CURRAIS NOVOS RN-Notícias de São ToméUm pouco da história de Raul Capitão, o Rei da Scheelita Um pouco da história de Raul Capitão, o Rei da Scheelita


O senhor Raul Pereira da Silva, mais conhecido por “Raul Capitão”, é a figura mais representativa do ciclo da scheelita na região de Lajes do Cabugi à São Tomé.

Raul Capitão iniciou a vida como empregado da Fazenda Amarante, onde viveu por 18 anos. Ao sair, adquiriu nas proximidades a Fazenda Bonfim, onde fixou residência e ganhava a vida como agricultor.

Como sempre circulou a notícia de que nas terras do Bonfim havia minérios, Em uma de suas buscas – para muitos em vão – encontrou uma pedra diferente, a pedra era à scheelita, minério que dá liga ao ferro no ano de 1967. Em pouco tempo uma montanha incalculável de dinheiro caiu no colo de Raul, transformando o antigo agricultor de 55 anos em um dos homens mais ricos do Rio Grande do Norte.

Adquiriu várias propriedades rurais, dentre elas à Fazenda Ingá com mais de 11 mil hectares, onde plantava algodão e criava gado. Tornando-se uma figura legendária na região. Raul Capitão ficou tão rico que concedia entrevistas sentado em sacos de dinheiros.


Com isso botou os filhos que quiseram estudar, em boas escolas e moradia na capital. Três meninas foram internas da Escola Doméstica e uma delas chegou a se formar em Geologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte.

A fortuna gerada pela scheelita no RN, na época atraiu a revista Realidade, de circulação nacional na década de 60. Raul foi o grande personagem da matéria.

Em sua mineração chegaram a trabalhar mais de 2 mil homens e em suas fazendas havia centenas de trabalhadores. E por seu pioneirismo, por ter marcado a vida econômica e social do Rio Grande do Norte e principalmente na região de Lajes do Cabugi e São Tomé, por ter influenciado a vida de milhares de pessoas, Raul Capitão ainda vive na memória popular. 

 http://nossaterrafp.blogspot.com/   



Comentários com Facebook




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.