ALTO DO RODRIGUES RN-Metade dos analfabetos vive no NE


170561Rio (AE) – As taxas de analfabetismo e de analfabetismo funcional seguem em queda no País, mas ainda são altas entre idosos: quase um quarto da população brasileira com mais de 60 anos não sabe nem ler nem escrever, segundo a PNAD. De 2013 para 2014, o índice de analfabetos em todas as faixas etárias baixou de 8,5% para 8,3%. São 13,2 milhões de pessoas. Dez anos antes, o patamar estava em 11,5%. A taxa de analfabetos funcionais (aqueles que têm mais de 15 anos de idade e menos de quatro de estudo e, embora saibam reconhecer letras e números, são incapazes de compreender textos simples e de realizar operações matemáticas um pouco mais elaboradas) caiu de 18,1% para 17,6% em 2014 – a série histórica do IBGE mostra que em 2001 ela era 12,4%.

Júnior SantosProgramas oficiais ou executados por organizações não governamentais ajudam a derrubar a taxa de analfabetismo no BrasilProgramas oficiais ou executados por organizações não governamentais ajudam a derrubar a taxa de analfabetismo no Brasil

O Nordeste mantém a posição histórica de pior região brasileira no quesito alfabetização: 54,1% da população analfabeta de todo o País vive lá. Sul e Sudeste, com os melhores resultados, têm proporções semelhantes, 4,4% e 4,6% de analfabetos entre seus habitantes.

Em relação aos idosos, o índice de analfabetos foi de 24,4%, em 2012, para 23,1%, em 2014. São pessoas que não tiveram oportunidade de se alfabetizar na infância, e que, com o passar dos anos, não puderam voltar a estudar. Na faixa dos 15 a 19 anos, o índice é de apenas 0,9%, um reflexo dos esforços no sentido da universalização do ensino fundamental.

“Esses são idosos que tiveram o direito à educação negado ao longo da vida. Não estudaram porque não houve acesso, porque foram obrigados a parar para trabalhar. Há entre eles um número muito grande de mulheres, porque elas cuidam dos filhos e netos”, lembrou Sandra Fernandes Leite, especialista em educação de jovens e adultos da Unicamp. Para ela, o processo de erradicação do analfabetismo no Brasil não segue em velocidade satisfatória, e reflete a timidez das ações voltadas justamente ao grupo dos jovens e adultos, onde está localizado o problema.

No ano 2000, o Brasil assinou a declaração “Educação para Todos”, elaborada pela Cúpula Mundial da Educação, em que 164 países firmaram uma série de compromissos nesse campo; entre eles, o de reduzir o analfabetismo em pelo menos 50% até 2015. A meta brasileira era 6,7%, ainda longe de ser alcançada. “Não é a escolarização pela escolarização. No caso dos idosos, temos que ter alternativas para resgatá-los, porque a população está envelhecendo”, ponderou Sandra.

“O analfabetismo não está caindo no ritmo desejado. Existe política pública para jovens e adultos há décadas, e o Brasil consegue ter um atendimento expressivo, mas o resultado não é eficiente. Só 5% das pessoas que entram no Brasil Alfabetizado (programa do governo federal voltado a analfabetos com mais de 15 anos, de áreas urbanas e rurais) continuam, e o programa não é avaliado. Na sociedade letrada em que vivemos, não basta apenas alfabetizar”, avalia Roberto Catelli, coordenador da unidade de Educação de Jovens e Adultos da ONG Ação Educativa. Em 1970, 33,6% da população com mais de 15 anos era analfabeta e, em 1980, o índice havia passado para 25%.

De acordo com a PNAD, o número médio de anos de estudo dos brasileiros acima de dez anos de idade passou, de 2004 a 2014, de 6,5 para 7,7. No Sudeste, chega a 8,4; no Nordeste, é de 6,6. Mulheres vão mais à escola – a média é de 8 anos, contra 7,5 dos homens – e têm proporção menores de analfabetos (7,9%, ante 8,6% dos homens).

Participação de idosos cresce 41%

Rio (AE) – Em 2014, o Brasil tinha 203,2 milhões de residentes, um crescimento populacional de 0,9% em relação a 2013, ou 1,7 milhão de pessoas. Mulheres representam 51,6% da população; pretos e pardos são 53,6%. A faixa de 60 anos ou mais já corresponde a 13,7% dos brasileiros; em 2004, o índice era de 9,7%.

Entre as regiões, as que tiveram maior aumento populacional foram o Norte (1,4%) e o Centro-Oeste (1,5%). O Nordeste teve a menor variação (0,7%). O Sudeste tem o maior contingente do País, 85,3 milhões de pessoas, e o Centro-Oeste, o menor, 15,3 milhões. No Norte está a maior proporção de homens do País, 50,1%.

A pirâmide que representa as mudanças na estrutura etária da população residente, por grupos de idade, segue se transformando, com menos jovens e mais idosos. De 2004 a 2014, a participação de idosos na população cresceu 41%; a de pessoas de 40 a 59 anos subiu 18%. Na mesma década, a faixa de 15 a 19 anos caiu 14%, e a de 5 a 9 anos decresceu 31%. Os homens são maioria da população até os 19 anos; na marca dos 20 anos, a situação se inverte.

O fornecimento de três serviços públicos aos domicílios brasileiros – o abastecimento de água, a conexão à rede de coleta de esgoto e a coleta de lixo – estacionou no País. De 2013 a 2014, segundo a PNAD, a cobertura praticamente não evoluiu. O pior desses serviços é o que se refere à rede de esgoto: das 67 milhões de residências, só 63,5% são atendidas. No Norte, região menos contemplada, apenas um quinto dos imóveis contam com esgotamento; de 2013 a 2014, o índice pulou de 19,3% para 21,2%.

A ligação à rede de abastecimento de água foi verificada em 85,4% das residências do Brasil. Já a coleta de lixo chega a 89,8% dos lares. A iluminação elétrica, a 99,7%. Essa quase universalização da distribuição de energia é consequência dos programas de erradicação da exclusão elétrica, como o Luz para Todos, que começou em 2013 e deve valer até 2018.

Do total de domicílios, 73,7% eram próprios. A PNAD revelou uma queda em 2014 de 0,6 ponto porcentual nesse tipo de imóvel, na comparação com 2013, e também um acréscimo na mesma proporção no número de domicílios alugados.  A PNAD é realizada pelo IBGE desde 1967 e apresenta um retrato do país, grandes regiões, estados e nove regiões metropolitanas.

ALTO DO RODRIGUES RN-Metade dos analfabetos vive no NE
Avalie esta postagem



Loading...

Levany Júnior

Levany Júnior é Advogado e diretor do Blog do Levany Júnior. Blog aborda notícias principalmente de todo estado do Rio Grande do Norte, grande Natal, Alto do Rodrigues, Pendências, Macau, Assú, Mossoró e todo interior do RN. E-mail: levanyjunior@blogdolevanyjunior.com

Comentários com Facebook




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *