GUAMARÉ RN-Negócio da Arena Corinthians foi decidido em jantar na casa de Odebrecht


sa de Odebrecht

Ex-presidente da Odebrecht afirmou que ‘estádio de abertura de Copa do Mundo é um absurdo’. ‘Faz o estádio para um dia. É o evento da abertura. Nenhum outro evento vai justificar aquele estádio.’


Marcelo Odebrecht fala sobre conversas para construção da Arena Corinthians

O modelo de financiamento do estádio do Corinthians no bairro de Itaquera, na Zona Leste de São Paulo, sede do jogo de abertura da Copa do Mundo de 2014, foi decidido em reunião “informal” na casa de Marcelo Odebrecht, segundo o próprio delator. O encontro contou com a presença de representantes dos governos federal, estadual e municipal e do Corinthians – entre eles o ex-jogador Ronaldo Nazário – e depois as partes não honraram com seus compromissos, diz Odebrecht. “Essa é a zona do estádio do Corinthians”.

O ex-presidente da empreiteira também afirmou ter feito um empréstimo extra no final da obra, no valor de cerca de R$ 350 milhões, para conseguir completá-la e pagar obrigações que eram da prefeitura – e operação teve a anuência da ex-presidente Dilma Rousseff. Inicialmente projetada para custar R$ 350 milhões, a obra do estádio passou para R$ 820 milhões com a Copa do Mundo e acabou custando mais de R$ 1,1 bilhão.

Marcelo Odebrecht afirmou que o projeto foi “fechado” em um jantar em sua casa em 13 de janeiro de 2011, já no governo Dilma Rouseff (PT), com o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB); o prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab (PSD); e o presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Luciano Coutinho.

Também estavam presentes pelo Corinthians o então presidente do clube, Andrés Sanchez, o então diretor de marketing, Luis Paulo Rosenberg, e o ex-jogador Ronaldo Nazário de Lima. “Eles trouxeram o Ronaldo, o ‘Fenômeno’, só para ‘dar uma importância ao evento’, na visão deles”, afirmou Odebrecht.

Compromissos

“Neste jantar se acertou ‘de boca’, informalmente, o que levaria ao modelo final e os compromissos que cada um assumiria”, disse Odebrecht. Segundo ele, o Corinthians se comprometeu a pagar o empréstimo de R$ 400 milhões; o governo federal, a aprovar o empréstimo; a prefeitura, a emitir R$ 420 milhões em créditos imobiliários (‘o Kassab tirou da cartola a questão das CIDs’) e pagar as estruturas provisórias para receber o jogo de abertura da Copa do Mundo (conhecido como ‘overlay’); e o governo do estado, a pagar as obras do entorno do estádio e os assentos provisórios, para aumentar a capacidade do estádio de 40 mil para 70 mil lugares.

O ex-presidente da empreiteira afirmou que não se envolvia no projeto inicial do estádio, que seria pago com a renda do estádio, segundo o modelo de negócio projetado pelo clube, mas passou a participar das reuniões quando o estádio passou a fazer parte da Copa do Mundo.

“Estádio de abertura de Copa do Mundo é um absurdo. Você faz o estádio para um dia. É o evento da abertura, que tem 70 chefes de estado, e depois você tem de desmontar um bocado de coisa. Nenhum outro evento vai justificar aquele estádio.”

“Então o estádio para a abertura da Copa do Mundo, que foi dimensionado para o Corinthians àquela época, era um estádio de mais ou menos R$ 800 milhões, R$ 900 milhões. Você sai de um estádio de R$ 400 milhões, que era o que o Corinthians queria, para um de R$ 800 milhões, R$ 900 milhões, por causa das exigências da abertura da Copa do Mundo”, diz Marcelo.

Problemas

Odebrecht afirma que Dilma emperrou e atrasou o empréstimo de R$ 400 milhões ao Corinthians (que inicialmente seria feito pela Caixa, depois passou a ser negociado com o Banco do Brasil e no fim foi assinado com a própria Caixa), a prefeitura não arcou o custo das estruturas provisórias, que custava entre R$ 60 milhões a R$ 100 milhões, e as CIDs não foram vendidas.

“Ou seja: é um processo complicado. O país não deve funcionar assim. É um compromisso que já existia, interferência com instituição financeira, você trata as coisas com informalidade, promete as coisas e depois a instituição não fecha, depois vem uma orientação de cima para você resolver uma coisa que deveria ter sido resolvida da forma correta”, tentou resumir Odebrecht. “Essa é a zona do estádio do Corinhians.”

Questionado pelo juiz sobre o papel do ex-presidente Lula no estádio, Odebrecht afirmou:

“A gente sempre ficava no pé do Lula porque, no fundo, quem tinha metido a gente nesse enrosco era ele.”

230
COMENTÁRIO
GUAMARÉ RN-Negócio da Arena Corinthians foi decidido em jantar na casa de Odebrecht
Avalie esta postagem



Loading...

Levany Júnior

Levany Júnior é Advogado e diretor do Blog do Levany Júnior. Blog aborda notícias principalmente de todo estado do Rio Grande do Norte, grande Natal, Alto do Rodrigues, Pendências, Macau, Assú, Mossoró e todo interior do RN. E-mail: levanyjunior@blogdolevanyjunior.com

Comentários com Facebook




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *