FOTOS IMAGENS-Sem saber, mecânico diz que ajudou padrasto suspeito de matar menino a carregar caixa com corpo


Segundo a polícia, mãe é suspeita de ser mandante do crime; companheiro seria o autor

Segundo a polícia, mãe é suspeita de ser mandante do crime; companheiro seria o autor

Um mecânico, que preferiu não se identificar, disse ao G1 que ajudou a carregar uma caixa de papelão sem saber que dentro estava o corpo do menino Antônio Jorge Ferreira da Silva, de 9 anos, morto ao ser enforcado por um lençol. Segundo a Polícia Civil, a mãe da criança, Geane da Silva de Oliveira, de 27 anos, e o companheiro dela, Renato Carvalho Lima, de 20, foram presos suspeitos do crime, ocorrido em Goiânia.

O rapaz, de 19 anos, afirmou que chegava na oficina onde trabalha, localizada no Setor Nunes de Morais, no sábado (20), onde encontrou Renato, cuja mãe morava em um imóvel no segundo andar do estabelecimento.

“Quando cheguei, vi o Renato arrastando uma caixa do depósito. Aí ele pediu ajuda para colocar a caixa nas costas dele. Estava bem pesada, mas não perguntei o que era nem senti cheiro diferente. Ele saiu e não o vi mais. Eu nunca imaginei”, disse o mecânico, que foi contratado há cerca de uma semana.

Segundo as investigações, o crime foi cometido na noite de sexta-feira (19). Renato, então, esperou amanhecer e depois teria levado o corpo para um matagal perto da oficina. Ao ser preso, segundo a polícia, ele confessou que cometeu o crime a pedido de Geane. A Polícia Civil não informou se a mãe admitiu ou não participação no homicídio.

 Mãe e padrasto são presos suspeitos de matar menino enforcado em Goiânia (Foto: Reprodução/TV Anhangura) Mãe e padrasto são presos suspeitos de matar menino enforcado em Goiânia (Foto: Reprodução/TV Anhangura)

Mãe e padrasto são presos suspeitos de matar menino enforcado em Goiânia (Foto: Reprodução/TV Anhangura)

 Sem saber, mecânico diz que ajudou padrasto suspeito de matar menino a carregar caixa com corpo (Foto: Sílvio Túlio/G1) Sem saber, mecânico diz que ajudou padrasto suspeito de matar menino a carregar caixa com corpo (Foto: Sílvio Túlio/G1)

Sem saber, mecânico diz que ajudou padrasto suspeito de matar menino a carregar caixa com corpo (Foto: Sílvio Túlio/G1)

O dono da oficina, Edilson Brito da Silva, disse que a mãe de Renato morava no sobrado há cerca de dois anos. Ele também viveu com ela, mas se mudou a cerca de quatro meses. Ambos gozavam da confiança do proprietário e tinham livre acesso ao local.

“No sábado, também o vi saindo de dentro da oficina com a caixa. Ele disse que eram coisas velhas e que estava jogando fora. É complicado… saber que um inocente foi morto. Também sou pai. Nunca tinha suspeitado dele, era um rapaz muito calado”, afirmou.

Falso sequestro

Conforme a apuração policial, no domingo (21), o casal foi à Central de Flagrantes simulando que precisava de ajuda para localizar o menino. A mulher relatou que o filho havia sido sequestrado quando estava com o padrasto. Ela afirmou que quatro homens em um carro os abordaram.

A mulher contou ainda que o menino foi levado por conta de uma dívida do companheiro dela, de R$ 1,6 mil. Ela deu ainda detalhes dos indivíduos, como as roupas que eles usavam. A mãe contou também que chegou a conseguir juntar metade do valor, mas como os sequestradores não entraram em contato, ela foi à polícia.

Segundo a polícia, criança foi morta pelo padrasto no 2º andar de oficina (Foto: Sílvio Túlio/G1)Segundo a polícia, criança foi morta pelo padrasto no 2º andar de oficina (Foto: Sílvio Túlio/G1)

Segundo a polícia, criança foi morta pelo padrasto no 2º andar de oficina (Foto: Sílvio Túlio/G1)

Porém, os policiais encontraram contradições nos depoimentos. Depois, o jovem acabou confessando o assassinato.

O delegado Valdemir Pereira, responsável pelo caso, disse que deve ouvir novas testemunhas na tarde desta segunda-feira (22), mas não revelou quem são.

O corpo de Antônio seguia no Instituto Médico Legal (IML) à espera da liberação por parte de familiares até as 17h34 desta segunda-feira.

Vizinhos chocados

O casal e a criança estavam morando juntos em um barracão no Setor Vila Luciana há cerca de dois meses. Os dois trabalham em um supermercado localizado em no Residencial Eldorado, um setor vizinho. Ele era estoquista e ela, operadora de caixa.

Os vizinhos ficaram chocados com a notícia. Segundo uma dona de casa, que preferiu não se identificar, que eram comuns os desentendimentos entre a jovem e o garoto.

“Estou assustada. Ela xingava muito ele de “satanás”, mandava ele calar a boca. Ela era um pouco estranha, não tinha amizade com ninguém”, conta.

A também dona de casa Maria Alves, que também mora na mesma rua, se desesperou ao saber do que havia ocorrido. “Meu Deus, conversei com o menino esses dias. Ele adorava jogar bola e brincar com cachorrinho dele. Que judiação”, lamentou.

Casal suspeito de matar menino estava morando junto em um barracão no Setor Vila Luciana (Foto: Sílvio Túlio/G1)Casal suspeito de matar menino estava morando junto em um barracão no Setor Vila Luciana (Foto: Sílvio Túlio/G1)

Casal suspeito de matar menino estava morando junto em um barracão no Setor Vila Luciana (Foto: Sílvio Túlio/G1)

281
COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as p

FOTOS IMAGENS-Sem saber, mecânico diz que ajudou padrasto suspeito de matar menino a carregar caixa com corpo
Avalie esta postagem



Loading...

Levany Júnior

Levany Júnior é Advogado e diretor do Blog do Levany Júnior. Blog aborda notícias principalmente de todo estado do Rio Grande do Norte, grande Natal, Alto do Rodrigues, Pendências, Macau, Assú, Mossoró e todo interior do RN. E-mail: levanyjunior@blogdolevanyjunior.com

Comentários com Facebook




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *