FOTOS IMAGENS -Acusados de crime que chocou o RN vão a júri popular nesta quinta


maria-luiza_2

Cinco anos e seis meses depois do assassinato da estudante Maria Luiza Fernandes Bezerra, de 15 anos, os dois acusados do crime vão a júri popular nesta quinta-feira (30) no Fórum Miguel Seabra Fagundes, em Natal. Apesar do julgamento estar confirmado, as defesas dos acusados Thiago Felipe Rodrigues Pereira, o ‘Thiago Cabeção’, de 26 anos, e Kleisson de Souza Freitas da Silva, o ‘Negão’, de 32 anos, tentam adiar o júri. O caso será julgado pela juíza Eliana Marinho.

Thiago e Kleisson foram denunciados pelos crimes de homicídio triplamente qualificado, sequestro e cárcere privado, roubo qualificado, estupro, vilipêndio (maltrato de cadáver) e ocultação do corpo. Caso sejam condenados às penas máximas, eles poderão ser sentenciados a mais de 60 anos de prisão.

O promotor Augusto Flávio de Azevedo, que representa o Ministério Público do Rio Grande do Norte no caso, se disse tranquilo em relação ao julgamento. “O processo é vasto e possui muitas provas, desde interceptações telefônicas a depoimentos de testemunhas que nos levam à autoria do crime. É um conjunto que nos deixa tranquilo”, disse o promotor, que afirmou não ver motivo para o adiamento do júri.

Quanto ao crime, Augusto Flávio Azevedo conta que o assassinato de Maria Luiza teve uma “combinação de desejo e estímulo de droga”. “Há um desejo reprimido pela moça da parte de um dos acusados, o Thiago, e um flagrante do envolvimento de ambos os acusados com drogas. Os dois andavam juntos. Era um dia esquisito e chuvoso quando a menina foi pega a força e colocada em um carro. Ela sofreu diversos abusos, foi morta e o corpo foi desovado”, acrescenta.

Maria Luiza saiu de casa no dia 21 de abril de 2009, feriado de Tiradentes, para se encontrar com o namorado em uma lan house. Ela não chegou ao destino. Seis dias depois, o corpo da adolescente foi encontrado nu já em avançado estado de decomposição. A perícia constatou que a adolescente foi estuprada e estrangulada. O corpo de Maria Luiza estava em um lixão no bairro de Felipe Camarão, Zona Oeste de Natal.

Thiago Felipe Rodrigues Pereira e Kleisson foram sentenciados a sentarem no banco dos réus em 19 de dezembro do ano passado. A sentença de pronúncia foi do juiz Ricardo Procópio Bandeira de Melo, titular da 3ª Vara Criminal de Natal.

Marcus Alânio representa o acusado Thiago no caso da morte da adolescente Maria Luiza (Foto: Felipe Gibson/G1)Marcus Alânio representa o acusado Thiago no caso
da morte de Maria Luiza (Foto: Felipe Gibson/G1)

Defesas
O advogado Marcus Alânio Martins Vaz, que defende Thiago Cabeção, entrou com um pedido de desaforamento para mudar o local do julgamento de Natal para Mossoró ou Pau dos Ferros, cidades da região Oeste. A defesa alega que a família da vítima criou um clamor nas redes sociais, convocando pessoas para comparecerem ao júri, o que pode interferir na avaliação dos jurados.

Enquanto isso, o advogado Arsênio Pimentel, que defende Negão, informou que vai pedir o adiamento do julgamento. O motivo, segundo Pimentel, é que uma testemunha que incriminou seu cliente não foi localizada pela Justiça. A defesa afirmou que a testemunha aparece no processo incriminando Negão, mas foi dispensada pelo Ministério Público. A defesa aguarda parecer da Justiça sobre a presença da testemunha.

FOTOS IMAGENS -Acusados de crime que chocou o RN vão a júri popular nesta quinta
Avalie esta postagem



Levany Júnior

Levany Júnior é Advogado e diretor do Blog do Levany Júnior. Blog aborda notícias principalmente de todo estado do Rio Grande do Norte, grande Natal, Alto do Rodrigues, Pendências, Macau, Assú, Mossoró e todo interior do RN. E-mail: levanyjunior@blogdolevanyjunior.com

Comentários com Facebook




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *