FOTOS IMAGENS-‘Mercado da morte’ movimenta R$ 1,2 bilhão por ano e gera 7,8 mil empregos em SP, diz sindicato dos cemitérios



Cemitério em Itapetininga, interior de São Paulo — Foto: Pedro Carlos Leite / G1 Cemitério em Itapetininga, interior de São Paulo — Foto: Pedro Carlos Leite / G1

Cemitério em Itapetininga, interior de São Paulo — Foto: Pedro Carlos Leite / G1

Loading...

O setor de cemitérios e crematórios privados no Brasil movimenta cerca de R$ 7 bilhões por ano. Só no estado de São Paulo, a fatia de mercado alcança R$ 1,7 bilhão por ano. A média de crescimento do faturamento é de 8% e a estimativa para 2019 é a mesma.

Os dados são do Sindicato dos Cemitérios e Crematórios Particulares do Brasil (Sincep), baseados em levantamento feito pela Fecomércio, e consideram apenas os serviços diretos, sem contar o entorno, como floriculturas e psicólogos, por exemplo.

O estudo ainda contabiliza 7.878 empregos de carteira assinada em São Paulo. A indústria funerária emprega 40 mil pessoas no Brasil. Há trabalhadores indiretos também. “Com a tendência de humanização e o uso da tecnologia o espectro de empregabilidade para áreas não convencionais do setor cresceu. São principalmente trabalhadores de hotelaria, designers, engenheiros, arquitetos, psicólogos e profissionais de informática”, disse Gisela Adissi, presidente do Sincep.

Velório humanizado

“Há uma tendência de velórios diferentes. A narrativa desses rituais é embasada por questões religiosas, por uma doutrina religiosa, pelo apressamento, pela fuga dos rituais, as pessoas querem ficar menos tempos nos velórios, pular etapas. O setor vem se especializando em atendimento humanizado e começa a se adaptar a esse perfil, com atendimento psicológico, de preparo ao luto, de personalização, que aponta uma nova narrativa”, disse Gisela.

Segundo ela, há um esforço do mercado em adaptar os rituais de despedida, de identificação. “Trabalhamos pelo maior conforto, com equipe de hotelaria, de arquitetura do espaço, com cores mais claras, mobiliário mais confortável, alimentação e bebidas. Qual o tipo de comida que você consegue comer com um nó na garganta?”, lembrou a presidente do Sincep.

O velório mais intimista e caracterizado de acordo com o perfil do falecido é tendência de mercado, segundo Gisela. Paralelamente a isso, o setor procura tornar o ambiente do velório o mais agradável possível.

“A gente tem uma perspectiva de cinco sentidos, o cheiro, por exemplo, a gente usa um neutralizador de cheiro das flores. A questão do tato, com o mobiliário mais leve e confortável, a visão a gente usa cores mais claras, a audição a gente usa músicas mais relaxantes. O paladar com bebida e comida que sejam reconfortantes, que aqueçam”, disse Gisela.

Mercado da 'morte' movimenta R$ 1,2 bilhões por ano em São Paulo e gera 7,8 mil empregos, diz sindicato dos cemitérios — Foto: Marcelo Brandt/G1Mercado da 'morte' movimenta R$ 1,2 bilhões por ano em São Paulo e gera 7,8 mil empregos, diz sindicato dos cemitérios — Foto: Marcelo Brandt/G1

Mercado da ‘morte’ movimenta R$ 1,2 bilhões por ano em São Paulo e gera 7,8 mil empregos, diz sindicato dos cemitérios — Foto: Marcelo Brandt/G1

59
FOTOS IMAGENS-‘Mercado da morte’ movimenta R$ 1,2 bilhão por ano e gera 7,8 mil empregos em SP, diz sindicato dos cemitérios
Avalie esta postagem



Loading...

Comentários com Facebook




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *