é o evangelho da paz.

Que o nosso escudo é a fé. Que o capacete a proteger nossa mente é a salvação, isto é, a certeza da nossa salvação.

Por fim, a espada que devemos ter é a Palavra de Deus, a Espada do Espírito porque ele é o seu inspirador.

A verdade, a justiça, a paz que vem do evangelho, a fé, a salvação.

Agora, eu desejo relacionar, ainda que de maneira rápida, algumas referências que apontam para cada uma destas virtudes espirituais.

A verdade – Jo 17:17

Santifica-os na verdade. A tua Palavra é a verdade.

Aqui o Senhor Jesus está se referindo à Palavra de Deus escrita, que temos na Bíblia, pois segundo Jesus, a Bíblia é a Palavra de Deus[1].

Assim, ser cingido com a verdade significa conhecer as Escrituras sagradas e viver de acordo com elas.

Mas precisamos conhecer as Escrituras de modo íntimo, digamos assim, pessoal, quero dizer, precisamos, por meio das Escrituras, nos relacionar com Jesus.

Jo 14:6

Respondeu-lhe Jesus: Eu sou o caminho, a verdade e a vida. Ninguém vem ao Pai, senão por mim.

O que desejo dizer é que Jesus e a Bíblia são inseparáveis. Jesus é a Palavra de Deus que se fez carne, e a Bíblia é a Palavra de Deus escrita.

Devemos ler a Bíblia, conhecê-la, meditar nela, obedecê-la, e por meio dela buscar a Jesus. Por outro lado, buscar a Jesus, mas nunca aparte do que a Bíblia nos ensina.

Agora vejamos a justiça – 1ª Co 1:30

Mas vós sois dele, em Cristo Jesus, o qual se nos tornou, da parte de Deus, sabedoria, e justiça, e santificação, e redenção.

Assim aprendemos: nossa verdade, ou melhor, a verdade, está em Jesus, neste Jesus que nos é revelado nas Escrituras.

Assim como Jesus é a verdade por meio de quem conhecemos e nos achegamos ao Pai, ele também é a nossa justiça.

Não nos aproximamos de Deus confiados em nossa justiça própria, pois somos pecadores, mas através de Jesus, como aquele que, na cruz, morreu pelos nossos pecados e assim satisfez a justiça de Deus em nosso lugar. Jesus é a nossa justiça.

O nosso escudo é a fé que colocamos em Deus, em sua Palavra, em Jesus.

É por meio da fé que nos tornamos agradáveis a Deus, uma vez que por nossas próprias obras não o podemos fazer.

Agora, de onde procede a nossa fé?

Hb 12:2

Olhando firmemente para o Autor e Consumador da fé, Jesus, o qual, em troca da alegria que lhe estava proposta, suportou a cruz, não fazendo caso da ignomínia, e está assentado à destra do trono de Deus.

Jesus é a fonte da nossa fé.

Agora consideremos o evangelho, ou boa notícia de paz na qual firmamos os nossos pés.

Ef 2:14 e 17

17 E, vindo, evangelizou paz a vós outros que estáveis longe e paz também aos que estavam perto.

14 Porque ele é a nossa paz, o qual de ambos fez um; e, tendo derribado a parede da separação que estava no meio, a inimizade…

O capacete da salvação – At 4:11, 12

Este Jesus é pedra rejeitada por vós, os construtores, a qual se tornou a pedra angular. 12 E não há salvação em nenhum outro; porque abaixo do céu não existe nenhum outro nome, dado entre os homens, pelo qual importa que sejamos salvos.

A espada do Espírito é a Palavra de Deus.

Agora leiamos também Rm 10:17 para ver como ela é chamada ali.

E, assim, a fé vem pela pregação, e a pregação, pela palavra de Cristo.

Você percebe, não é?

Jesus é a nossa verdade; Jesus é a nossa justiça, a nossa salvação, o autor da nossa fé; Jesus é a nossa paz; a Palavra de Cristo é a nossa espada.

A nossa armadura é Jesus. E Jesus, a Palavra encarnada de Deus, e a Bíblia, Palavra escrita de Deus são inseparáveis.

Então, o que significa revestir-se da armadura que nos é dada por Deus? Significa revestir-se da presença de Jesus em nossa mente, em nosso coração, em todo o nosso ser, por meio da meditação na Palavra de Deus e da oração.

Pois no v. 18 ele acrescenta: revesti-vos…

Com toda oração e súplica, orando em todo tempo no Espírito e para isto vigiando com toda perseverança e súplica por todos os santos 19 e também por mim

Assim como um soldado não pode perder o contato com seu comandante, nós não podemos perder o nosso contato com o nosso comandante.

Orem o tempo todo, ele diz, na presença, na plenitude e poder do Espírito Santo com o qual vocês foram batizados quando creram em Cristo.

Orem uns pelos outros. Orem o tempo todo. Orem com perseverança, e deste modo estarão revestidos da presença e do poder de Jesus, a nossa armadura.

  1. Por fim, desejo mencionar o resultado
  2. 13

Portanto, tomai toda a armadura de Deus, para que possais resistir no dia mau e, depois de terdes vencido tudo, permanecer inabaláveis…

Você resistirá no dia mal.

Satanás investe contra você, com suas tentações para que você seja orgulhoso, para que você guarde rancor, para que você pense, diga, ou faça coisas que lhe roubem a paz.

Mas a verdade de Deus está em você, e você se lembra que Deus é fiel, e não permite que venha qualquer tentação que você não possa suportar, por que juntamente com a tentação ele te provê livramento e as forças necessárias.

Satanás lhe diz que você não tem capacidade para enfrentar certas circunstâncias, mas a verdade está em você, e você se lembra de que pode todas as coisas naquele que te fortalece.

Satanás investe contra você com suas acusações, mas você está protegido pelo capacete da salvação, e sabe que se Jesus está intercedendo por você, se Deus é por você, então ninguém intentará acusação contra você, pois Deus te justifica.

Você sabe que é filho de Deus pela fé em Jesus, e que nada, nem ninguém, separará você do amor de Deus; sabe que todo aquele que vem a Cristo de modo algum será lançado fora.

Satanás vem para tirar a tua paz; ele lança em rosto os teus pecados, as tuas tentações, as tuas fraquezas; mas quando ele lança contra você os seus dardos malignos, e você está revestido da tua armadura, os dardos “batem em Jesus” e caem, porque Jesus é mais forte, maior defesa do que toda seta lançada contra você.

Então, você vence tudo, e permanece inabalável.

Conclusão e aplicação

Eu estou pensando num pequeno adolescente israelita chamado Davi. Um dia ele teve que enfrentar um gigante; um homem de aproximadamente 2,80 m de altura, que desafiava o exército de Israel.

Davi não era um soldado, era um pastor de ovelhas, mas foi em luta contra o gigante. Sem armadura, mas dizendo: eu vou contra este gigante em nome do Senhor. O nome do Senhor era a sua armadura.

Ele lutou, venceu, e permaneceu inabalável.

Amados, lembrando o que nos diz o Espírito Santo, os dias são maus.

E eu tenho visto como muitas vezes, de muitas maneiras, Satanás e seus anjos investem contra vocês e a mim.

Tenho visto Satanás insistir em tentá-los, entristecê-los, assediá-los, acusá-los.

E é claro, muito mais do que eu, você conhece os ataques de Satanás contra tua alma.

São dias de lutas contra as forças espirituais do mal.

Precisamos lutar para permanecer de modo digno da nossa vocação no Senhor: para sermos pais, cônjuges, filhos, irmãos e irmãs na fé, cidadãos do mundo, segundo o coração de Deus.

Mas estes dias também são bons: pois temos uma armadura que nos foi dada por Deus: uma armadura de fé, paz, justiça, salvação. Temos o Senhor Jesus.

Nele nós podemos confiar. Esta é uma armadura resistente a toda prova.

Revista-se a armadura de Deus, e resista nestes dias maus.

A PALAVRA DO DIA-A armadura que Deus nos dá – Ef 6:10-20
Avalie esta postagem



Loading...

Comentários com Facebook




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *