A PALAVRA DO DIA-Por que só um leproso voltou para agradecer? (Lc 17,11-19)


“Porque todos devemos comparecer ante o tribunal de Cristo, para que cada um receba segundo o que tiver feito por meio do corpo, ou bem, ou mal”.
(II Coríntios 5: 10)
Um assunto recorrente na vida cristã, é o problema da ingratidão. Evidentemente, ingratidão não existe ou ocorre apenas no meio cristão, mas em todos os lugares e em todos os círculos sociais. Minha reflexão de hoje com você, é exatamente sobre ela. Embora dolorosa e quase sempre frustrante, a ingratidão é uma realidade em nossas experiências cotidianas… Infelizmente, todos os dias lidamos com pessoas que não sabem expressar gratidão, e, intimamente todo ser humano espera por ela. Aprendemos com a Bíblia e com a vida, que não devemos agir contando com ela, nem tampouco devemos deixar de agir em função de sua raridade. Nossas ações são sementes fecundas que a seu tempo produzirão resultados. Acima de qualquer coisa ou força, há um DEUS que tudo vê e que é JUSTO! Nenhuma atitude nossa ficará sem recompensa. Se aqueles com os quais agimos bem não forem gratos, DEUS levantará outros ao longo da jornada que nos compensarão com atitudes agradáveis e produtivas. E, se não, a eternidade o fará! Todos colheremos nossas ações, boas ou más.
Hoje pela manhã, estive pensando sobre a cura dos dez leprosos… É intrigante ler o texto e constatar que o Senhor Jesus recebeu como resposta de nove, dos dez leprosos curados, a ingratidão! Fiquei pensando se esta deve ser realmente a proporção de ingratos no mundo do qual fazemos parte. Não que isto seja ou deva estabelecer-se como regra ou doutrina, mas se você observar atentamente comigo, perceberá no texto de Lucas 10: 11-19, que o SENHOR curou os dez que lhe pediram misericórdia, e, como sabemos, apenas um voltou para demonstrar sua gratidão. Não sou um excelente matemático, mas o cálculo simples, e, imediatamente indutivo, leva-me a conclusão de que apenas 10 por cento daquelas pessoas teve a atitude de agradecer a Deus. Se isto servir-nos de cálculo para o cotidiano, pode significar que para cada cem (100) pessoas as quais fizermos o bem, apenas dez (10) demonstrarão gratidão. As outras noventa (90) sequer voltarão para dizer-nos “muito obrigado”. Chamo isto de “Síndrome dos Leprosos”. Acredito que a doença mais grave que aqueles homens carregavam consigo não era a lepra, mas a INGRATIDÃO. Enquanto a lepra estava incrustrada na pele, a ingratidão estava arraigada em suas almas, e, pelo visto, não se deixaram curar dela, o que ocorreu com apenas um que voltou para dar glória a Deus! A ingratidão é, portanto, um tipo de lepra da alma. Exatamente por isto você precisa aprender a lidar com ela sem permitir que ela te atinja e te cause danos a curto ou longo prazo.
Peça a DEUS que faça contigo o que fez comigo: criou em torno de mim uma blindagem que mantém-me inatingido pelas ingratidões e ainda me permite continuar amando sinceramente os ingratos. Assim, não desistirei de fazer o bem, porque não o faço esperando frutos daqueles para os quais o fiz. Que Deus abençoe tua vida e te dê a visão correta de como lidar com a ingratidão. Que jamais tua alma seja atingida pelo contágio dessa lepra! Abraço fraterno.

Pr. Jesiel Freitas



Comentários com Facebook




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.