NATAL RN-Policiais extorquiam traficantes e liberavam bandidos por dinheiro, diz MP



168404O Ministério Público deu detalhes sobre a operação Novos Rumos, deflagrada na manhã desta terça-feira (29) e que prendeu 12 policiais militares por diversos crimes praticados em Natal. De acordo com os promotores, os policiais presos, que pertencem ao 9º Batalhão, conseguiam vantagens indevidas através de extorsão a traficantes e liberando bandidos presos em troca de dinheiro.

Emanuel AmaralDos 12 mandados de prisão, 11 foram cumpridos; alguns dos policiais deixaram Itep encapuzadosDos 12 mandados de prisão, 11 foram cumpridos; alguns dos policiais deixaram Itep encapuzados

 

A operação foi fruto de desmembramento da operação Citronela, que desbaratou quadrilha de traficantes que atuava em Natal. Em outubro do ano passado, quando as investigações sobre o tráfico estavam em curso, os promotores identificaram a atuação de policiais, na maioria dos casos, na zona Oeste de Natal, onde eles praticavam crimes militares para conseguir dinheiro.

“Eles saíam para as ruas já pensando quais seriam as ações para conseguirem dinheiro. Roubavam telefones de criminosos, exigiam dinheiro para não prenderem e, quando prendiam algum em flagrante, exigiam dinheiro para liberá-los”, explicou o promotor Sílvio Britto.

Segundo o MP, os policiais trabalhavam em equipe para praticarem os crimes, deixando de cumprir com as obrigações da função. As ações não tinham um valor “tabelado” para as cobranças durante as extorsões, mas determinados traficantes costumeiramente pagavam aos policiais para que eles não tivessem o comércio de drogas atrapalhado.

“Quando se lidavam com traficantes de determinadas bocas de fumo, para não combater, eles recebiam o dinheiro”, disse a promotora Patrícia Nunes. “Não havia um valor fixo. Não havia uma relação linear. É uma relação extensa, de negociação e que variava o valor do pago pelos traficantes aos policiais”, explicou o promotor Sílvio Britto.

Assessoria MPEColetiva foi realizada na tarde desta terça-feira para esclarecer detalhes sobre a Operação Novos RumosColetiva foi realizada na tarde desta terça-feira para esclarecer detalhes sobre a Operação Novos Rumos


Para o Ministério Público, as provas dos crimes são suficientes para a condenação dos suspeitos, mas as investigações, que estão em segredo de Justiça, vão prosseguir. Não há ainda a definição sobre quantos crimes cada um dos envolvidos cometeu.

“Havia uma participação quase simbiótica entre policiais e pessoas da comunidade de Mosquito. Vários tipos de crimes captulados no código penal militar. Era uma prática quase que contumaz, diária, e que só pudemos acabar com o apoio da instituição da Polícia Militar, que nos ajudou bastante”, disse o promotor Jorge Augusto de Macêdo Tonel.

Para o comandante-geral da PM, coronel Ângelo Dantas, os fatos citados entristecem a corporação, mas não serão suficientes para desmoralizar ou diminuir a instituição perante a sociedade.

“Não são fatos dessa natureza que vão nos abalar ou diminuir nossa atuação. Infelizmente, já aconteceram fatos assim em outros anos. Não foram os primeiros e, infelizmente, não serão os últimos. Lamentamos, mas informamos que a PM estará sempre de cabeça erguida para apurar com profundidade esses crimes”, disse o comandante.

Confira os nomes dos policiais investigados:

Ivan Ferreira da Silva Tavares
José Cherls Firmiano da Silva
Isaac Raphael da Cruz Dumaresq
Thiago Vale Rabelo Teixeira
Damião Alves da Cunha
Marcos Garcia Marinho
Marcio José da Silva Martins
Werson Magno de Carvalho
Antônio Marcos Oliveira da Silva
Wilton Franco da Silva
Anderson Oliveira Frasseti Maia
André Luiz da Silva Pereira



Levany Júnior

Levany Júnior é Advogado e diretor do Blog do Levany Júnior. Blog aborda notícias principalmente de todo estado do Rio Grande do Norte, grande Natal, Alto do Rodrigues, Pendências, Macau, Assú, Mossoró e todo interior do RN. E-mail: [email protected]

Comentários com Facebook




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.