FOTOS IMAGENS-Irmã de brasileira morta na Espanha diz que suspeito preso era ‘amigo de viagens’



00:00/00:00

Erro ao carregar o recurso de vídeo.

Ocorreu um problema ao tentar carregar o vídeo. Atualize a sua página para tentar novamente.

Acesso gratuito

Faça seu login grátis e tenha acesso ilimitado às exclusividades G1

Gaúcho é preso suspeito de matar transexual na Espanha

Gaúcho é preso suspeito de matar transexual na Espanha

A Polícia da Espanha investiga a morte de uma brasileira, no último sábado (21), em Avilés, um Principado de Astúrias, a 480 quilômetros de Madri. Um suspeito foi preso. Paloma Barreto, 38 anos, era transexual, nascida em São Gabriel, no Rio Grande do Sul, e morava na Europa há 12 anos.

A irmã dela, Sinara Macedo, disse ao G1 que o homem era “amigo de viagens” da vítima. Os dois se conheceram durante uma viagem pela Europa.

“No momento estava com este lixo, que ela conheceu, e que fez tudo isso com ela. Sempre que falávamos ele se escondia da câmera. Sempre achei estranho”, diz. A família mantinha contato diário com Paloma.

Sinara conta que ficou sabendo da notícia da morte no domingo (22) através de amiga da vítima. “Logo pela manhã, quando liguei o celular, uma amiga dela entrou em contato com a delegacia de lá e confirmaram que realmente era o corpo dela (…) Sentimos muito.”

A irmã foi avisada por telefone, pelo Consulado do Brasil em Madri, que Peloma havia sido encontrada morta, com marcas de faca, em um apartamento. Sinara não recebeu mais detalhes sobre o crime.

O homem preso pela polícia espanhola, segundo ela, também é gaúcho.

“Algumas coisas são mantidas em sigilo pela polícia de lá, mas eles foram muito rápidos ao encontrar o suspeito (…) Que ele confesse e seja feita justiça.”

G1 fez contato com a Polícia da Espanha, mas ainda não teve retorno.

O Itamaraty informou que “o Consulado do Brasil em Madri acompanha o caso, presta assistência consular cabível e está em contato com os familiares da brasileira”. Perguntado sobre detalhes da investigação, não se manifestou.

“Em atendimento ao direito à privacidade dos envolvidos, bem como à Lei de Acesso à Informação e ao decreto 7.724, o Itamaraty não pode fornecer informações adicionais sobre o assunto”.

A comunidade LGBT da região onde Paloma foi morta fez um protesto, na segunda-feira (23), em repúdio ao crime. Com cartazes, eles pediam justiça e uma lei de proteção aos transexuais.

Ajuda para enterro

Na internet, amigos de Paloma fazem uma vaquinha online para arrecadar fundos para o enterro. Uma amiga informou que o sepultamento deve ocorrer em uma cidade da Espanha.

“Como todos sabem, Paloma Barreto, brasileira, foi assassinada, e, por isso, venho através desta angariação de fundos pedir a colaboração para ajudar no enterro da minha amiga Paloma Barreto assassinada em Avilés, Astúrias. Agradeço a todos os que possam contribuir com alguma coisa.”

Sinara diz que, por enquanto, a família não irá até a Espanha. “Não foi liberado ainda o atestado de óbito, precisamos dele para entrar em contato com o banco onde ela tinha um seguro de vida”, explica.

Paloma estava há 12 anos na Espanha. Ela foi encontrada morta a facadas — Foto: Arquivo PessoalPaloma estava há 12 anos na Espanha. Ela foi encontrada morta a facadas — Foto: Arquivo Pessoal

Paloma estava há 12 anos na Espanha. Ela foi encontrada morta a facadas — Foto: Arquivo Pessoal

Veja também

G1 Natureza

5 momentos do discurso da Greta na ONU

Veja os 5 principais pontos do discu



Comentários com Facebook




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *