FOTOS IMAGENS-Milicianos da Baixada Fluminense e da Zona Oeste se uniram para invadir favelas no Rio


Milicianos da Baixada Fluminense e da Zona Oeste se uniram para invadir favelas no Rio

Milicianos da Baixada durante a invasão da favela de Antares Foto: Divulgação/Polícia Civil
Rafael Soares
Tamanho do textoA A A

Paramilitares de várias partes do estado se uniram para auxiliar a maior milícia do Rio, que tem sua base na Zona Oeste, a expandir seus domínios. Fotos e mensagens encontradas por agentes da Delegacia de Homicídios da Baixada Fluminense (DHBF) em celulares de integrantes da milícia de Queimados revelam a participação do bando em várias disputas entre a quadrilha de Wellington da Silva Braga, o Ecko, e a maior facção do tráfico do Rio desde 2018.

Os paramilitares de Queimados ajudaram a milícia a invadir as favelas da Praça Seca, na Zona Norte, de Antares, na Zona Oeste, e Grão Pará, em Nova Iguaçu. Numa das fotos encontradas pela polícia, Victor Valladares Silva, apontado como um dos chefes da milícia de Queimados, aparece vestido com uma farda camuflada semelhante à usada pelo Batalhão de Operações Especiais (Bope) e um fuzil com outros dois integrantes do grupo. Segundo a polícia, a foto foi tirada na favela de Antares — que era dominada pelo tráfico e foi tomada pelo bando de Ecko em meados de 2018.

Como o EXTRA revelou ontem, Valladares foi identificado pela Delegacia Antissequestro (DAS) como um dos responsáveis pelo sequestro e pela execução de Márcio de Oliveira Caroba da Silva, o Larraia, chefe do tráfico do Morro Azul, no Flamengo. Larraia foi capturado pelos paramilitares em 30 de junho, quando visitava parentes em Queimados. Antes de matá-lo, a milícia tentou negociar um resgate com uma irmã do traficante, que mora na Suíça.

Disque Denúncia pede informações sobre chefes da milícia de Queimados
Disque Denúncia pede informações sobre chefes da milícia de Queimados Foto: Divulgação

O trato entre as milícias da Zona Oeste e da Baixada prevê auxílio mútuo: Ecko envia reforços para Queimados para que a milícia local aumente o controle sobre o território e, em troca, os paramilitares da Baixada precisam fornecer homens e fuzis em casos de invasões que interessam a Ecko. Em Queimados, já é possível notar o resultado da parceria: em agosto, dois milicianos de Campo Grande, na Zona Oeste, foram presos em Queimados por agentes da distrital do município, a 55ª DP.

A Polícia Civil já percebeu a existência de acordos parecidos fechados por Ecko e milicianos de outras partes da Baixada, como Nova Iguaçu e Queimados.

Aliança com Ecko

A aliança com Ecko não foi bem recebida por todos os integrantes da milícia de Queimados. Jorgimar Bonifácio Machado, o Duim, outro chefe do grupo, não apoiava o acordo. Ele não concordava com o uso de fuzis da própria milícia de Queimados quando os paramilitares auxiliavam Ecko na tomada de territórios.

Foto de Larraia foi enviada à família pelos sequestradores
Foto de Larraia foi enviada à família pelos sequestradores Foto: Reprodução

Três homens acusados pelo sequestro de Larraia já foram presos pela DAS: Marcos Toledo, Robson Rodogério Mathias, o Magu, e Sandro do Amaral Pinto — todos integrantes da milícia de Queimados, segundo a DAS. As prisões foram feitas com auxílio do Disque Denúncia e da DHBF, que já investigava o bando. Valladares e Duim, os dois chefes da milícia, estão foragidos. O inquérito segue em andamento para apurar a participação de policiais no crime. O corpo não foi encontrado até hoje.



Comentários com Facebook




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.