Brasil e Chile firmam acordo


144710

A presidenta do Chile, Michelle Bachelet, foi recebida ontem pela presidenta Dilma Rousseff, na sua primeira visita ao Brasil desde que tomou posse, em março deste ano. Em uma visita-relâmpago, as duas presidentas assinam um acordo de troca de informações e documentos sobre os respectivos períodos de ditadura e a cooperação dos militares durante a época de exceção. Um outro acordo, esse entre a Confederação Nacional da Indústria (CNI) e a presidenta da Sociedade de Fomento Fabril chilena, para desenvolver projetos de diversificação das relações comerciais. 

Bachelet chegou a Palácio do Planalto com 10 minutos de atraso e foi recebida na rampa pela presidenta Dilma. As duas estão em um encontro privado e, em seguida, terão um outro, ampliado, com seus ministros. Não há previsão de declarações à imprensa, já que o encontro será curto. Às 10h20, está prevista a partida das duas presidentas para São Paulo, em seus respectivos aviões. Na capital paulista, Dilma oferece a Bachelet e a outros 10 chefes de Estado um almoço no hotel Marriot, antes de seguirem todos para a Arena Corinthians, onde participam da cerimônia da abertura da Copa do Mundo e assistem ao jogo Brasil x Croácia. Na noite de hoje, Bachelet dorme em Cuiabá, onde hoje assiste ao jogo Chile e Austrália, às 18h, na Arena Pantanal

Bachelet remarcou por duas vezes a visita ao Brasil, mas sua vinda ainda este semestre já estava acertada desde o encontro entre as duas presidentas em março, durante a posse em Viña del Mar (Chile). Em seguida, o chanceler chileno, Eladio Loizaga, em passagem por Brasília, confirmou a visita e a assinatura do intercâmbio de informações sobre a ditadura, nos mesmos moldes em que o Brasil já tem com a Argentina e o Uruguai. Na época, o chanceler confirmou a cooperação entre militares brasileiros e chilenos logo depois da queda de Salvador Allende. Informações coletadas pela Comissão da Verdade mostram que militares brasileiros estavam em Santiago nos primeiros dias do golpe militar. 

Com a assinatura do acordo, o Chile promete franquear ao Brasil todos os documentos classificados sobre o período. Da mesma forma, o governo brasileiro irá permitir o acesso ao governo chileno a todos os documentos relacionados à cooperação entre as duas ditaduras.

Investimentos
Também no Palácio do Planalto, na presença de Dilma e Bachelet, o presidente do Conselho Temático de Integração Internacional da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Paulo Tigre, e o presidente da Sociedade de Fomento Fabril (Sofofa), Hermann Von Muhlenbrock, assinam uma declaração se comprometendo a desenvolver projetos para ampliar e diversificar as relações comerciais entre os países.

De acordo com o Ministério de Relações Exteriores, o Brasil é o principal destino de investimentos chilenos no mundo, com estoque de US$ 24,6 bilhões. O Brasil tem aumentado presença no Chile, principalmente nos setores de energia, serviços financeiros, alimentos, mineração, siderurgia e construção civil. As trocas comerciais entre os países alcançaram US$ 8,8 bilhões em 2013, representando aumento de 65,3% nos últimos quatro anos.



Levany Júnior

Levany Júnior é Advogado e diretor do Blog do Levany Júnior. Blog aborda notícias principalmente de todo estado do Rio Grande do Norte, grande Natal, Alto do Rodrigues, Pendências, Macau, Assú, Mossoró e todo interior do RN. E-mail: [email protected]

Comentários com Facebook




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.