Macau RN; Ação coletiva contra Petrobras nos EUA avança para etapa probatória


2015-817821907-2015-816325433-2015051378954.jpg_20150513.jpg_20150519

Foto: Carlos Ivan/11-4-2014 / O Globo

O juiz americano que julga a ação coletiva deINVESTIDORES contra a Petrobras decidiu que o processo terá continuidade, avançando para a etapa probatória, exceto em dois pontos, informou a estatal nesta sexta-feira.

“O juiz determinou que as partes apresentem o cronograma do processo, que inclui a fase probatória, até o dia 15 de julho de 2015 e que o caso deverá estar pronto para julgamento até o dia 1º de fevereiro de 2016”, detalhou a Petrobras em comunicado ao mercado.

No final de junho, a Petrobras havia pedido dispensa da ação coletiva deINVESTIDORES acerca do escândalo bilionário de corrupção na estatal. Naquele momento, o juiz distrital Jed Rakoff não proferiu decisão sobre o pedido da Petrobras, mas disse que o faria dentro de duas semanas.

Segundo o comunicado da Petrobras nesta sexta-feira, o juiz reconheceu, entre outros pontos, que os pleitos relacionados à emissão de títulos realizada nos EUA em 2012 estão prescritos. O juiz determinou ainda que pedidos relativos aos papéis da empresa adquiridos no Brasil estão sujeitos à resolução por arbitragem, conforme o estatuto da companhia. A ação coletiva continuará quanto aos demais pleitos apresentados pelo autor líder, informou a Petrobras.

O processo contou com cinco ações — abertas por grandes fundos, pessoas físicas, a cidade de Providence e fundos de pensão — que foram unificadas. O fundo de pensão Universities Superannuation Scheme (USS), o maior do Reino Unido, foi eleito por Rakoff o líder da ação coletiva.

Segundo a Reuters, a Petrobras afirmou que “continuará atuando firmemente na defesa de seus direitos”.

OsINVESTIDORES autores da ação dizem que US$ 98 bilhões de ações e títulos da Petrobras foram inflados artificialmente pela companhia ao superestimar o valor de alguns de seus principais projetos. Eles alegam também que seria impossível que os executivos da empresa não soubessem da corrupção dentro da companhia.

Na audiência de 25 de junho, Jeremy Lieberman, do escritório Pomerantz, representante dos acionistas que reclamam prejuízos milionários com os escândalos de corrupção na petroleira, frisou que há diversos indícios de que a alta cúpula da empresa — incluindo os ex-presidentes Graça Foster e José Sergio Gabrielli — e integrantes do governo do PT tinham conhecimento do esquema. Lieberman ressaltou ainda que as estimativas divulgadas pela Petrobras sobre as perdas causadas pelo pagamento de propina não são confiáveis.

Já Roger Cooper, do escritório Cleary Gottlieb Steen & Hamilton LLP, que defende a Petrobras, argumentou na audiência com o juiz Rakoff que apenas quatro executivos — Paulo Roberto Costa, Pedro Barusco, Renato de Souza Duque e Nestor Cerveró — sabiam das operações ilegais, e que a empresa foi vítima. O advogado defendeu também que as propinas, estimadas em US$ 2,5 bilhões, são pequenas diante do tamanho da estatal.

O Globo

Blog do BG: http://blogdobg.com.br/#ixzz3fVtRxViB



Levany Júnior

Levany Júnior é Advogado e diretor do Blog do Levany Júnior. Blog aborda notícias principalmente de todo estado do Rio Grande do Norte, grande Natal, Alto do Rodrigues, Pendências, Macau, Assú, Mossoró e todo interior do RN. E-mail: [email protected]

Comentários com Facebook




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.