CEARA-CE-Cronologia do motim de policiais militares no Ceará


Por G1 CE

 


Homens encapuzados furam pneus de carros da polícia em Fortaleza — Foto: José Leomar/SVMHomens encapuzados furam pneus de carros da polícia em Fortaleza — Foto: José Leomar/SVM

Homens encapuzados furam pneus de carros da polícia em Fortaleza — Foto: José Leomar/SVM

O senador licenciado Cid Gomes (PDT-CE) foi baleado com dois tiros nesta quarta-feira (19) durante um protesto de policiais amotinados no Batalhão da Polícia Militar de Sobral. Cid tentava invadir o batalhão com uma retroescavadeira. Os policiais fazem parte de um grupo de militares que reivindicam um reajuste salarial acima do proposto pelo Governo do Estado. Eles defendem a paralisação da categoria em todo o Ceará e realizaram o primeiro ato público de protesto em dezembro de 2019.

Veja abaixo a cronologia das manifestações dos policiais do Ceará:

Primeiro protesto – 5 de dezembro de 2019

–:–/–:–

Policiais militares protestam por melhores salários na Assembleia Legislativa do Ceará

Policiais militares protestam por melhores salários na Assembleia Legislativa do Ceará

Policiais e bombeiros militares ocuparam as galerias e corredores da Assembleia Legislativa do Ceará reivindicando aumento salarial da categoria.

No mesmo dia, deputados da base do governo Camilo Santana afirmaram que uma proposta de reestruturação da carreira era elaborada e seria apresentada no “começo de 2020”. A reestruturação define quanto será o aumento do salário-base da categoria nos anos seguintes.

Proposta de reajuste – 31 de janeiro de 2020

André Costa (no centro), anunciou nesta sexta-feira (31), o reajuste salarial para os profissionais de Segurança Pública com início do pagamento em março de 2020. — Foto: Reprodução/ InstagramAndré Costa (no centro), anunciou nesta sexta-feira (31), o reajuste salarial para os profissionais de Segurança Pública com início do pagamento em março de 2020. — Foto: Reprodução/ Instagram

André Costa (no centro), anunciou nesta sexta-feira (31), o reajuste salarial para os profissionais de Segurança Pública com início do pagamento em março de 2020. — Foto: Reprodução/ Instagram

Governo do Estado anunciou detalhes do projeto de reestruturação salarial. O salário de um soldado, atualmente de R$ 3,2 mil, seria aumentado progressivamente até atingir R$ 4,2 mil em 2022.

O pacote de reajuste inclui, além de policiais militares, bombeiros militares, policiais civis e peritos forenses.

Projeto na Assembleia e novo protesto de policiais – 6 de fevereiro

Policiais e bombeiros lotam Assembleia Legislativa do Ceará e protestam por melhores salários — Foto: Isanelle Nascimento/SVMPoliciais e bombeiros lotam Assembleia Legislativa do Ceará e protestam por melhores salários — Foto: Isanelle Nascimento/SVM

Policiais e bombeiros lotam Assembleia Legislativa do Ceará e protestam por melhores salários — Foto: Isanelle Nascimento/SVM

Associações de policiais e bombeiros organizaram um ato de protesto na Assembleia Legislativa no dia em que o projeto do Governo do Estado chegaria ao poder legislativo. A categoria não aceitava os termos propostos pelo governo.

Uma parte dos policiais esteve na galeria da Assembleia; com a lotação, a maior parte dos manifestantes ficou do lado de fora e ocupou os dois sentidos da Avenida Desembargador Moreira, em frente à Assembleia. O tráfego de veículos ficou bloqueado no trecho.

1ª reunião entre policiais e governo – 10 de fevereiro

Inconformados com a proposta de reajuste salarial do Governo do Estado, policiais e representantes do Estado se encontraram em reunião para tentar chegar a um acordo.

Não houve proposta que agradasse a ambas as partes, e a reunião acabou sem acordo. Eles definiram a data para uma segunda rodada de negociações.

2ª reunião entre policiais e Governo – 13 de fevereiro

Em um segundo encontro, o Governo do Estado aumentou a proposta de reajuste salarial, de R$ 4,2 mil para R$ 4,5 mil. O aumento é progressivo, chegando ao valor de R$ 4,5 mil em 2022.

Ao fim da reunião, o Governo do Estado anunciou que havia chegado a um acordo com os militares. No entanto, policiais ligados à liderança de uma associação militar permaneceram insatisfeitos. Nos bastidores, esse grupo tentou provocar atos de protesto e paralisar as atividades da categoria.

Reação ao prenúncio de greve policial – 14 de fevereiro

Temendo a paralisação dos militares, o Ministério Público do Ceará se antecipou e recorreu à Justiça para obter decisões contrárias aos movimentos paredistas dos militares.

O órgão pediu que a Justiça decretasse a ilegalidade dos motins policiais e, em caso de desobediência, multasse as associações que apoiam as manifestações.

Justiça proíbe motins – 17 de fevereiro

Policiais ocupam avenida durante ato por aumento salarial — Foto: Gustavo Pellizzon/SVMPoliciais ocupam avenida durante ato por aumento salarial — Foto: Gustavo Pellizzon/SVM

Policiais ocupam avenida durante ato por aumento salarial — Foto: Gustavo Pellizzon/SVM

  • as associações se abstenham de atuar ou promover reuniões voltadas para discussão de melhorias salariais;
  • se abstenham de financiar ou de participar de assembleias para debater greve da categoria;
  • em caso de paralisação da Polícia Militar ou do Corpo de Bombeiros Militar, as associações demandadas abstenham-se de promover atos grevistas.

Motins e ‘vandalismo’ de policiais – 18 de fevereiro

18º Batalhão foi cercado por patrulhas do Batalhão de Choque após presença de manifestantes, no Bairro Antônio Bezerra. — Foto: Paulo Sadat/Sistema Verdes Mares18º Batalhão foi cercado por patrulhas do Batalhão de Choque após presença de manifestantes, no Bairro Antônio Bezerra. — Foto: Paulo Sadat/Sistema Verdes Mares

18º Batalhão foi cercado por patrulhas do Batalhão de Choque após presença de manifestantes, no Bairro Antônio Bezerra. — Foto: Paulo Sadat/Sistema Verdes Mares

Um grupo de policiais iniciou a realização de atos que a Secretaria da Segurança Pública considera “vandalismo” e “motim”. Três policiais foram presos por cercar um veículo da polícia e esvaziar os pneus.

A ideia dos policiais, conforme a secretaria, é paralisar as atividades da categoria.

Comércios fechados e senador baleado – 19 de fevereiro

Cid Gomes é baleado com tiro de bala de borracha em Sobral — Foto: ReproduçãoCid Gomes é baleado com tiro de bala de borracha em Sobral — Foto: Reprodução

Cid Gomes é baleado com tiro de bala de borracha em Sobral — Foto: Reprodução

Homens encapuzados – que a Secretaria da Segurança investiga se são policiais – invadiram batalhões da Polícia Militar, retiraram veículos oficiais e particulares e esvaziaram pneus nas ruas. O governador do Ceará, Camilo Santana, solicitou que policiais civis fossem às ruas fazer o serviço de patrulha.

Em Sobral, homens encapuzados ordenaram que comerciantes baixassem os portões. O senador Cid Gomes tentou entrar em um batalhão da PM usando uma retroescavadeira. Ele foi baleado com dois tiros.

O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, autorizou o envio de tropas da Força Nacional para o Ceará.

174
COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

  • Caco

    HÁ 31 MINUTOS

    Inacreditável, o sujeito tenta atropelar as pessoas com um trator. Agora pode né ???

    • Marcio Brenneisen

      HÁ 2 MINUTOS

      A esquerda está em parafuso!! Esquerdista com sangue saindo pelo nariz com o BuG no cérebro.Defende os grevistas ou o coronel do partido.Silencio ensurdecedor da midiiiiia

    • Itamar Santos

      HÁ ALGUNS SEGUNDOS

      Se fosse Bolsonaro com um trator passando por cima de grevistas tava todo mundo apoiando, esse pais virou uma baderna só.

Veja também

Jornal Nacional

Secretário de Segurança do Ceará acusa PM de fazer motim

Policiais reivindicam aumento salarial. Em Sobral, o senador Cid Gomes (PDT-CE) foi ferido após avançar com uma retroescavadeira contra um grupo de policiais.

19 de fev de 2020 às 20:01

PróximoBolsonaro repete ofensas de depoente a repórter e entidades de imprensa repudiam

Mais do G1



Comentários com Facebook




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.