FOTOS IMAGENS-Ataques a carros-fortes crescem 53% no Brasil; SP e BA têm mais casos


 

Erro ao carregar o recurso de vídeo.

Ocorreu um problema ao tentar carregar o vídeo. Atualize a sua página para tentar novamente.

Ataques a carro-forte aumentam no país entre 2017 e 2018

Ataques a carro-forte aumentam no país entre 2017 e 2018

O número de ataques criminosos a carros-fortes cresceu 53% no Brasil no primeiro semestre deste ano em comparação com o mesmo período de 2017. É o que aponta levantamento feito pelo G1 com base em dados da Associação Brasileira de Transporte de Valores (ABTV) e da Confederação Nacional dos Trabalhadores de Segurança Privada (Contrasp).

O país teve 75 ataques a carros-fortes de janeiro a junho de 2018 em 17 estados. No mesmo período do ano passado foram 49 ocorrências e, nos primeiros seis meses de 2016, foram 22 ações. Vídeos gravados por câmeras de segurança mostram como são esses ataques (veja acima).

Ataques a carros-fortes no Brasil no 1° semestre  (Foto: Juliane Monteiro e Karina Almeida/ G1)Ataques a carros-fortes no Brasil no 1° semestre  (Foto: Juliane Monteiro e Karina Almeida/ G1)

Ataques a carros-fortes no Brasil no 1° semestre (Foto: Juliane Monteiro e Karina Almeida/ G1)

O levantamento revela ainda que, nos últimos dois anos, a região Nordeste do país é a que vem acumulando mais casos de roubos e tentativas de assalto a carros-fortes.

Foram 34 ataques nessa região em 2016, 56 ações em 2017 e essa tendência persiste em 2018, quando, de janeiro a junho, quadrilhas armadas com metralhadoras e fuzis atacaram 46 carros-fortes.

Erro ao carregar o recurso de vídeo.

Ocorreu um problema ao tentar carregar o vídeo. Atualize a sua página para tentar novamente.

Região Nordeste lidera ranking de ataque a carros-fortes

Região Nordeste lidera ranking de ataque a carros-fortes

As quadrilhas que atuam no Nordeste têm sido chamadas de “novo cangaço”, numa alusão ao antigo bando de Lampião, por atacarem os veículos que passam por estradas cortando o sertão.

Ataques a carros-fortes no Brasil por região ano a ano desde 2016 (Foto: Juliane Monteiro e Karina Almeida/G1)Ataques a carros-fortes no Brasil por região ano a ano desde 2016 (Foto: Juliane Monteiro e Karina Almeida/G1)

Ataques a carros-fortes no Brasil por região ano a ano desde 2016 (Foto: Juliane Monteiro e Karina Almeida/G1)

Nas outras regiões do país também houve um aumento significativo de ataques ao longo de três anos, mas reforçando a dinâmica: a região Sudeste aparecendo em segundo lugar no acúmulo de casos, seguida da Sul, Centro-Oeste e Norte.

Foram mais 13 ocorrências na Sudeste, 11 ações na Sul, três ataques na Centro-Oeste e dois no Norte em 2018.

No âmbito dos estados, São Paulo e Bahia tiveram mais casos no primeiro semestre de 2018: cada um teve dez registros, entre roubos e tentativas de assalto a carros-fortes.

Ataques a carros-fortes e bases operacionais no 1° semestre de 2018 no Brasil (Foto: Juliane Monteiro e Karina Almeida/ G1)Ataques a carros-fortes e bases operacionais no 1° semestre de 2018 no Brasil (Foto: Juliane Monteiro e Karina Almeida/ G1)

Ataques a carros-fortes e bases operacionais no 1° semestre de 2018 no Brasil (Foto: Juliane Monteiro e Karina Almeida/ G1)

O que pode explicar o aumento

O consultor em segurança pública José Vicente da Silva Filho aponta a “facilidade” dos criminosos em conseguir roubar o dinheiro dos veículos e a “deficiência” das polícias em identificar e prender essas quadrilhas.

“O principal motivo é que é muito fácil. O principal objetivo de qualquer bandido é o dinheiro vivo. O dinheiro vivo está nos veículos de transporte de valores”, diz Silva Filho, que já foi secretário Nacional de Segurança Pública e é ex-coronel da Polícia Militar (PM) de São Paulo. “Como esse recurso é muito farto, dinheiro é farto, através de uma ação um pouco mais espetaculosa, em termos de armamento pesado, esses fatos vão acontecendo.”

“Nós temos uma deficiência da polícia para identificar esses grupos, então há uma tendência de expansão nesse tipo de crime”, aponta Silva Filho.

O especialista afirma ainda que São Paulo e Bahia concentram mais ataques por causa da estruturação das quadrilhas que agem nesses territórios. “Quando há uma concentração desse crime, muito específico, podemos cogitar da existência de grupos organizados que não estão encontrando resistência por parte do trabalho da polícia, principalmente da polícia de investigação.”

Ataques a carros-fortes na Bahia no 1° semestre de 2018 (Foto: Juliane Monteiro e Karina Almeida/G1)Ataques a carros-fortes na Bahia no 1° semestre de 2018 (Foto: Juliane Monteiro e Karina Almeida/G1)

Ataques a carros-fortes na Bahia no 1° semestre de 2018 (Foto: Juliane Monteiro e Karina Almeida/G1)

Ataques a carros-fortes  em São Paulo no 1° semestre de 2018 (Foto: Juliane Monteiro e Karina Almeida/G1)Ataques a carros-fortes  em São Paulo no 1° semestre de 2018 (Foto: Juliane Monteiro e Karina Almeida/G1)

Ataques a carros-fortes em São Paulo no 1° semestre de 2018 (Foto: Juliane Monteiro e Karina Almeida/G1)

Ataques a bases

Em 2016, havia mais ataques a prédios das empresas de transporte de valores no Brasil do que a carros-fortes. Foram registrados sete casos de invasão a bases (veja abaixo a um deles).

Erro ao carregar o recurso de vídeo.

Ocorreu um problema ao tentar carregar o vídeo. Atualize a sua página para tentar novamente.

Bandidos atacam empresa de valores na Bahia

Bandidos atacam empresa de valores na Bahia

Há dois anos, Ruben Shechter, diretor presidente da Associação Brasileira de Transportes de Valores, se reuniu com as empresas e secretarias de segurança públicas estaduais para adotar medidas preventivas de segurança e tentar reduzir os ataques às bases. As empresas investiram R$ 400 milhões em segurança nos últimos cinco anos, segundo a ABTV, que, alegando questões estratégicas de segurança, não divulga detalhes do que foi feito.

Em 2017, os ataques a transportadoras de valores caíram para três casos. E neste ano ocorreram duas investidas a bases – uma no dia 6 de fevereiro em Eunápolis, na Bahia, e outra no dia 1° de abril em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul.

“Em função dessa ação positiva em relação a bases de transporte de valores, a gente percebe uma migração das tentativas de assalto a carros-fortes”, afirma Shechter.

Ataques contra bases operacionais e carros-fortes (Foto: Juliane Monteiro e Karina Almeida/G1)Ataques contra bases operacionais e carros-fortes (Foto: Juliane Monteiro e Karina Almeida/G1)

Ataques contra bases operacionais e carros-fortes (Foto: Juliane Monteiro e Karina Almeida/G1)

Violência e mortes

Além de usar explosivos para roubar o dinheiro dos veículos, a violência dos assaltantes tem deixado vigilantes mortos e feridos nos confrontos. Levantamento do G1 a partir de dados da ABTV e Contrasp aponta que ao menos dez vigilantes foram mortos e outros 51 ficaram feridosdurante ataques a carros-fortes e bases entre 2017 e o primeiro semestre deste ano.

“Em 2018, nós já tivemos quatro mortes de companheiros vigilantes que perderam a vida transportando numerário nessas estradas em todo país”, lamenta João Soares, presidente do Contrasp.

Há relatos ainda de policiais e até de pedestres que morreram ou se machucaram durante os ataques. Apesar de alguns grupos que atacam carros-fortes terem sido presos, outros continuam soltos devido à dificuldade das polícias em identificá-los. Muitos usam máscaras, por exemplo.

Tráfico de armas

Para a ABTV, a redução dos ataques passa pelo maior controle do tráfico de armas, que é feito pela Polícia Federal (PF) nas fronteiras e, paralelamente, pela Polícia Rodoviária Federal (PRF) nas estradas e pelas forças de segurança nos estados.

“A atuação das autoridades tem sido bastante eficiente no sentido de identificar e utilizar meios de inteligência para coibir ações”, admite Schechter, presidente da ABTV, que, no entanto faz uma ressalva. “Mas ainda existe muito trabalho a ser feito: o controle de armas, o controle do tráfico de armas, o controle mais rígido de explosivos”.

Criminosos usam armas de guerra para intimidar seguranças (Foto: Juliane Monteiro e Karina Almeida/ G1)Criminosos usam armas de guerra para intimidar seguranças (Foto: Juliane Monteiro e Karina Almeida/ G1)

Criminosos usam armas de guerra para intimidar seguranças (Foto: Juliane Monteiro e Karina Almeida/ G1)

Enquanto criminosos usam metralhadora .50, capazes de derrubar aeronaves, fuzis e explosivos, que abrem ao meio um carro-forte, vigilantes tentam se defender com um revólver 38 e escopetas calibre 12.

De acordo com Silva Filho, a solução para se reduzir os ataques a carros-fortes está numa medida, que ele considera mais inteligente. “O dinheiro, se for destruído cada vez que for tentar manipular os malotes, simplesmente os assaltos vão desaparecer”, conta o especialista. Ele cita, por exemplo, o uso de um dispositivo com tinta para manchar as notas.

O que dizem os órgãos de segurança

G1 procurou as assessorias de imprensa da Polícia Federal, da Polícia Rodoviária Federal e também das secretarias de seguraça de São Paulo e da Bahia – os estados que mais concentraram ataques neste ano. Veja a resposta dos órgãos:

SSP-SP

De acordo com a Secretaria da Segurança Pública (SSP) de São Paulo, a 5ª Divisão de Investigações de Crimes Contra o Patrimônio (DISCCPAT), do Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic) da Polícia Civil, “realiza ações constantes visando coibir os crimes de assaltos a carros-fortes.”

Ainda segundo a pasta da Segurança de São Paulo, “as ações realizadas permitiram a redução de 50% dos casos neste ano em relação ao mesmo período ano passado. Além disso, o trabalho policial possibilitou a queda de 75% dos ataques a bases de transporte de valores e de 85,7% dos sequestros de funcionários das empresas de transportes no ano passado em comparação com 2016.”

De acordo com a SSP, “outro fator importante que contribuiu para a queda dos casos foi a prisão de duas pessoas, em Itupeva [interior do estado], e de oito homens, integrantes de uma quadrilha especializada, em novembro do ano passado, na Zona Leste” de São Paulo.

SSP-BA

A Secretaria de Segurança Pública da Bahia informou que a maior parte das estradas por onde os carros-fortes passam não tem fiscalização policial porque as empresas não informam as rotas e horários de trânsito dos seus veículos. “Eles se negam a dar as informações, com a alegação de que a polícia pode vazar para bandidos”, informa nota da assessoria.

PF

Por meio de nota, a PF informou que “com relação ao tipo de crime citado, a Polícia Federal, como polícia judiciária da União, apura os crimes de roubos de repercussão interestadual e internacional, bem como aqueles praticados contra o patrimônio da União, a exemplo de empresas públicas.”

Segundo a PF, “dessa forma, a investigação de roubo a carros-fortes, em regra, não é de atribuição da Polícia Federal. Nossas investigações, nesse sentido, têm como foco o combate a facções criminosas e ao tráfico de armas.”

PRF

A Polícia Rodoviária Federal não se posicionou sobre o aumento de casos de ataques a carros-fortes até a publicação desta reportagem.

*Colaboraram: Roberta Giacomoni, Amanda Polato, Thiago Reis e Clara Velasco

FOTOS IMAGENS-Ataques a carros-fortes crescem 53% no Brasil; SP e BA têm mais casos
Avalie esta postagem



Comentários com Facebook




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *